Saúde foi um dos principais alvos de hackers no Brasil em 2021

Criptomoedas e trabalho híbrido serão os grandes alvos de ciberataques na AL em 2022; ransomware continua sendo a maior ameaça.

A área de saúde foi a terceira mais atacada por ransomware no Brasil, em 2021, com 13% dos casos, ficando atrás do governo e da indústria, ambos com 17,4% dos ataques. Esta é uma das conclusões apresentadas no Relatório Anual da Apura Cyber Intelligence. Apesar de a saúde continuar como alvo prioritário de ataques, houve diminuição em comparação com 2020, quando muitos criminosos utilizaram a pandemia para aplicar golpes, como os focados no auxílio financeiro emergencial distribuído pelo governo, por exemplo. Em 2021, os ataques do tipo utilizaram informações falsas sobre a vacinação como isca, principalmente.

Para 2022, a tendência é que os ransomwares continuem sendo a maior ameaça cibernética no Brasil e no mundo, segundo o relatório. De acordo com o estudo, os ransomwares são uma ameaça persistente e implacável e os operadores deste tipo de ataque visam tanto empresas de países ricos como de países pobres, desde grandes corporações multimilionárias até clínicas de saúde e hospitais. O objetivo é “sequestrar” informações vitais e exigir resgates financeiros para que as informações não sejam divulgadas, normalmente na dark web.

Os grupos ciberterroristas que mais atacaram o Brasil com ransomwares foram o LockBit, com 31,09% dos ataques, seguido do Prometheus, com 17 %, e do Avaddon, com 10,06%. Entre as áreas mais visadas, a de instituições governamentais e da indústria empataram em primeiro lugar, com 17,4%, seguidas da área de saúde, com 13%.

Phishing e ransomware ainda serão as modalidades de cibercrime predominantes na América Latina em 2022, porém, os métodos de ataque serão cada vez mais sofisticados, com cibercriminosos explorando vulnerabilidades em ambientes híbridos e em dispositivos IoT. Estas são algumas das tendências que serão observadas este ano no cenário de fraudes, de acordo com os especialistas da Appgate, multinacional especializada em acesso seguro e cibersegurança.

Fraudes por sistemas de pagamento P2P de terceiros: este é um problema persistente para as instituições financeiras, em que a maioria tem visibilidade limitada nesta área e não pode fornecer o mesmo nível de monitoramento para sistemas de pagamento P2P que geralmente usam single sign-on (SSO). Isso significa que as instituições não têm visibilidade das transações P2P de terceiros antes de serem processadas, e esta será a principal causa de fraude de pagamento neste ano.

O phishing permanece particularmente eficaz, fornecendo aos cibercriminosos um método altamente econômico e fácil de implementar. É provável que vejamos um aumento nos ataques de phishing relacionados a criptomoedas e tokens não fungíveis (NFTs). Além disso, as condições de pandemia em andamento continuarão sendo uma força motriz por trás dos ataques de spear phishing, à medida que os invasores testam estratégias de segurança para usuários, consumidores e dados distribuídos.

As criptomoedas serão um grande alvo de ataques cibernéticos. Em 2022, podemos esperar um aumento nos ataques cibernéticos relacionados a criptos e os provedores de segurança cibernética precisarão se proteger contra hackers que tentam roubar e manipular bitcoins e altcoins.

O ransomware continuará sua ascensão meteórica e se tornará mais sofisticado. Os hackers usarão ferramentas de penetração para realizar ataques em tempo real e invadir as redes das vítimas. Uma nova forma de ataque de ransomware pode envolver a capacidade de se comunicar com um alvo por meio de um dispositivo IoT e aproveitar a engenharia social para manipular seu comportamento.

Esquemas de fraude de aquisição de contas persistirão em 2022, levando muitas organizações a implementar métodos de autenticação mais robustos, que abdicam do uso de senhas, para garantir uma experiência mais segura para o usuário.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Lucros das empresas subiram 55% no primeiro trimestre

Em abril, quase metade das categorias de trabalhadores não conseguiu repor inflação.

Bolsonaro demonstra estabilidade e Lula consolida liderança

Segundo pesquisa Modalmais/AP Exata divulgada hoje, ambos têm dificuldades em buscar eleitores fora das suas bolhas de apoiadores.

Abastecimento d’água cresceu, mas esgotamento sanitário não acompanhou

Dados do SNIS mostram que esgoto chega a 55% da população; alta de casos de norovírus na Bahia evidencia a falta de acesso à água potável.

Últimas Notícias

B 3 lança novos produtos para negociação de estratégias de juros

Operações são estruturadas de contratos futuros de DI, DAP e FRC

JBS tem governança fraca, mas perfil de negócio forte

JBS tem governança fraca, mas perfil de negócio forte

Brasil corre risco de desabastecimento de diesel

Alerta foi feito inclusive pela direção da Petrobras

Lucros das empresas subiram 55% no primeiro trimestre

Em abril, quase metade das categorias de trabalhadores não conseguiu repor inflação.

PIB dos EUA cai mais que previsto, porém inflação perde ritmo

Recessão não está descartada, segundo analistas.