Se a moda pega

O juiz da Suprema Corte de Justiça da  Argentina Adolfo Vázquez pediu ao presidente do Uruguai, Jorge Battle, asilo naquele país. Na Argentina, onde existe o controle externo do Judiciário, Vázquez enfrenta processo por mau desempenho no cargo. Segundo o Ministério das  Relações Exteriores da Argentina, o magistrado é acusado de pertencer a um  grupo que apoiava incondicionalmente os projetos do ex-presidente Carlos  Menem, que governou o país de 1989 a 1999 e que criou as bases para quebrar o país no governo De la Rúa, que aprofundou suas diretrizes. Battle recusou o pedido de Vázquez.

Passividade perigosa
No Brasil, cerca de 200 mil pessoas – o equivalente a quase três Maracanãs lotados -a morrem por doenças causadas pelo cigarro. No mundo inteiro, o número de vítimas diárias chega a 5 milhões. O alerta é do clínico geral Marcos Benchimol, diretor da Clínica Benchimol:  “De cada dez casos de câncer de pulmão, nove são conseqüência do fumo, assim como 85% das mortes por enfisemas, além de cardiopatias”, adverte, acrescentando que os fumantes passivos têm 30% a mais de chances de sofrer de câncer do que os não sujeitos à fumaça alheia.
O médico quer aproveitar o Dia Nacional de Combate ao Fumo, neste domingo, para alertar a sociedade sobre os males do fumo. Benchimol salienta ainda que é cada vez mais comum ver jovens fumantes.

Campeão do mal
Além disso, doenças cardiovasculares são responsáveis por aproximadamente 30% das mortes no país. Mesmo quando não levam à morte, podem incapacitar os indivíduos, o que ocorre em cerca de 30% dos casos. Para debater os diversos métodos usados pela medicina para medir a predisposição às doenças cardiovasculares será realizado o fórum Estratificação de Risco Cardiovascular, neste sábado, das 9h às 13h no Centro de Ensino e Pesquisas do Hospital Pró-Cardíaco, em Botafogo (Zona Sul do Rio de Janeiro).

Mais do mesmo
Embora reconheça que na segunda metade do século XX apenas cinco países ingressaram no mundo desenvolvido, o economista Armando Castelar defende abertura comercial ainda maior para os países pobres, que, segundo ele, deveriam adotar um modelo de desenvolvimento baseado nas exportações. “As exportações na China crescem 25% ao ano. Se o Brasil obtiver média de 20%, tem garantido um crescimento do PIB na faixa de 3,2%”, calcula, defendendo menos juros e mais poupança e abertura comercial para que o país alcance o desenvolvimento sustentável.

Sem garantia
Aos neoliberais que defendem a qualificação profissional como saída para o subdesenvolvimento e para distribuir de renda, o economista João Paulo de Almeida Magalhães lembra que educação é infra-estrutura: “Infra-estrutura permite, mas não determina o desenvolvimento”, frisa Magalhães, que integra o Conselho Editorial do MM.

Artigo anteriorVale ouro
Próximo artigoAbaixo a diferença
Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

Salário mínimo baixo, gasto do Estado alto

Nos EUA, assistência a trabalhadores que ganham pouco custa US$ 107 bi por ano ao governo.

Privatização da Eletrobras aumentará tarifa em 17%

Estatal dá lucro e distribuiu R$ 20 bi em dividendos para a União.

Dois mitos sobre a Petrobras

Mídia acionada pelo mercado financeiro abusa de expedientes que ataca quando usados por bolsonaristas.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Presidente do Banco do Brasil joga a toalha

Centrão tem interesse no cargo.

Imóveis comerciais tiveram estabilidade em janeiro

Nos últimos 12 meses, entretanto, preços de venda e locação do segmento acumulam quedas de 1,32% e 1,18%, respectivamente.

Contas públicas têm superávit de R$ 58,4 bilhões em janeiro

Dívida bruta atinge 89,7% do PIB, o maior percentual da história.

Presidente do Inep é exonerado do cargo

Medida foi publicada no Diário Oficial de hoje; até o momento, não foi anunciado o nome de quem o substituirá.

Primeiro caso de Covid-19 no Brasil completa um ano

Brasil tem novo recorde de mortes diárias, diz Fiocruz; boletim informa que houve ontem 1.148 mortes.