25 C
Rio de Janeiro
quarta-feira, janeiro 20, 2021

SE e Sul: maiores diferenças entre os rendimentos efetivo e habitual

Pnad Covid19 – Em outubro, o rendimento habitual de todos os trabalhos ficou, em média, em R$ 2.345, para Brasil, e o efetivo em R$ 2.194, ou seja, o efetivo representava 93,6% do habitualmente recebido, em setembro correspondia a 91,2%. Nas regiões Sul e Sudeste (SE) estavam as maiores diferenças: 93,0% e 93,2%, respectivamente. De setembro para outubro, houve queda de 2,2% no rendimento real habitual, mas um aumento de 0,3% no rendimento real efetivo.

A massa de rendimento médio real normalmente recebido passou de R$ 195,5 bilhões em setembro para R$ 194,0 bilhões em outubro. Considerando o rendimento efetivo, houve um aumento da massa de rendimento de 1,8% em termos reais (passando de R$ 178,3 bilhões em setembro para R$ 181,5 bilhões em outubro).

Os trabalhadores por conta própria e os empregadores tiveram as maiores diferenças entre os rendimentos habitual e efetivamente recebidos, 83,9% e 90,2%, respectivamente. Rendimento domiciliar per capita é o dobro nos domicílios sem auxílio emergencial

O rendimento médio real domiciliar per capita efetivamente recebido (R$), no Brasil, em outubro, foi de R$ 1.310, ou 1,7% abaixo de setembro em termos reais (R$ 1.332). As regiões Nordeste e Norte apresentaram os menores valores, R$ 877 e R$ 900, respectivamente.

A proporção de domicílios que recebeu algum auxílio relacionado à pandemia, no Brasil, passou de 43,6% em setembro para 42,2% em outubro, com valor médio do benefício em R$ 688 por domicílio. Norte e Nordeste foram novamente as regiões com os maiores percentuais de domicílios recebendo auxílio: 58,4% e 56,9%, respectivamente. Entre os auxílios estão o Auxílio Emergencial e a complementação do Governo pelo Programa Emergencial de Manutenção do Emprego e da Renda.

Ao todo, 19 unidades da federação tiveram queda no percentual de domicílios onde um dos moradores recebe auxílio emergencial entre setembro e outubro. Os demais oito estados ficaram estáveis. Os maiores índices são no Amapá (68,6%), no Pará (62,2%), no Maranhão (61,4%), em Alagoas (60,3%) e o Acre (59,6%). Os estados com menor proporção são Santa Catarina (22,9%), Rio Grande do Sul (28,8%) e Distrito Federal (30%).

Artigos Relacionados

Confiança do empresário do comércio cai 2,2% em janeiro

O Índice de Confiança do Empresário do Comércio (Icec) caiu 2,2% em janeiro de 2021 e passou para 105,8 pontos. Segundo explicou a Confederação...

Itens mais procurados têm relação com o lar, home office e transporte

No ano em que os brasileiros enfrentaram as restrições sociais da pandemia da Covid-19 e passaram mais tempo em casa, a procura por itens...

Fábrica fechada pela Petrobras poderia suprir demanda por oxigênio

Pequena modificação levaria planta de fertilizantes a produzir o gás hospitalar.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Exportações de suco de laranja recuam 23% entre julho e dezembro

Safra menor e estoques mais elevados estão entre as principais razões para a baixa.

Os desafios para Joe Biden nos EUA

Avanço da Covid-19 pode fazer com que democrata e equipe tenham que apagar alguns incêndios no começo do mandato.

Mercados sobem em véspera do Copom

Campos Neto, presidente do BC, participa da primeira sessão da reunião do Copom.

Mercados locais sobem seguindo Bolsas mundiais

Dia amanhece com tendência de alta para o mercado interno, seguindo NY na volta do feriado.

Contra tudo temos vacina

Dia promete ser de mais recuperação da Bovespa, dólar fraco e juros em queda.