Saúde&doença

Palco do famoso jantar do governador do Rio, Sérgio Cabral (PMDB), com o presidente da Delta, Fernando Cavendish, e restrito grupo de convidados, o restaurante Le Louis XV – Alain Ducasse, de Monte-Carlo, oferece cardápio a la carte por 200 euros (cerca de R$ 500). É cerca de 35% do salário que o mesmo Cabral paga um médico estadual com 20 anos de serviço, que recebe R$ 1.874,50. O serviço, do restaurante, inclui taxa de 15%.

Em inglês
Em artigo publicado na revista estadunidense Foreign Affairs, em que analisa o desenvolvimento da América Latina e as relações dos Estados Unidos com a região, o economista Ruchir Sharma, responsável pelo mercados de emergentes do Morgan Stanley, alerta que o crescimento do Brasil tem se sustentado na explosão dos preços das commodities. Shama acrescenta que, quando estes recuarem, puxarão o crescimento do país para baixo. Na verdade, a análise é de Sharma não é uma novidade para o pensamento crítico, no entanto, tem como argumento de autoridade ser escrita em inglês.

Ética na economia
Encabeçado pelos professores Ulrich Thielemann, Tanja von Egan-Krieger e Sebastian Thieme, com o apoio de mais 100 confrades de economia da Alemanha, circula pela internet o manifesto Towards a renewal of economics as a social science (Rumo a uma renovação da economia como uma ciência social). O documento apóia a “defesa da abertura dos paradigmas e a integração da reflexão ética na Economia”.

Diploma avança
A Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que restabelece a exigência de diploma para o exercício profissional do jornalismo entra na pauta do Senado na próxima semana. A agenda da Casa prevê três sessões de debate do projeto. Após a ampla maioria obtida na votação em primeiro turno, a Federação Nacional dos Jornalistas (Fenaj) e os sindicatos da categoria intensificam a pressão para confirmar a vitória no segundo turno.

Entre os grandes
O Grupo ABC foi apontado como o 18º maior grupo de comunicação do mundo pela revista Advertising Age, uma das bíblias  da propaganda mundial.. O ABC, que reúne as agências Africa, DM9, Loducca, Pereira & O”Dell e mais outras empresas, foi o único brasileiro no ranking da revista pelo quinto ano consecutivo. Fundado pelos publicitários Nizan Guanaes e Guga Valente, o ABC alcançou essa condição dez anos depois de ser criado, em 2002.

Sonho
O ranking é encabeçado por gigantes  como WPP, Omnicom, Publicis Groupe e Interpublic. No ranking de 2011, o ABC ocupava o 19ª lugar: “Quando fundamos o Grupo ABC, há dez anos, eu e Guga tínhamos um sonho grande que  este ranking da Advertising Age materializa de forma muito clara. Nosso sonho aumentou,  queremos estar entre os dez maiores do mundo. Temos grandes talentos e grandes  clientes, o brilho nos olhos e um país pujante que hoje nos permitem sonhar maior”, afirma  comemora Guanaes, chairman do  ABC.

Eleição na rede
Como a legislação eleitoral pode afetar a liberdade de expressão será o tema da VII Conferência Legislativa sobre Liberdade de Expressão, promovida pelo Instituto Palavra Aberta e a Câmara dos Deputados, no próximo dia 15, no auditório da TV Câmara em Brasília. O evento reunirá juristas, jornalistas e representantes do Legislativo e do Judiciário, para debater a atualização da legislação eleitoral diante do novo cenário multimídia, principalmente, com o avanço da internet e das redes sociais e como essas mudanças afetam a cobertura jornalística das eleições e a estratégia de comunicação dos candidatos.

Briga pelo bolo
Segundo estimativa da IAB Brasil, a internet assumirá a segunda posição entre as mídias ainda em 2012, ultrapassando o segmento de jornais. Para que isso ocorra, a IAB Brasil projeta crescimento de 39% na publicidade digital, o que a levaria a chegar ao fim de 2012, com 13,7% de participação no mercado publicitário e faturamento de R$ 4,7 bilhões. Em 2011, a web abocanhou 11% desse bolo. Na projeção do presidente da instituição, Fabio Coelho, o mercado de buscas crescerá 50% e o de display (banner), 25%. Coelho, porém, é parte interessada no tema – ele preside o Google Brasil.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorNem Dionísio
Próximo artigoPão de pobre

Artigos Relacionados

‘EUA do Mar’ seria considerado crime de lesa-pátria

Na terra de Biden, entregar navegação a estrangeiros é impensável.

Governo Bolsonaro não dá a mínima para a indústria

País perde empregos de qualidade e prejudica desenvolvimento.

Taxa sobre exportação de petróleo renderia R$ 38 bi

Imposto aumentaria participação do Estado nos resultados do pré-sal.

Últimas Notícias

Fundos de investimento poderão atuar como formadores de mercado na B3

A Comissão de Valores Mobiliários (CVM) autorizou os fundos de investimento a atuarem como formadores de mercado na B3, a bolsa do Brasil. A...

ABBC: Selic deve subir 1,50 ponto percentual

O Comitê de Política Monetária do Banco Central (Copom) se reúne na próxima terça-feira (7) para decidir sobre a nova Selic, a taxa básica...

Ibovespa fecha a semana em alta

(alta de 0,013%). O volume representou uma extensão do movimento positivo registrado na quinta-feira (2), quando o índice fechou com forte alta de 3,66%,...

China: Incentivos fiscais para investidores estrangeiros

A China anunciou que estendeu suas políticas fiscais preferenciais para investidores estrangeiros que investem no mercado de títulos da parte continental do país. A...

Brasileiro teria renda 6 vezes maior com indústria forte

Entre 1950–70, PIB do País foi multiplicado por 10.