SEG NOTÍCIAS - Ação civil pública para suspender venda de seguro popular

Seguros / 16:56 - 25 de abr de 2016

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

No último dia 11 de abril, o Sindicato da Indústria de Funilaria e Pintura do Estado de São Paulo (Sindifupi) entrou com ação civil pública contra a Superintendência de Seguros Privados (Susep) e seu superintendente, na Justiça Federal do Rio de Janeiro, com a finalidade de suspender a comercialização do "seguro popular", até que o assunto seja amplamente debatido com a sociedade e que estudos sejam realizados. A ação teve sua admissibilidade aceita pela justiça e está aguardando resposta da Susep para apreciação de Liminar proibindo a comercialização (Processo 0503414-18.2016.4.02.5101). Em nota, o Sindifupi diz estar "denunciando ainda que todo o processo de Consulta Pública realizado pela Susep foi feito ao apagar das luzes de 2015, pois aaAutarquia colocou a resolução em consulta no dia 18 de dezembro, um dia antes do recesso da justiça, com data para término da consulta 10 dias após, ou seja, no dia 28 de dezembro." "Quando tomamos conhecimento no dia 21 de dezembro, entramos imediatamente com um mandado de segurança pedindo a dilação de prazo e divulgação. É um absurdo que um tema de tamanha relevância e que envolve segurança pública tenha sido tratado em um período tão inapropriado e com tempo tão curto. O correto seria o assunto ter sido tratado através de audiências públicas, em que haveria oportunidades de vários setores da economia se manifestarem. Com certeza não teríamos uma resolução com tantas falhas, admitidas inclusive, pelo próprio superintendente da Susep", diz Angelo Coelho, presidente do Sindifupi. Para ele, "a Resolução 336 é um desrespeito completo para com a sociedade, pois autorizou a comercialização e aplicação de peças usadas para todos os modelos de veículos, independentemente do ano, estejam eles em garantia ou não. Desrespeitou também a própria consulta pública realizada pela Susep, que elaborou a consulta de uma forma e emitiu a resolução de forma diferente, alterando a essência do chamado "seguro popular", podendo ser comercializado para veículos de luxo ou de qualquer outro ano ou modelo. Curiosamente, após a consulta pública realizada pela Susep, os índices de criminalidade ligados ao roubo e furto de automóveis, que desde o ano passado vinham em queda no Estado de São Paulo, cresceram assustadoramente, fazendo crer que o aumento é em razão da expectativa do comércio dessas apólices". . Especialista alerta para falta de cultura de prevenção de riscos em obras públicas no Brasil A tragédia da queda de parte da recém-inaugurada ciclovia Tim Maia, na última quinta-feira (21.04), em São Conrado (RJ), e que, até o momento, deixou dois mortos, reascende o debate sobre a importância do governo de contratar uma seguradora especializada como forma de garantir maior fiscalização; qualidades construtivas e preventivas nas obras; menores riscos à população; e prejuízos públicos. "É inadmissível pensar em uma obra pública sem a preocupação com a prevenção de riscos, conforme existe em outros países, onde seguros específicos para obras de infraestrutura são obrigatórios. O Brasil não traz esta cultura para as suas obras até hoje, infelizmente", afirma Fábio Pinho, CEO da Essor Seguros, de origem francesa, que trouxe para o Brasil o Seguro Decenal - já obrigatório em vários países do mundo - e tão primordial para o mercado de construção civil. Esta modalidade de seguro visa garantir a qualidade técnica em todos os processos construtivos de uma obra pelo período subsequente a sua conclusão por 10 anos. "Durante a construção, a seguradora, por exemplo, verifica as técnicas construtivas, os procedimentos, realiza testes laboratoriais para analisar a vida útil dos materiais, além de ter um corpo técnico de engenheiros que acompanha e fiscaliza a obra permanentemente", explica Fábio. Na avaliação do executivo, enquanto as culturas da prevenção de riscos e qualidade construtiva não forem adotadas pelos responsáveis, a sociedade brasileira continuará fadada a tragédias como a que vivemos ontem. . "O seguro na sociedade e na economia do Brasil" - "Se o seguro não existisse, teria de ser inventado". Essa é a frase de abertura do estudo "O seguro na sociedade e na economia do Brasil", que foi apresentado ao público na manhã do último dia 19, no auditório do Sindicato das Seguradoras, Previdência e Capitalização do Estado de São Paulo (Sindseg-SP). Para o lançamento, que foi concebido com a contribuição de agentes institucionais, órgãos reguladores e profissionais do setor, o evento contou com a presença do doutor em economia José Antonio Herce, que apresentou as peculiaridades do estudo. Desenvolvido pela Fundación Mapfre, em parceria com a Analistas Financieros Internacionales (Afi), o estudo apresenta comparativos entre a penetração do mercado de seguros na América Latina e no Brasil. Entre os resultados, destaca que o Brasil tem ganhado expressão no mercado segurador. Nos segmentos de não vida (auto e danos), a América Latina tem 3,5% do PIB segurado, enquanto o Brasil, isoladamente, atinge a marca de 1,7% desse montante. "Fruto do trabalho de formação e disseminação da cultura de seguros promovido pela Fundación Mapfre, o estudo confirma a importância social e econômica do seguro para a sociedade brasileira, apresentando uma análise sobre os diferentes aspectos dessa atividade em nosso país", afirma Wilson Toneto, CEO da Mapfre Regional Brasil. Com conteúdo variado descrito em 140 páginas, o estudo traça um panorama atual do mercado segurador brasileiro apresentando os principais temas que envolvem o desenvolvimento da atividade em seus diferentes setores de atuação, como automóveis, agrícola, saúde, vida, previdência, riscos especiais, etc. Entre os temas, segundo o estudo, o que mais se destaca no Brasil é o de saúde suplementar, que tem conquistado famílias brasileiras à procura de uma cobertura cada vez mais completa. Com estimativas e argumentos que confirmam a contribuição social e econômica do seguro no Brasil, a publicação dá a oportunidade de entender como o setor funciona em economias emergentes. "O seguro permite que as pessoas, empresas e entidades públicas façam o seu planejamento financeiro e de gerenciamento de riscos. Estar segurado, muitas vezes, pode significar a diferença entre manter a estabilidade econômica financeira diante de uma situação adversa e inesperada, que possa comprometer toda a renda familiar", comenta Herce. O estudo ainda destaca a rápida adaptação às mudanças que o mercado brasileiro de seguros tem promovido para se aproximar do segurado e atuar, cada vez mais, como instituição responsável pelo futuro e o bem-estar da sociedade. . SEGURO CIDADÃO
Circuito da Longevidade - Com forte participação dos atletas de elite da modalidade (21, no total), a Praça Nova da Pampulha, em Belo Horizonte, recebeu, na manhã deste domingo, a terceira etapa da temporada de 2016 do Circuito da Longevidade, promovido pelo Grupo Bradesco Seguros. Na prova masculina, o pernambucano José Marcio Leão, atleta do Cruzeiro Esporte Clube, foi o grande vencedor, com tempo de 17'03", seguido por Ederson Vilela Pereira, atleta Bradesco Seguros, com 17'15". Entre as mulheres, a tanzaniana Angelina Daniel Tsere mostrou que veio bastante preparada para esta temporada e venceu sua terceira etapa do Circuito da Longevidade no ano, completando o percurso de 6 km em 20'46". "Foi uma prova difícil, com participação de grandes atletas. Costumo correr provas maiores, de 10 km, por exemplo. Então, vencer em um circuito como este, tendo como adversários o Ederson e outros atletas estrangeiros, é uma felicidade muito grande", comentou José Marcio Leão. Vencedor da etapa de Brasília deste ano e de sete etapas em 2015, o atleta Bradesco Seguros Ederson Vilela Pereira obteve novamente a segunda colocação, com o tempo de 17'15". A mesma posição havia sido conquistada na etapa anterior, em Goiânia. Em terceiro lugar ficou Augustino Paulo Sulle, com 17'22", seguido por Cosme Ancelmo de Souza, também atleta Bradesco Seguros, que obteve a quarta colocação, com 17'38". Completou o pódio na elite masculina o atleta Valdir Sérgio de Oliveira, do Cruzeiro Esporte Clube, com 17'46". "Participei de uma prova na última quinta-feira e isso pesou um pouco no meu rendimento hoje. Esperava vencer, mas, de toda forma, estou feliz com este segundo lugar. Conquistei a etapa de Brasília este ano e espero alcançar a minha marca de 2015, quando obtive sete vitórias na temporada", avaliou Ederson Vilela Pereira. Na prova feminina, a segunda posição ficou com a queniana Caroline Jepkemei Kimosop, com 21'01". Ela foi seguida por Fernanda Raimunda Soares (21'03"), pela atleta Bradesco Seguros Adriana Cristina Silva da Luz (21'07") e por Larissa Marcelle Moreira Quintão (22'03"), que completou o pódio. "O clima estava ótimo e vim bastante confiante para esta prova. Estou muito feliz por ter conquistado a minha terceira vitória na temporada", afirmou, sorridente, a grande vencedora, Angelina Daniel Tsere. Após a corrida, saiu o grupo da caminhada, com participantes vindos de diversas cidades da região. Eles percorreram 3 km em volta da Lagoa da Pampulha. Ao todo, mais de 4 mil pessoas participaram da etapa Belo Horizonte do Circuito da Longevidade. A dupla de mascotes dos Jogos Rio 2016, Vinicius e Tom, marcou presença no evento, acompanhada de Ginga, do Time Brasil. Além de interagir com o público, os três deram a largada da prova de corrida e da caminhada. Vinicius e Tom estão presentes no uniforme de participação do evento, reforçando que a marca Bradesco Seguros é a seguradora oficial e patrocinadora dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos Rio 2016. Para os inscritos, foram oferecidos teste de pisada, avaliação física, massagem e bicicletário. Por meio de um equipamento de última geração, os interessados tiveram acesso a uma série de dados sobre sua condição física e receberam orientações de profissionais especializados para potencializar o treino e ganhar mais qualidade de vida. Já no teste da pisada, os participantes foram orientados a utilizar o tênis mais adequado ao seu passo. Todas as etapas do Circuito da Longevidade contam, também, com um bicicletário especial do "Movimento Conviva", uma iniciativa do Grupo Bradesco Seguros para incentivar a conviv&ecir c;ncia harmoniosa entre ciclistas, motoristas, motociclistas e pedestres. Foi o sétimo ano consecutivo que Belo Horizonte recebeu o Circuito da Longevidade, criado em 2007 com o objetivo de sensibilizar o público para a prática de atividade física como um dos pilares para a conquista da longevidade com saúde, bem-estar e qualidade de vida. O Circuito da Longevidade é promovido pelo Grupo Bradesco Seguros em Minas Gerais, Rio Grande do Sul, Bahia, Porto Alegre, Distrito Federal, Goiás, São Paulo e Rio de Janeiro. Desde a primeira edição, o evento já foi realizado em 19 cidades, reunindo mais de 350 mil inscritos. . ENDOSSANDO
Diretor comercial para o interior de São Paulo - A MetLife, líder global em soluções para vida, previdência e planos odontológicos, ganha mais um reforço com a chegada de Jaime Neto como novo diretor comercial da companhia para o interior de São Paulo. O executivo será responsável pelo desenvolvimento das estratégias de vendas para o canal de corretores na região. Com sólida experiência na área comercial de seguros e benefícios, Jaime atuou como diretor comercial na ACE desenvolvendo a estratégia para clientes corporativos. Anteriormente, atuou no Itaú como gerente regional a frente da equipe comercial com foco na regiões de Minas Gerais e Centro-oeste. Jaime Neto é formado pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC-Minas) em Engenharia Eletrônica e de Telecomunicações, possui MBA em Gestão Empresarial pela Fundação Getúlio Vargas. . Nova sede em São Paulo - O compromisso com a sustentabilidade que permeia as ações do Grupo Segurador Banco do Brasil e Mapfre está presente também no novo projeto do edifício em São Paulo para qual estão sendo transferidas todas as unidades administrativas da seguradora, antes distribuídas em três edifícios distintos. Localizado no número nº 14.261 da Avenida das Nações Unidas, próximo à estação Morumbi da CPTM, Zona Sul, o novo conjunto de escritórios corporativos destaca-se na paisagem urbana, às margens do Rio Pinheiros, com duas torres conectadas por passarelas que vencem um significativo vão de 35 metros. Além de moderna, a ousada proposta arquitetônica rende ao conjunto icônico o título de um dos mais sustentáveis do país, projetado no padrão "triple A", seguindo métodos que geram maior eficiência energética. Possui certificação LEED-CI, principal selo de construção sustentável, e conta com moderno sistema que permite tratamento e reutilização de água das chuvas, utilizada nos lavatórios. A água de reúso é utilizada para limpeza e manutenção das áreas comuns. Os vidros espelhados, além da questão estética, contribuem para evitar a entrada de calor e, dessa forma, reduzir o consumo de energia elétrica com ar condicionado. Luminárias de alta eficiência e escadas rolantes inteligentes também contribuem para a redução de recursos e de gastos. "Materializamos a integração de variáveis socioambientais envolvidas em nosso dia-a-dia, como o cuidado com o nosso público interno, a redução das emissões no meio ambiente, a produtividade de nossa equipe e os benefícios para a sociedade. O projeto está alinhado ao posicionamento do Grupo BB e Mapfre, que mantém uma atuação sustentável focada em crescimento, desenvolvimento humano, valor para o cliente, marca, eficiência, inovação e sustentabilidade", ressalta Gilberto Lourenço, diretor geral de Administração, Finanças e Marketing do Grupo BB e Mapfre. "Ao priorizar aspectos como sustentabilidade, mobilidade e acessibilidade, o GRUPO mostra que a mudança para a nova sede não se trata apenas de uma movimentação física de colaboradores. Significa também uma transformação cultural e a consolidação de um novo ambiente de trabalho, totalmente alinhado ao posicionamento sustentável da empresa", afirma Fátima Lima, executiva de Sustentabilidade do grupo. A nova sede foi equipada com tecnologias de ponta existentes hoje no mercado em termos de sustentabilidade e usabilidade. O projeto de ocupação dos espaços internos foi pensado para favorecer a integração dos colaboradores e, acima de tudo, garantir um ambiente de trabalho saudável e inspirador. "O processo de construção e adequação do interior dos escritórios também segue diretrizes sustentáveis que resultaram na conquista do Selo LEED Gold. Na prática, isso significa que a nova sede atende a uma série de critérios de sustentabilidade reconhecidos mundialmente", aponta Jorge Felix, superintendente-executivo de Administração e Serviços Corporativos. Os andares ocupados pelo BB e Mapfre são formados por espaços abertos e colaborativos, que promovem a sinergia entre as equipes. Cada andar conta com uma estrutura concebida com todos os recursos necessários aos colaboradores, como salas-foco, de reunião, depósito e café, e um andar exclusivo, de uso geral dos colaboradores, como sala de treinamento da Universidade Corporativa e o Inovalab, um ambiente descontraído que estimula a criatividade e a inovação. . Liga MetLife supera resultados de 2015 em 50 dias do lançamento da campanha A MetLife deu início à edição 2016 da sua campanha de incentivo a vendas com os corretores, a Liga MetLife. Com 50 dias de lançamento, a campanha já obteve 40% mais adesões do que todo o ano de 2015. A Liga MetLife funciona como um estímulo comercial para todos os corretores cadastrados junto à MetLife no qual, a cada venda e renovação de contratos, são acumulados pontos, que podem ser convertidos em prêmios como eletrônicos e eletrodomésticos, vouchers de descontos ou ainda em resgate em dinheiro. Ao final do desafio, a MetLife reunirá os corretores com maior pontuação para uma viagem para Nova Iorque, com direito a acompanhante. Para Cássia Gil, diretora comercial para Canal de Corretores e vice-presidente de Planos Odontológicos, a iniciativa aumenta as oportunidades de negócios e está estreitando cada vez mais o relacionamento da companhia com seus parceiros. "A campanha é uma forma de reconhecer o empenho e dedicação dos parceiros que promovem nossos produtos diariamente, contribuindo para ampliar nossa presença e maximizar os resultados da MetLife e principalmente dos corretores", afirma. Os corretores também estão aderindo cada vez mais à campanha e elogiando a iniciativa. Francisco Pirrelli, da Futura Invest, aprova o projeto e considera os resgastes como um diferencial. "Resgatei produtos tanto para minha casa quanto para meu escritório de forma fácil e muito clara."

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor