SEG – Milhões de beneficiários estão no grupo de risco do coronavírus

Dados da Organização Mundial da Saúde (OMS) apontam que pessoas idosas e pacientes com condições de saúde pré-existentes (como doenças cardíacas, doenças pulmonares, pressão alta e outros) parecem desenvolver versões mais graves da doença causada pelo novo coronavírus: a Covid-19. Assim, em um esforço de auxiliar o sistema de saúde na construção de conhecimento durante a pandemia, o Instituto de Estudos de Saúde Suplementar (Iess) publica o Estudo Especial "O Novo Coronavírus no Brasil e Fatores de Risco em Beneficiários de Planos de Saúde". A pesquisa busca utilizar as estatísticas nacionais divulgadas acerca do número de óbitos e infectados, apontar a prevalência encontrada em inquéritos de saúde mais recentes disponíveis e estimar a quantidade de beneficiários com risco para a doença em todo o país.
"Por se tratar de um novo vírus ainda faltam estudos, vacinas, remédios e levantamentos sobre essa nova doença. Procuramos descrever brevemente o cenário da pandemia no Brasil, com dados divulgados pelo Ministério da Saúde, e contribuir com o conhecimento das estatísticas da saúde suplementar disponíveis até o momento para municiar as instituições no combate à doença", comenta José Cechin, superintendente-executivo do Iess. Segundo ele, a publicação vem em um momento fundamental. "O Brasil já ultrapassou 1,3 milhão de casos de Covid-19, segundo os últimos números do Ministério da Saúde. Cerca de quatro meses desde o primeiro caso oficial, o país só fica atrás dos EUA no número de infectados pelo novo coronavírus", alerta.
No período analisado, mais da metade, 54,4%, dos óbitos foram de homens, 69% de pessoas acima dos 60 anos de idade e 64% apresentaram pelo menos um dos fatores de risco da doença (cardiopatias, obesidade, imunodepressão, doença neurológica, doença renal, pneumopatia, diabetes e asma).
De acordo com os microdados extraídos da Pesquisa Nacional de Saúde (PNS 2013), inquérito de saúde mais recente disponível, entre os beneficiários de planos de saúde, 23,3% receberam de um médico o diagnóstico de que eram portadores de hipertensão arterial (pressão alta), 18,8% estavam obesos, 7,0% com diabetes, 5,0% com asma (ou bronquite asmática), 2,0% com doença no pulmão ou Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica (DPOC), 1,6% com insuficiência renal crônica e 1,2% com AVC ou Derrame.
Com o cruzamento dessas informações com os números aferidos pela Nota de Acompanhamento de Beneficiários (NAB), boletim mensal da organização, estima-se que haja cerca de 11 milhões de beneficiários com hipertensão, 8,8 milhões com obesidade, 3,3 milhões com diabetes, 2,4 milhões com asma, 938,6 mil com doença no pulmão, 753,9 mil com insuficiência renal crônica e 571,0 mil com AVC ou derrame.
José Cechin alerta, no entanto, que o número de beneficiários no grupo de risco é muito menor do que a soma desses números, pois muitos apresentam mais de uma dessas doenças. "A pessoa pode ser, simultaneamente, obesa, diabética e hipertensa, por exemplo. A simples soma do número de pessoas com cada uma dessas condições acarreta uma tripla contagem".
Feita essa relevante observação, o especialista lembra, ainda, que esses dados são estimativas entre os beneficiários de planos de saúde. "Importante entender que os números valem para os cerca de 47 milhões de vidas que contam com a saúde suplementar. Ou seja, entre os mais de 210 milhões de brasileiros o número é muito maior", reforça.
O estudo especial também apresenta os dados regionais de quantidades de beneficiários com hipertensão arterial, obesidade e diabetes nas capitais de todos os Estados brasileiros extraídos do Vigitel Saúde Suplementar 2017. Nesses três fatores de risco, verificou-se que houve aumento da prevalência com o decorrer da idade e está mais alta nas faixas etárias acima de 55 anos, justamente o grupo com o maior risco de ter uma complicação mais grave da Covid-19. No caso dos beneficiários com 65 anos ou mais, mais da metade (57,1%) relataram diagnóstico de hipertensão arterial por exemplo, e quase 1 a cada 5 tiveram o diagnóstico de diabetes (20,0%) ou obesidade (18,6%). Além disso, as estimativas demonstraram que metade dos beneficiários que receberam diagnóstico para hipertensão, obesidade e diabetes residiam nas cidades de São Paulo e Rio de Janeiro.
O instituto ressalta que essas estimativas do número de beneficiários com fatores de risco em fevereiro de 2020 são baseadas nas prevalências apontadas em anos anteriores, estando, portanto, sujeitas a variações nos percentuais. No entanto, são os dados mais recentes disponíveis. "Entendemos a gravidade deste delicado momento e buscamos auxiliar na criação de bases sólidas de conhecimento para auxiliar no combate ao coronavírus. É essencial, entretanto, que cada um faça a sua parte na luta contra a nova doença. Acreditando na ciência, respeitando o isolamento social e as boas práticas de higiene", reforça Cechin.
.
Market places – A crescente digitalização de processos deve mudar também a forma de distribuição de seguros no futuro. A utilização de market places – plataforma mediada por uma empresa, em que vários fornecedores se inscrevem e vendem seus produtos – deve se tornar rotina, também entre os corretores brasileiros.
"Do meu ponto de vista, acredito que os próximos passos do mercado de seguros devem ser a criação de vários market places de corretores para os clientes B2B e alguns B2C", afirma Newton Queiroz, CEO e presidente da Argo Seguros – seguradora especialista no desenvolvimento de produtos de nicho, com foco na inovação e apoio da tecnologia.
Para o executivo, essa tendência está relacionada a um movimento do próprio mercado de seguros. "Como um todo, nosso setor caminha para atrelar suas plataformas digitais (tanto as de seguradoras, quanto de corretoras) ao ecossistema de outras indústrias e, com isso, usufruir da possibilidade de distribuição em diversos canais de forma rápida e com um custo de implementação reduzido".
Na opinião de Newton, isso acontecerá por conta do momento de transição em que vive o setor. "O seguro sempre foi um meio muito tradicional, onde o olho a olho sempre contou bastante. Agora, com essa necessidade de desenvolvimento digital, junto com a pressão de redução de custos devido à baixa nas taxas dos investimentos, todos terão que buscar canais cada vez mais amplos para distribuição de seus produtos".
Contudo, na visão do executivo, todo esse movimento de inovação não afetará o papel do corretor de seguros. "O Brasil já oferece hoje produtos interessantes e, em algumas áreas, existe um atendimento virtual razoável, com acesso através do WhatsApp, chatbots, telefone, e-mail, entre outras formas de comunicação com o cliente. Mas ainda estamos longe de oferecer uma experiência de compra realmente satisfatória", avalia.
Antes de encerrar, o CEO da Argo lembrou a importância do atendimento ao cliente e a resolução dos sinistros, que na prática é onde o segurado de fato entende a importância de contar com uma cobertura. "Acredito que o seguro é uma grande ferramenta de estabilização financeira para grande parte da população, seja em momentos específicos de um cliente e/ou em uma crise como a que vivemos hoje. Nesse momento, o fator humano, a conversa com o especialista, sempre será importante", concluiu.
.

DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL

Dicas de oratória – A comunicação oral e a capacidade de conduzir apresentações são apontadas, por especialistas em Recursos Humanos, como qualidades indispensáveis para aqueles que desejam recolocação ou crescimento em suas carreiras. Sensível a essa demanda, o Clube Vida em Grupo do Rio de Janeiro (CVG-RJ) convida a todos para a palestra "Os seis pontos para encantar com a oratória"
O evento acontecerá hoje (quarta, 30), às 19h, e será transmitido pela plataforma Google Meet.
Dois palestrantes especiais foram convidados para conduzir a palestra, organizada pelo Instituto DNA, que oferece cursos e treinamentos voltados ao alto desempenho de profissionais. São eles: Sergio Montes, coach e master em PNL, além de fundador do instituto; e Helô Tenório, cantora, pianista e vocal coach.
A participação será gratuita. É necessário realizar inscrição prévia. Mais informações em https://forms.gle/Qcu5q8DSQD8PfBQG9.
.
4ª Parada do CQCS Innovation Latam – A Europ Assistance Brasil (EABR), multinacional líder em soluções de serviços e assistências presente em mais de 200 países, é apoiadora da 4ª Parada do CQCS Innovation Latam, hoje, às 17h, e terá como tema "Seguro de Automóveis para as próximas gerações".
Realizado pelo Centro de Qualificação do Corretor de Seguro, o evento tem como proposta abordar o momento de transformação da sociedade, gerado pela pandemia da Covid-19, contará com a participação de palestrantes internacionais e disponibilizará tradução simultânea para português e espanhol.
A necessidade de distanciamento social, regra fundamental para diminuir a transmissão do coronavírus, vem impactando diversos hábitos da sociedade, que tiveram de ser repensados e adaptados – e a mobilidade certamente é um deles. "Ainda é cedo para afirmar que a forma de locomoção das pessoas mudará após a pandemia, mas o que já observamos em outros países é que as pessoas têm, na medida do possível, tentado evitar os meios de transporte públicos pelo medo do contágio, buscando alternativas como o transporte por aplicativos, uso de veículos privados ou a contração de serviços de aluguel de veículos por assinatura", argumenta Rogerio Guandalini, CSO & CMO da Europ Assistance Brasil e CEABS Serviços.
No Brasil, uma parcela considerável da população ainda depende dos meios de transporte públicos para realizar suas atividades diárias, como chegar ao trabalho e a escolas, fazer compras e comparecer a compromissos, como consultas médicas e reuniões. Nesse sentido, especialistas afirmam que, cada vez mais, smartphones e aplicativos para dados e informação em tempo real serão utilizados para otimizar o tempo das pessoas – por exemplo, quando se sabe a hora exata que o transporte público vai passar, é possível evitar espera desnecessária e aglomeração.
Além disso, com o aumento do trabalho remoto, educação à distância e compras realizadas por comércio eletrônico, é possível que as famílias que antes tinham mais de um veículo para garantir a mobilidade do dia a dia, agora poderão repensar se essa realidade ainda faz sentido.
Nesse contexto, a atenção às novas soluções 100% digitais que focam a qualidade do atendimento prestado aos clientes, parceiros e fornecedores será um diferencial para as empresas. A EABR tem o compromisso de entregar cada vez mais um atendimento fluido, ágil e simples, para que os clientes se sintam cuidados. A empresa revela que os clientes procuram cada vez mais um atendimento digital humanizado e, com o processo contínuo de digitalização dos canais de atendimento (como uso do App Auto, WhatsApp Business, URA personalizada e apoio da assistente virtual, a EVA (Europ Agent Virtual, a primeira do mercado de seguros e assistência), os clientes recebem o atendimento de que precisam, a qualquer hora e em qualquer lugar.
Devido às novas demandas e à realidade do mercado, a EABR procura desenvolver soluções digitais e de conveniência que auxiliem o dia a dia de seus clientes. O portfólio da empresa possui produtos básicos como assistência emergencial, contemplando serviços de socorro mecânico, guincho, chaveiro, carga de bateria, troca de pneus; soluções relacionadas a necessidades básicas e conveniência, como, por exemplo, leva e traz de veículos, onde o veículo do cliente é transportado para revisões e outros serviços, telemedicina, assistência psicológica e escolar, e até soluções de telemetria e temática para seguros intermitentes por meio da CEABS Serviços, empresa do Grupo especializada em monitoramento e rastreamento de bens e pessoas.
.
Live – Com a finalidade de dar continuidade à interação dos associados com os executivos das seguradoras, o Clube dos Seguradores da Bahia planejou encontros semanais, tendo o foco na qualificação profissional em todos os aspectos. A próxima transmissão remota acontece no dia 2 de outubro, às 19h, com a participação da MAG Seguros: o diretor nacional de Varejo, Marcio Batistuti, apresentando o tema "Os diferenciais da MAG Seguros"; e o superintendente comercial da sucursal da Bahia, João Rezende, que vai falar sobre "Lead e Redes Sociais".
Para o presidente do clube, Fausto Dorea, a temporada dos encontros online numa etapa que conta com os executivos das seguradoras, ampliam o canal de relacionamento do clube e dos seus associados com as companhias. "Mesmo sem condições de manter os eventos presenciais que eram em formato de almoço de negócios, é necessário que sigamos em frente, dando todo suporte necessário aos nossos associados, para manter o relacionamento cada vez mais próximo com as seguradoras. Estamos sempre ao dispor das corretoras, seguradoras, empresas prestadoras de serviços ligadas ao nosso setor e até mesmo dos corretores", explicou.
Para participar, é só enviar um e-mail para evento@clubeseguradoresbahia.com.br. Em seguida, aguarde receber o ID e a senha para entrar na sala.
.

SEGURO CIDADÃO

Setembro Vermelho – O Setembro Vermelho é uma campanha que orienta a sociedade em relação às consequências ocasionadas pelas enfermidades causadas no coração e na circulação. Anualmente, quase 20 milhões de pessoas morrem em decorrência dessas complicações no mundo. A PJF Assessoria e Corretora de Seguros apoia essa iniciativa e orienta seus colaboradores e clientes, para que fiquem atentos aos principais fatores de riscos, como diabetes, sedentarismo aliado a falta da prática de atividades físicas, o excesso de álcool, o tabagismo, a importância de consultar um médico, o excesso de peso e acima de tudo, evitar o estresse excessivo.
Fabio Faria, um dos sócios da PFJ, ressalta a importância de alertar colaboradores e clientes, no que diz respeito aos cuidados, para que não haja complicações cardiovasculares. “É sempre bom lembrar e relembrar sobre essas precauções. A correria do nosso cotidiano de trabalho é superagitada e para vender e ter sucesso, além de buscar agilidade, é preciso se cuidar acima de tudo. O Dia Mundial do Coração é comemorado no dia 29 de setembro, sendo uma ação de muita valia para discutir a saúde desse órgão tão importante para a vida. Levamos para os nossos clientes as possibilidades de obter um serviço de saúde adequado. Portanto, nada melhor do que estarmos atentos para essas datas na corretora", explicou.
O mês de setembro foi escolhido para concentrar as campanhas de conscientização, prevenção e tratamento das doenças cardiovasculares, porque no dia 29 é comemorado o Dia Mundial do Coração, uma iniciativa criada em 2000 pela Federação Mundial do Coração com apoio das Nações Unidas. Desde então, diversas organizações no Brasil e no mundo, realizam ações para lembrar a data.

Artigos Relacionados

Setor de seguros cresce 1,3% em 2020

A reação da receita de dezembro sobre o mesmo mês de 2019 - fazendo com que a arrecadação registrasse expansão de 15,4% ao alcançar...

Novo portfólio de planos de saúde coletivos por adesão

A Qualicorp, administradora de planos de saúde coletivos, e a Amil, operadora de planos de saúde, anunciam o lançamento do novo portfólio de planos...

SegDelphos organiza e agiliza backoffice das seguradoras

“O SegDelphos é um sistema de gestão operacional para tratar de todo o backoffice de uma seguradora. Além da parte financeira e contábil, presente...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Preços dos carros mais vendidos subiram 9,4% em média em um ano

Com 18,23% de variação, Renault Kwid foi o que mais subiu de preço entre os 13 mais vendidos.

PEC Emergencial pode sair da pauta do Senado desta quinta

Parlamentares resistem a cortes na saúde e educação e propõem votar apenas questão do auxílio emergencial.

Desdobramentos da intervenção na Petrobras

Percepção é de que o 'superministro' de Bolsonaro pode estar ficando cada vez mais isolado.

IPCA-15 de fevereiro ficou abaixo da expectativa

Índice mostra variação mais fraca que o esperado em alimentação, educação; já saúde e transportes vieram mais fortes que a expectativa.

Tentativa de superação

Ontem foi dia de recuperação da Bovespa, liderada pelas ações da Petrobras, Eletrobrás e setor bancário.