Secretaria de Ciência, Tecnologia, Inovação e Desenvolvimento Social

Com o início da crise política, seguida da econômico-financeira, o governador do Rio de Janeiro, Luiz Fernando de Souza...

Com o início da crise política, seguida da econômico-financeira, o governador do Rio de Janeiro, Luiz Fernando de Souza Pezão, fez uma ampla reforma administrativa, reduzindo o número de secretarias, com a extinção de algumas pastas e a criação de outras, dentre estas a de Ciência, Tecnologia, Inovação e Desenvolvimento Social, atualmente sob o comando do deputado licenciado Gustavo Tutuca (foto). A pasta é formada pela Uerj, Uenf, Uezo, Cecierj, Faetec e Faperj, que de junho para cá comprometeu R$ 269,889 milhões do seu orçamento, com a liquidação de dívidas de exercícios anteriores, inclusive com servidores, pagamento de empenhos deste exercício que se finda, renovação e novos contratos com empresas e fornecedores de serviços.

Algumas contas são bastante estranhas, como a de R$ 18,810 milhões para a empresa FGR Silva Serviços de Buffet e Eventos; a de R$ 6,146 milhões para serviços especializados de secretariado de nível médio e superior (o que é isso?); R$ 411,821 mil de encargos sociais com servidores contratados; R$ 1,430 milhão para a TJ Transportes e Turismo; R$ 19,848 milhões para a empresa de Apoio Administrativo, Serviços, Comércio e Representações; e outras continhas que giram entre dez mil a um milhão de reais, incluindo a de telefonia e água e esgotos da Cedae.

Na próxima coluna vamos entrar nas contas da Secretaria estadual de Meio Ambiente, que tem coisas interessantes para ser reveladas. Essa pasta, responsável pela Cedae e pela despoluição da Baía de Guanabara, foi comandada pelos deputados André Corrêa e Carlos Minc.

 

Renovação de contratos

O secretário estadual de Saúde fluminense, Luiz Antônio de Souza Teixeira Júnior, renovou contato com as empresas Personal Service Recursos Humanos, R$ 32,364 milhões; Atrio-Rio Service Tecnologia, R$ 5,897 milhões; e Lapa Terceirizações, R$ 4,385 milhões, totalizando R$ 42,647 milhões. As duas primeiras são especializadas na gestão de pessoal, e a última, em serviços de higiene e limpeza predial.

 

Cedae multa Allianza

A Cedae rescindiu unilateralmente o contrato 091 (DT), de 2015, que tinha com a empresa Allianza Infraestruturas do Brasil S/A e aplicou uma multa de R$ 6,958 milhões, mas não informou o valor do contrato nem os serviços que deixaram de ser prestados pela empresa. A multa talvez jamais seja paga, pois o passivo da Allianza estaria na casa dos R$ 400 milhões. A Allianza vem a ser parente da Delta de Fernando Cavendeshi, o dileto amigo do ex-governador Sérgio Cabral. Ambos passam férias em presídios cariocas.

 

Rosa Fernandes

Cafezinho para jornalistas

Presidindo sessão extraordinária, a vereadora Rosa Fernandes solicitou ao garçom, que servia aos vereadores, que também servisse cafezinho e biscoitos aos jornalistas que ocupavam a bancada da imprensa. Uma atitude louvável e respeitosa.

 

Precatórios

O governador Luiz Fernando de Souza Pezão aprovou, na Assembleia Legislativa, a retenção de valores de precatórios não reclamados pelos credores por mais de dois anos e sua incorporação às receitas do Poder Judiciário para pagamento de outros precatórios. De acordo com a proposta, os precatórios cancelados serão operacionalizados pelas instituições financeiras depositárias. Pezão só não informou o quantitativo desses precatórios que ficam à disposição do Tribunal de Justiça fluminense.

 

Contra privatizações

Sem a sustentação de uma Comissão Especial ou técnica permanente do Legislativo carioca, o vereador Tarcísio Motta promoveu debate público contra a transferência de controle e gestão de empresas públicas do Governo Michel Temer. Participaram do debate representantes de diversas entidades, associações e sindicatos, que evitaram analisar os resultados das privatizações anteriores, principalmente quanto às áreas financeiras e de gestão de pessoal, provavelmente porque o interesse é apenas político.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Alerj quer fechar empresas inativas que dão prejuízos ao Estado

Só a folha de pagamentos anual chega a R$ 1,22 milhão.

Alerj quer reduzir ICMS sobre os combustíveis

Em bombas dos postos de outros estados, valor é R$ 1 mais barato.

Petrobras deve R$ 9,5 bilhões em ICMS, garante CPI da Alerj

Outras 5 petrolíferas estão entre os 10 maiores na Dívida Ativa.

Últimas Notícias

Hospital Icaraí prepara expansão com mais de 130 leitos de internação

Objetivo das reformas é melhorar ainda mais a agilidade de exames e o atendimento dos pacientes.

Ansiedade: distúrbio tão pandêmico quanto o coronavírus

Remédios produzidos à base de cannabis têm se mostrado uma alternativa viável e mais eficiente.

Investimento direto da China no exterior cai 4,3% em oito meses

O investimento direto no exterior (ODI, na sigla em inglês) não financeiro da China atingiu 459,71 bilhões de iuanes nos primeiros oito meses do...

CVM quer dispensar registro para investidor não residente

A Comissão de Valores Mobiliários (CVM) colocou em audiência pública esta semana uma proposta de alteração da Resolução CVM 13, que reúne as regras...

Ratings de empresas de saneamento não sofrerão impactos imediatos

A crise hídrica no Brasil terá reflexos em diversos segmentos da sociedade. Mas os ratings das empresas brasileiras de saneamento básico avaliadas pela agência de classificação...