SEG NOTÍCIAS - ANS debate ações sobre o coronavírus

Encontro virtual da Diretoria Colegiada da agência aconteceu na última sexta, dia 20.

Seguros / 18:54 - 23 de mar de 2020

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

Em reunião realizada na manhã de sexta, os cinco diretores da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) debateram, entre outros temas, medidas a serem adotadas no setor de planos em função da pandemia do novo coronavírus.

Entre os itens que serão definidos pela diretoria nesta semana estão a flexibilização da gestão de recursos: a ANS está estudando permitir que as operadoras tenham maior liberdade para movimentar recursos que hoje são reservados para outros fins ou para situações excepcionais. Entre redução na exigência de capital e a liberação de autorização para movimentação de ativos garantidores, as medidas envolvem aproximadamente R$ 15 bilhões e o principal objetivo é facilitar o investimento na ampliação de leitos e de unidades ambulatoriais a pacientes com o coronavírus; pacto para permanência no setor: a reguladora irá propor que operadoras de planos de saúde administradoras de benefícios e empresas contratantes de planos coletivos pactuem que não haverá rescisão de contratos durante esse período da pandemia. A forma como se dará essa medida ainda será definida; Durante a reunião, foi definido que serão prorrogados alguns prazos de obrigações das operadoras para que todos os esforços estejam voltados a ações de combate ao coronavírus e à assistência à saúde dos beneficiários. Foram prorrogados, por exemplo, prazos para envio de informações obrigatórias das operadoras, para respostas a Notificações de Intermediação Preliminar (NIP) não assistenciais, bem como os prazos de processos sancionadores e de ressarcimento ao SUS.

Anteriormente, a ANS já havia tomado medidas como a suspensão da exigência de cumprimento de prazos máximos de atendimento para cirurgias eletivas, ou seja, que não precisassem ser realizadas neste momento e orientado que os beneficiários evitassem sair de casa, pois o isolamento social é fundamental para barra a propagação do vírus.

A Agência ressalta que desde o último dia 13, o exame para detecção do coronavírus está incluído no rol de cobertura obrigatória dos planos de saúde. Esse exame deve ser feito mediante indicação médica e nos casos previstos nos protocolos estipulados pelo Ministério da Saúde. No entanto, diante da evolução do número de casos suspeitos e prováveis no país, é possível que em algumas localidades comece a faltar kits para os testes. A ANS está acompanhando e monitorando essa situação, envidando todos os esforços, juntamente com o Ministério da Saúde e as operadoras de planos de saúde, para que essa crise seja amenizada e finalizada o quanto antes.

Nos estados onde há transmissão comunitária, o teste deve ser feito apenas em pacientes internados em estado grave.

O mais importante a ressaltar neste momento é que fazer o exame não altera a conduta a ser adotada na sequência. Ou seja, se a pessoa tiver os sintomas, ela deverá se manter isolada e tratar tosse, febre, em casa, conversando com seu médico e deixando para recorrer ao pronto atendimento somente em caso de dificuldades para respirar.

A ANS informa também que o tratamento para a Covid-19 tem cobertura nos planos de saúde, de acordo com o tipo de plano contratado: consultas, exames e terapias (plano ambulatorial) e internação (hospitalar).

Caso o consumidor tenha dúvidas ou reclamações, ele deve procurar primeiro sua operadora de plano de saúde. Se não tiver o problema solucionado, ele pode entrar em contato com a agência pelo Disque ANS (0800 701 9656) ou pelo Fale Conosco em www.ans.gov.br.

.

Seguro habitacional: cobertura em caso de pandemia é excluída

Os mutuários que possuem financiamento habitacional não estão cobertos, no caso de morte por coronavírus, pelo chamado seguro de Morte ou Invalidez Permanente (MIP), constante nos contratos. O alerta é da advogada Daniele Akamine, da Akamines Advogados e Negócios Imobiliários e especialista em Economia da Construção Civil. Segundo ela, a questão se enquadra na categoria dos chamados "riscos excluídos", dos quais fazem parte, por exemplo, "pandemias oficialmente declaradas", caso do Covid-19. Por isso, é importante o mutuário estar atento dessa situação.

"O seguro de morte e invalidez permanente (MIP) tem como principal objetivo garantir a quitação ou amortização do saldo devedor de um financiamento imobiliário se houver um imprevisto coberto pela apólice. Por exemplo, se a renda de um dos beneficiários do seguro representa 60% do financiamento, essa parte seria garantida pelo seguro no caso de morte por motivos não enquadrados na categoria dos riscos excluídos", explica.

Daniele esclarece ainda que pessoas que têm um financiamento imobiliário e que perderam renda ou emprego nesse período devem ficar atentas, pois caso não consigam pagar três prestações do imóvel, o mesmo pode ser levado à leilão. "A situação é crítica e as pessoas devem focar no bem-estar e na saúde num momento como este, seguindo as recomendações das autoridades e órgãos de saúde. Mas por outro lado, não podem descuidar do financiamento imobiliário, pois podem correr o risco de perder seus imóveis", alerta.

A advogada dá algumas dicas para quem tem um imóvel financiado neste momento: caso tenha perdido renda, emprego, ou é um profissional autônomo e está com dificuldades de pagar seu financiamento, entre em contato com a instituição financeira e tente renegociar sua dívida; e não deixe de pagar mais de três prestações seguidas do seu financiamento. Seu imóvel pode ser retomado pela instituição nesse caso.

Daniele ressalta que é necessária uma política pública capaz de gerar empregos e renda, ainda mais agora, pois quando toda essa situação passar, as pessoas que perderam renda e seus empregos formais aumentarão ainda mais as estatísticas de desemprego do país.

.

Seguro desemprego - Em nota, a Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) pede seguro desemprego para trabalhador afastado e maior apoio a autônomo.

Segundo Paulo Skaf, presidente da entidade, "o Governo Federal publicou neste domingo (22/3) a MP 927 que dispõe sobre medidas trabalhistas para o enfrentamento da quarentena para prevenção da Covid-19. São medidas necessárias neste momento, que têm como objetivo mitigar as demissões. É fundamental, no entanto, garantir a sobrevivência dos trabalhadores que venham a ser afastados durante a pandemia. Essa preocupação se estende também aos autônomos que não poderão trabalhar nas próximas semanas. Assim, um seguro-desemprego para os trabalhadores com contrato suspenso e uma ajuda de custo mais robusta aos autônomos sem possibilidades de exercerem suas atividades seriam ações complementares fundamentais para garantir a travessia deste período excepcional que estamos enfrentando."

.

SEGURO CIDADÃO

Canal 0800, hotsite e atendimento exclusivo para coronavírus - Com o avanço do novo coronavírus no Brasil, a Bradesco Saúde e Mediservice elaboraram uma série de ações de comunicação para atender aos beneficiários, com orientações sobre a doença. Está disponível o canal 0800 941 6361 - central de orientação médica que funciona 24 horas por dia - durante os sete dias da semana, com equipe de médicos e enfermeiros para orientação aos segurados em caso de suspeita da doença.

Ao seguir a recomendação do Ministério da Saúde para diminuir o ritmo de crescimento do contágio, a indicação para os beneficiários é não procurar o pronto atendimento de imediato no caso de qualquer sintoma. Por isso, o grupo disponibiliza este canal exclusivo para que os beneficiários esclareçam suas dúvidas sobre a doença e recebam as orientações médicas necessárias, evitando que a transmissão ocorra em uma velocidade ainda maior.

Em caráter preventivo, a Bradesco Saúde disponibilizou também um hotsite com informações práticas sobre a doença, as formas de transmissão, os principais sintomas e como se prevenir, sendo atualizado constantemente.

A Bradesco Saúde e Mediservice criaram uma rede de apoio, por meio da rede de clínicas Meu Doutor Novamed, consultórios do programa Meu Doutor e clínicas referenciadas, com assistência exclusiva aos casos suspeitos da doença, que necessitam de atendimento presencial.

Com isso, as clínicas Meu Doutor Novamed - que atendem a todos os planos da Bradesco Saúde e Mediservice - tiveram seu atendimento adaptado para esse período. As unidades Paulista (SP) e Botafogo (RJ) ampliaram o horário de funcionamento, das 7h às 19h, de domingo a domingo, sem a necessidade de agendamento prévio, aptos ao atendimento adulto e infantil. O objetivo é que o atendimento seja feito sem fila de espera e sem expor o paciente às aglomerações. O processo alcançará as demais, seja em São Paulo, Rio de Janeiro, Curitiba ou Porto Alegre, caso seja necessário.

Todos os beneficiários da Bradesco Saúde e Mediservice terão acesso livre ao atendimento médico, seguindo os protocolos do Ministério da Saúde. Em casos de sintomas suspeitos, a equipe de enfermeiros e médicos da Novamed irá acompanhar os pacientes, remotamente, com orientação e direcionamento.

Além das clínicas Novamed, os beneficiários contam com a assistência de médicos nas especialidades de Clínica Médica e Pediatria do Programa Meu Doutor, aptos ao atendimento aos casos suspeitos. A relação dos profissionais conta com 53 médicos nas cidades de São Paulo, Rio de Janeiro, Porto Alegre e Salvador encontra-se disponibilizada no site exclusivo: www.bradescosaude.com.br/coronavirus. O agendamento prévio deverá ser realizado pelos canais disponibilizados (site e aplicativo).

Para facilitar a procura por atendimento na rede credenciada, a Bradesco Saúde e Mediservice disponibilizaram uma relação de clínicas preparadas para assistência sem a necessidade de agendamento prévio.

.

ENDOSSANDO

Parceria - A Generali Brasi foi escolhida pelo Agibank - banco  digital omnichannel que tem o propósito de melhorar o dia a dia das pessoas e facilitar a vida financeira – como parceira exclusiva para comercialização do produto seguro vida em grupo para os próximos cinco anos. O contrato foi assinado após o processo de licitação (bid) promovido no segundo semestre de 2019, que envolveu mais de 15 seguradoras do mercado. O novo seguro de vida poderá ser contratado por menos de R$ 0,50 centavos por dia, agregando serviços de auxílio funeral e ressarcimento de despesas em compra de medicamentos, além de prêmio semanal de R$ 5 mil pela Loteria Federal.

O resultado da operação é um produto mais completo para o cliente, com upgrade nos serviços e no valor das coberturas, pelo mesmo preço do seguro atual. "Buscamos um parceiro que pudesse construir com o Agibank um produto mais aderente às necessidades dos nossos clientes, com benefícios imediatos, tornando o seguro de vida mais atrativo no curto prazo e ainda competitivo em termos de preço. O resultado do bid foi muito satisfatório nesse sentido, elevando as nossas expectativas de aumento de produção e de alcançarmos a marca de R$ 600 milhões em prêmios arrecadados nos próximos cinco anos", comenta Fernando Castro, diretor de Produtos, Tecnologia e Marketing do Agibank.

Claudia Papa, vice-presidente da Generali Brasil e Head de Mass Channels Southern Europe & Americas Region, "acredita que o mercado brasileiro é muito propício para novos produtos. O interesse das pessoas por coberturas têm aumentado de forma muito positiva e esta parceria com o Agibank potencializa a presença da nossa companhia no Brasil. Seguimos expandindo nosso posicionamento na distribuição B2B2C, focando em iniciativas digitais e estimulando parcerias estratégicas e este contrato com o Agibank foi de imensa importância para solidificar o nosso crescimento em Seguros Massificados", esclarece a executiva.

"Estamos muito entusiasmados com a oportunidade de desenvolver nosso relacionamento com o Agibank e dar um passo significativo no mercado brasileiro de seguros de consumo em massa", afirma Conrado Gordon, diretor de Underwritting e Produtos Massificados.

"O novo produto foi 'feito à mão' para o nosso perfil de cliente, já que a nossa estratégia é totalmente contrária aos 'produtos prontos' dos grandes bancos. Acreditamos que ter foco no cliente de verdade é ofertar o que ele realmente precisa, no canal que preferir", finaliza Fernando Castro.

Para o segundo semestre, o Agibank ainda prevê a ampliação do portfólio de seguros, visando gerar valor com baixo custo para os clientes, assim como a possibilidade de contratação dos produtos nos canais digitais, como site e aplicativo, fortalecendo a estratégia omnichannel do banco.

Andrea Crisanaz, CEO Brasil da Generali, "o Plano Mundial Generali 2019 - 2021 contempla o crescimento da filial brasileira em Seguros Massificados. Reunimos segurança e tradição no desenvolvimento de produtos personalizados e adequados às necessidades de cada cliente. Nossa estrutura operacional e experiência garantem a prevenção de riscos e redução de possíveis perdas, garantindo sempre tranquilidade e confiança aos nossos parceiros", finaliza o executivo.

A Generali, que completou recentemente 95 anos de Brasil, tem focado sua estratégia na exploração de novas rotas de crescimento no mercado, estabelecendo parcerias estratégicas com corretores, bancos de nicho, companhias de telecom, importantes redes de varejo, por meio de canais de venda digitais. Além disso, a Generali segue focada em liderar a inovação do mercado brasileiro aproveitando a experiencia do Grupo e de insurtechs locais, lançando produtos digitais com uso da telemática e, pela primeira vez, o seguro pay-per-use (pague pelo uso, em tradução livre).

.

Lucro líquido - A China Pacific Insurance (Group) Co., Ltd., uma das maiores seguradoras China, registrou um aumento de 54% em seu lucro líquido no ano passado.

O lucro atribuível aos acionistas ficou em 27,74 bilhões de iuanes (US$ 4 bilhões), informou a companhia em seu relatório financeiro anual entregue à Bolsa de Valores de Xangai.

A receita operacional cresceu 8,8% em termos anuais, atingindo 385,5 bilhões de iuanes, com a receita de negócios de seguros aumentando 8% ante o ano anterior, para 347,5 bilhões de iuanes.

No final do ano passado, o número total de clientes do grupo somou 138,6 milhões, subindo 12,14 milhões em relação ao final de 2018, de acordo com o relatório.

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor