"Se tratarmos as pessoas como elas são, nós as tornamos piores. Se as tratarmos

Empresa Cidadã / 18:57 - 2 de jan de 2002

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

como se fossem o que deveriam ser, nós as ajudaremos a se tornarem o que são capazes de ser." (Johann Wolfgang von GOETHE, 1749-1836) No ano de 2001, diversos acontecimentos contribuíram para a construção de cenários mais propícios ao desenvolvimento da cidadania empresarial. Alguns dos fatos mais marcantes são citados, complementando a relação iniciada na semana passada. - Edição da Lei 10.303/2001, publicada em 1o de novembro para produzir efeitos a partir de março de 2002, que melhora as condições de governança corporativa com a redução de limite de percentual do capital de empresas que pode ser representado por ações preferenciais sem direito a voto. - Realização da 4a Conferência Ministerial da OMC, em Doha, cidade de pouco mais de 300 mil habitantes, capital do Catar. Foram assumidas posições relacionadas à extinção gradual dos subsídios às exportações agrícolas, nos quais os países do Primeiro Mundo despendem mais de US$ 1 bilhão por dia, ao direito de suspensão da proteção de patentes farmacêuticas para atender necessidades de saúde pública, à interação entre normas ambientais e comerciais fixadas nos organismos multilaterais, às políticas antidumping - tema interditado pelos EUA nas discussões sobre a Alca - e aos investimentos internacionais conflitantes com políticas industriais nacionais. QUALIDADE DE EMPRESA-CIDADÃ Em 2001, diversas empresas-cidadãs foram semanalmente citadas nesta coluna por suas realizações. Esta é a segunda e última parte das empresas mencionadas e dos projetos que permitiram as citações. - Fundação Inepar/ Departamento de Ação e Promoção Social Vó Durvina (pela realização de cursos profissionalizantes de idiomas). - Tele Amazônia Celular Participações (projeto Missão Criança, no Amazonas e Amapá). - Petrobras (pelo programa Criança). - DPaschoal/ Fundação Educar DPaschoal (pelo Programa de Desenvolvimento do Protagonismo e da Cidadania/PDPC). - Shopping ABC Plaza (Santo André, SP, pela Campanha de Voluntariado). - Unibanco (pelo lançamento do cartão biodegradável, com o Greenpeace). - Eletrobrás/ Petrobras/ Chesf/ Shell/ Ceb/ Coelce (pelos projetos experimentais de geração de energia de baixo impacto). - Natural Reciclagem (pelo projeto de educação ambiental e reciclagem de resíduos sólidos com emprego de voluntários especiais). - Marisol Nordeste (pelos cuidados especiais de utilização e tratamento da água em Pacatuba, CE). - Nardini Cerâmica (pelo processo de despoeiramento e reaproveitamento de água). - Fiat/ General Motors/ Daimler-Chrysler/ Asta Médica/ Multibras (pela realização de recalls de produtos). - Coats Corrente (pelo investimento na eliminação da captação de águas do rio Tamanduateí, SP, com a Sabesp). - ZF do Brasil (pelo novo sistema de gerenciamento de resíduos, menção honrosa no prêmio Mérito Ambiental da Fiesp). - Alcoa/ Instituto Alcoa/ Alumar (pelo programa de Voluntariado Corporativo). - Tetra Pak (pelo programa de Educação Ambiental nas Escolas, menção honrosa no prêmio Mérito Ambiental da Fiesp, e pela reciclagem das próprias embalagens e assistência a municípios na implantação de coleta seletiva de lixo). - SBT/ Metron/ Semp-Toshiba/ Procomp/ Microsoft/ Banco Panamericano (pelo projeto PC do Milhão). - Caixa Econômica Federal/ Globo.com (pela linha de crédito de financiamento de computadores). - Bradesco (pelo financiamento de computadores). - Ministério da Ciência e Tecnologia/ Universidade Federal de Minas Gerais (pelo projeto Computador Popular). - Sadia (pelo projeto "Um computador na casa de cada empregado" e pelos núcleos de ensino de informática em Toledo/PR, com o Comitê de Democratização da Internet). - McDonald"s (pela realização da 13a edição do McDia Feliz). - Astra Indústria e Comércio (pelo patrocínio dos concertos Astra-Jundiaí, com o Ministério da Cultura, a Secretaria municipal de Cultura e a Sociedade Jundiaiense de Cultura Artística). - ABB (pelo programa Diga Não ao Tabaco). - Quintessência (rede de farmácias, pelo atendimento de crianças da creche Cantinho da Natureza, com a ONG Homeopatia Ação pelo Semelhante). - Fersol (indústria química, pelo ação afirmativa no preenchimento do quadro de colaboradores preferencialmente com mulheres, negros e portadores de deficiência). - Sindicato da Construção Civil do RJ/ Sinduscon (pelo programa Alfabetizar é Construir). - Accor/ Compass/ GR Serviços de Alimentação (pelo projeto Encaminhar, de iniciação profissional). - Volkswagen (pelo projeto ambiental de substituição de materiais sintéticos pela bromélia fibrosa da Amazônia curauá, com a participação da Embrapa, e pelo programa Aids Care, com o objetivo de prestar assistência domiciliar e ambulatorial aos colaboradores e dependentes portadores do HIV). - Daimler-Chrysler (pelo projeto ambiental de substituição de materiais sintéticos pela fibra de coco cultivado na Ilha de Marajó, com a participação do programa Pobreza e Meio Ambiente na Amazônia/ Poema, da Universidade Federal do Pará). Além de empresas-cidadãs, outras entidades, governamentais e não-governamentais foram citadas em 2001. - Saci e Governo do Estado de Sergipe (pela realização do I Seminário Sergipano sobre Balanço Social). - Pastoral da Criança. - Instituto Brasileiro de Governança Corporativa (pela divulgação do Código de Conduta). - Fundo de Universalização dos Serviços de Telecomunicações - Fust (pelo apoio à popularização da informática). - Conselho Nacional de Auto-Regulamentação Publicitária (pela instauração de processos pela publicidade ética). - Ministério da Justiça/ Departamento de Proteção e Defesa do Consumidor/ Secretaria de Direito Econômico (pela instauração de processos de recall de produtos que oferecem risco à integridade física de consumidores). - Instituto Pro Bono (por levar às ONGs o serviço voluntário de profissionais do Direito). Paulo Márcio de Mello Professor da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj). Correio eletrônico: paulomm@alternex.com.br

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor