Sapo vira príncipe

De acordo com cálculos do economista catarinense Ricardo Bergamini, com base em números de janeiro de 2005, o déficit previsto do setor privado (INSS) será de R$ 22,1 bilhões (1,25% do PIB) e o déficit previsto do setor público federal será R$ 33,7 bilhões (2,13% do PIB), totalizando no ano déficit de R$ 59,8 bilhões (3,38% do PIB). Isso porque o governo continua jogando na vala do superávit primário a receita da Cofins, criada justamente para financiar a Previdência. Esse tributo deve arrecadar R$ 90 bilhões (5,09% do PIB). Ou seja, o déficit vira superávit de R$ 30,2 bilhões.

O culpado
A coincidência entre os 20 anos da derrocada da ditadura e dos 15 anos do Plano Collor fornece nova oportunidade ao país para desconstruir antigo mito: o ds hiperinflação de 84% “ao mês” do governo Sarney como justificativa para o Plano Collor. Contrariando o senso comum, a inflação de 84% “ao mês” restringiu-se a março de 1990. Seis meses antes, o índice era de 15%. Graças ao então ministro da Fazenda, Maílson da Nóbrega, e sua política de juros inacreditáveis – chegou a 4% ao dia no over – a inflação subiu 5,6 vezes nesse curto período, criando as condições psicológicas para Collor justificar o confisco. Tal colaboração fez de Maílon, além do Senhor Inflação, uma espécie de protopai do Plano Collor. Estranhamente, no mercado financeiro, enquanto Sarney é satanizado como sinônimo de hiperinflação, Maílson tornou-se um dos seus oráculos mais bem-remunerados. Em tempo, apesar da Era Maílson, a inflação média dos cinco anos de Sarney foi de 17%, pouco maior do que a média de Collor, cujo governo durou apenas dois anos.

Mão única
O secretário de Atenção à Saúde do Ministério da Saúde, Jorge Solla, foi sexta-feira à Assembléia Legislativa do Rio para discutir a crise no sistema de saúde do município. Ao terminar sua explanação, Solla se retirou da audiência, deixando sem respostas inúmeras perguntas dos parlamentares presentes. Foi o caso, por exemplo, do deputado Luiz Paulo (PSDB), que afirmou que o secretário só ficou na retórica e não propôs nenhuma solução. “Os problemas todos conhecem, precisamos é definir a saída que podemos ter na saúde metropolitana. Vivemos uma situação de calamidade pública”, disse.

Caos encomendado
Os últimos fatos não deixam dúvidas, o prefeito Cesar Maia parece compartilhar a idéia de que impopularidade pouca é besteira. Com a imagem duramente afetada na crise da saúde, para o que contribui seu comportamento de, cada vez mais, assumir voluntariamente o papel do bandido, Cesar prepara mais um tiro no próprio pé. O show desta segunda-feira do guitarrista norte-americano Lenny Kravitz, às 19h, em plena Avenida Atlântica, em Copacabana, é pule de dez para um dos maiores engarrafamentos registrados no Rio.

Braços cruzados
Os funcionários da Ten Setals, que trabalham na construção da plataforma de petróleo P-51, da Petrobras, no parque industrial da Nuclep, em Itaguaí, começarão uma greve por tempo indeterminado nesta segunda-feira, garante o Sindicato dos Metalúrgicos do Rio. Os empregados querem uma espécie de equiparação de ganhos com o do pessoal que trabalha em obras idênticas em outros estaleiros, o que significaria aumento salarial de 50%, além de outros benefícios trabalhistas.

Ensino
A proposta do governo federal para a reforma universitária e o rumo do ensino superior no Brasil são temas da palestra que o economista Cláudio de Moura Castro, ex-diretor do Bird na área de políticas educacionais e membro do Conselho Consultivo do Grupo Pitágoras, fará nesta segunda-feira, às 9h, na Associação Comercial do Rio de Janeiro (R. da Candelária, 9, Mezanino/13º andar).

Ouro verde
Com investimentos de R$ 79 milhões nos próximos três anos, 42 municípios do semi-árido piauiense vão produzir mamona para transformação em biodiesel. Há 1.810 agricultores familiares trabalhando em 3,6 mil hectares. A colheita começa em abril e prossegue até agosto, garantindo uma renda mensal de R$ 400 para cada agricultor.

Artigo anteriorChávez & cia.
Próximo artigoLiberou geral?
Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

No privatizado Texas, falta luz no inverno e no verão

Apagões servem de alerta para quem insistem em privatizar a Eletrobras.

A rota do ‘Titanic’: ameaça de apagão não é de agora

‘Por incrível que pareça, no Brasil, térmicas caras esvaziam reservatórios!’

TCU confirma que União paga R$ 3,8 bi de juros e amortização por dia

Mais de ¼ dos títulos da dívida pública vencem em 12 meses.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Automação das matrículas acelera com o uso de biometria facial

Cresce procura por soluções tecnológicas de Reconhecimento Ótico de Caracteres para operações como cadastro dos alunos nos sistemas escolares

Mercado ainda digere Fomc e MP da Eletrobras passa no Senado

O Ibovespa fechou em queda de 0,93%, na esteira dos receios globais e das discussões envolvendo a MP.

Relator vota contra autonomia do BC, mas vista adia julgamento no STF

Lewandowski vota por derrubar a lei, sancionada em fevereiro, que dá autonomia ao BC, mas pedido de vista de Barroso interrompe julgamento.

Abbas recebe credenciais de embaixador brasileiro

Diplomata Alessandro Candeas entregou nesta semana suas credenciais ao presidente da Palestina, Mahmoud Abbas.

Fretes do NE para o Sul têm maior risco de roubo e acidente

Estudo apontou que de 2018 a 2020, que 76% dos sinistros de cargas tiveram origem em acidentes e 24% foram relacionados a roubo.