Sauditas vêm visitar regiões cafeeiras do Brasil

Brasileiros convidaram os compradores árabes para visitar as lavouras locais no próximo ano.

Representantes de entidades do setor cafeeiro do Brasil se reuniram ontem virtualmente com importadores sauditas. Estiveram presentes representantes do Conselho dos Exportadores de Café do Brasil (Cecafé), do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), da Associação Brasileira de Cafés Especiais (BSCA) e os importadores do grão Hussain Al Musa e Emad Almasri.

As instituições já vêm se movimentando para promover os grãos brasileiros no mercado saudita, conforme contou à ANBA o diretor geral do Cecafé, Marcos Matos. Presente na reunião virtual, Matos aproveitou para convidar os importadores a visitarem as regiões produtoras de café do Brasil. A ideia é que eles tenham mais proximidade do dia a dia de produtores locais e vejam as práticas de sustentabilidade e da qualidade dos cafés nacionais.

O plano dos brasileiros é organizar a vinda dos traders para a safra do ano que vem, com expectativa de que o cenário sanitário seja mais propício. A diretora da BSCA, Vanusia Nogueira, colocou a associação, que reúne produtores de grãos especiais, à disposição para contribuir na organização da viagem às lavouras.

Do lado governamental, quem conduziu a reunião foi o adido agrícola do Brasil em Riad, Marcel Moreira Pinto, e a coordenadora de Imagem e Cultura Exportadora do Departamento de Promoção Comercial e Investimentos (DPR) do Mapa, Carolina Eufêmia Aquino de Sá.

Segundo os compradores sauditas, o principal fornecedor do produto ao país árabe hoje é a Etiópia. Os traders lembraram que as notas do grão africano, mais frutado e achocolatado, são preferências locais.

Para o presidente do Cecafé, Nicolas Rueda, há espaço para mostrar a diversidade de perfil sensorial dos cafés brasileiros.

“Temos o desafio de apresentar a diversidade dos cafés brasileiros, que aceitamos de bom grado, da mesma forma que temos o interesse em aprender mais sobre o mercado da Arábia Saudita, como no caso da importância do produto em pequenas embalagens para redes de cafeterias locais e, também, aproveitar esse aprendizado com os importadores sauditas para trabalhar um bom marketing, com base nas orientações deles”, pontua Rueda.

 

Agência de Notícias Brasil-Árabe

Artigos Relacionados

Mercado de TI é alavancado pela pandemia

Tetris IT, empresa que desenvolve projetos de inovação digital, cresceu 300% em 2020.

CNC está otimista com Dia dos Pais e projeta R$ 6,03 bi na economia

Dia dos Pais de 2020 foi o pior em 13 anos.

Indústria do Rio abriu mais de 2.400 vagas em junho

Nove em 10 vagas perdidas de março a junho de 2020, por conta do isolamento e da pandemia, já foram reabertas.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Mercado de TI é alavancado pela pandemia

Tetris IT, empresa que desenvolve projetos de inovação digital, cresceu 300% em 2020.

Ações da ClearSale valorizam mais de 20% na estreia na B3

A ClearSale (ticker CLSA3) concluiu nesta sexta-feira a sua oferta pública inicial (IPO) na B3. A oferta movimentou R$ 1,3 bilhão sendo que, apenas...

Edital da Oferta Permanente inclui 377 blocos

A Agência Nacional de Petróleo e Gás Natural (ANP) publicou nesta sexta-feira nova versão do edital da Oferta Permanente, com a inclusão de 377...

Multa de R$ 500 mil para ‘fake’ sobre eleição

Uma multa de R$ 500 mil, caso repita as manifestações que questionem os últimos pleitos presidenciais realizados no país, faz parte uma ação que...

Bacia de Campos recua com redução drástica de investimentos

A Bacia de Campos, atualmente a segunda maior região produtora de petróleo do Brasil, registrou em junho a sua menor produção média dos últimos...