Saúde pública desafia mercado

Em geral, os sistemas públicos de saúde – inspirados no pioneiro National Health Service (NHS), do Reino Unido – demonstram maior eficiência do que os dos países que conservam o modelo tradicional centrado no mercado, sustenta a Associação Brasileira de Saúde Coletiva (Abrasco). “Diversos estudos recentes têm comparado custos e resultados do NHS com o sistema dos EUA e apontam ampla vantagem para a política de saúde britânica, cujo gasto per capita com atenção em saúde é metade daquele dos EUA”. Segundo a entidade, as grandes inovações organizacionais e em gestão na saúde vêm sendo desenvolvidas nos sistemas públicos de saúde. “Foi na área pública que se inventou e experimentou a atenção primária, o acesso racional e regulado aos especialistas, exames diagnóstico, fármacos e serviços de alta complexidade. Foram os sistemas públicos que lograram integrar clínica e saúde pública, assistência e promoção à saúde. São nos sistemas públicos onde se vêm desenvolvendo o cuidado interprofissional, o trabalho em equipes, o apoio matricial e valorização do vínculo e responsabilidade com os usuários”, prossegue a Abrasco.

A Associação estende os elogios ao SUS, que garante ser mais eficiente e mais efetivo do que a Saúde Suplementar. O setor privado brasileiro, em 2014, para atender a 25% da população, dispendeu 54% do gasto total em saúde no país. “O SUS para atender aos 75% que não possuem planos ou seguros privados, com uma oferta de serviços bem mais ampla (medicamentos gratuitos, insulina, vacinas, cuidado multiprofissional e não somente médico etc.) e que também atende aos 45 milhões que pagam planos de saúde, principalmente, quando estes não garantem a assistência em casos de urgência e acesso a serviços de alta complexidade, utilizou apenas 46% do gasto total em saúde”, contabiliza a Abrasco.

Tudo bem que a entidade não leva em conta a demora e as condições precárias de boa parte dos locais que atendem ao SUS. Mas é fato que grande parte dos tratamentos mais delicados, como câncer, acabam sendo atendidos pelo sistema público.

Banguela

Tema levantado por esta coluna, a redução do atendimento odontológico do Serviço Social do Comércio (Sesc) no Rio motivou reclamação do Sindicato dos Comerciários. Márcio Ayer, presidente da entidade, afirma que “o Sesc deve planejar e executar programas que contribuam para o bem-estar social e a melhoria do padrão de vida dos comerciários e suas famílias, tendo a saúde como uma das prioridades, como estabelecido legalmente”.

Ele diz que o Sesc já foi considerado o maior empregador de dentistas do país, com cerca de 2 mil profissionais em 236 clínicas. “O Sesc informa que passará a atuar de forma preventiva, com consultas de clínica geral e outros procedimentos como exames, obturações e extrações, serviços básicos que não atendem à demanda dos empregados no comércio”, diz Ayer.

Ayer finaliza dizendo que o Sesc Rio “não trata o assunto com a devida transparência” e avisa: “Não deixaremos chegar a quase zero a rede de proteção social oferecida aos comerciários.”

Me dá um dinheiro aí

Os funcionários públicos do Estado do Rio de Janeiro ainda não sabem quando vão receber os salários de fevereiro. Mas só os do Executivo. Os do Judiciário, juízes à frente, já receberam março (ainda que em duas parcelas, dias 31 de março e 5 de abril); os vencimentos de fevereiro foram depositados em 24 daquele mês, pois, afinal, no dia seguinte começava o Carnaval.

A situação pode ser legal, mas, com certeza, não é justa.

Fervorosos

Feriado é somente na Sexta-feira Santa. Mas, para os magistrados de Brasília, o trabalho acabou nesta terça-feira. Lei de 1966 determina que a folga começa nesta quarta-feira. Os tribunais superiores também suspenderam as sessões desta semana. Mas garantem que os trabalhos nos gabinetes continuaram normalmente.

Rápidas

Anderson Passos, head of makers da Artplan, será um dos participantes da mesa que debaterá o avanço e perspectivas na Gestão de Projetos no mercado carioca, nesta quarta-feira, dentro do Fórum Instituto Mestre GP no Rio de Janeiro, que reunirá profissionais do mercado de comunicação e publicidade das 8h30 às 17h, no Centro Empresarial do Rio (Praia de Botafogo, 228). Inscrições pelo site www.mestregp.com.br/forum-rj *** O 1º Congresso de Carnes e Churrasco do Brasil acontece entre 21 e 23 de abril no Brasília Palace Hotel. À frente, a chef de cozinha Berlota Joaquina, vencedora do BBQ Brasil, realizado em 2016 pelo SBT *** O especialista em marketing Gabriel Rossi volta a comandar o curso de Branding – Como Construir e Gerenciar Marcas Vencedoras na Escola Superior de Propaganda e Marketing (ESPM), em São Paulo, nos próximos dias 28 e 29. Inscrições até 27 de abril: http://www2.espm.br/cursos/espm-sao-paulo/branding-como-construir-e-gerenciar-marcas-vencedoras

Artigo anteriorCompromisso do BC
Próximo artigoFratura consolidada
Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

Capitalismo na origem da pandemia

Agronegócio e destruição do habitat estão nas raízes de 70% das novas doenças infecciosas.

Bitcoin leva 2 pancadas de uma vez

Pagamento de resgate a hackers e declaração de Musk mostram ‘lado negro da força’.

Taxação sobre heranças reflete desigualdade

Apenas 0,5% da receita vem de impostos sobre bens deixados ou doados.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Prisão de Pazuello na CPI é improvável, afirma jurista

Liminar concedida por Lewandowski será submetida à apreciação da Corte.

Turismo caiu 17,6% em março

No primeiro mês pandêmico no Brasil, março de 2020, setor viu receitas caírem 22,3%; ante mesmo mês de 2019, retração é de mais de um terço.

Custo de produção de suínos passa dos R$ 7 por quilo vivo

Em abril, os custos para produzir suínos aumentaram 2,33% ante março, fazendo indicador do setor medir a variação nos custos de produção.

Europa opera em comportamento negativo nesta manhã

A Bolsa de Frankfurt cedia 0,80% e Londres operava em queda de 0,66%.

EUA: serviços públicos puxam recuperação da indústria

Nível de produção segue abaixo do período anterior à pandemia.