SEG NOTÍCIAS - Pandemia e home office fazem crescer seguro residencial

Veículos são riscos excluídos na cobertura de roubo do seguro residencial.

Seguros / 16:23 - 27 de out de 2020

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

Com o distanciamento social imposto pela pandemia de Covid-19, muitas pessoas contrataram o seguro residencial, principalmente para terem as garantias dos serviços e assistências oferecidos pelas empresas seguradoras.
O seguro de vida individual também teve aumento de procura nos últimos tempos. Uma das razões é o receio da morte e de deixar a família desamparada.
Segundo Olívio Luccas Filho, professor titular da Fundação Escola de Comércio Álvares Penteado (Fecap), o seguro residencial tem uma importância fundamental, pois garante o maior patrimônio adquirido ao longo da vida, ou seja, o lar das pessoas.
"E, ainda assim, é um seguro com contratação bastante baixa no Brasil. Apenas cerca de 14% dos imóveis brasileiros são segurados", diz.
No geral, brasileiro não tem hábito de fazer seguro. Até mesmo a frota de veículos segurados no Brasil é baixa. Segundo a Confederação Nacional das Seguradoras (CNSeg), apenas 30% dos veículos possuem seguro. Mas, ainda assim, no Brasil, o seguro mais procurado é o que cobre furtos e danos do automóvel.
"Esta é mais uma questão cultural e também pelo desconhecimento de que o seguro residencial é de custo bastante acessível. O seguro residencial ainda tem muito a crescer", diz.
As opções de seguro para cobrir o trabalho remoto são aquelas tradicionais de mercado. Quem está trabalhando em casa precisa ter o computador funcionando o dia todo. Serviços como help desk são importantes nesse momento de pandemia, bem como outras assistências residenciais.
A telemedicina oferecida em alguns produtos de vida individual também é extremamente importante, pois através dela as pessoas podem ter orientação médica por vídeo, sem precisarem sair de casa, diminuindo o risco de contágio do vírus.
Os produtos residenciais disponíveis no mercado partem do mais simples, aquele com contratação apenas da cobertura básica, como contra incêndio, queda de raio e explosão, até os mais completos, com inúmeras coberturas e assistências. O seguro residencial pode ser contratado para casa ou apartamento, e, dependendo da regra de aceitação de cada seguradora, pode haver aceitação para imóveis de veraneio, além do imóvel habitual. E o mesmo ocorre em relação à parte construtiva, que eventualmente as seguradoras podem aceitar riscos construídos em madeira ou misto, uma vez que o normal é aceitar os riscos em alvenaria.
As coberturas acessórias variam de seguradora para seguradora, mas algumas são bastante comumente contratadas: roubo de bens, danos elétricos, vendaval, responsabilidade civil familiar, entre outras.
O custo do seguro vai depender do valor de reconstrução do imóvel e do conteúdo coberto. Também são variáveis que influem no custo do seguro: localização, forma da construção, utilização do imóvel, existência de dispositivos de proteção, como alarmes, entre outras.
O seguro residencial é muito barato e ele já inclui uma série de serviços. Partindo de um risco médio, o custo gira em torno de 0,2% do valor de reconstrução do imóvel.
É incomparável o valor do seguro com os gastos que uma pessoa teria se fosse chamar diretamente um profissional para fazer algum serviço. A tranquilidade precisa ser considerada.
As seguradoras incorporam serviços de assistência 24 horas em forma de pacotes que mais se adequem à necessidade e ao bolso de cada segurado. A assistência básica geralmente disponibiliza serviços básicos, como chaveiro, eletricista e hidráulica/desentupimento, mas existem pacotes com serviços diferenciados, como fornecimento de caçambas, limpeza de caixa d'água, help desk, entre outros.
Há também coberturas bastante diferenciadas para cada necessidade do segurado que cobrem danos ao jardim, tacos de golfe, hole in one, joias e relógios, obras de arte e bens culturais, entre muitas outras.
Existem algumas excludentes comuns entre as seguradoras, por exemplo a não cobertura de papéis que representem valor como dinheiro, cheques, etc. Assim como furto simples, que não está coberto em nenhuma seguradora, uma vez que só ampara roubo ou furto com vestígios claros de arrombamento.
O especialista lembra que veículos são riscos excluídos na cobertura de roubo do seguro residencial. Para garantir a cobertura de roubo do carro, o segurado deve adquirir cobertura específica desse bem no ramo de automóvel.
.
STJ suspende ações sobre custeio de plástica por plano de saúde após bariátrica
A 2ª Seção do Superior Tribunal de Justiça (STJ) vai decidir, sob o rito dos recursos especiais repetitivos, se os planos de saúde são obrigados a custear cirurgias plásticas após a realização da bariátrica.
Para a definição da controvérsia, cadastrada sob o número 1.069 na página de repetitivos do STJ, a seção determinou a suspensão nacional do processamento de todas as ações pendentes, individuais ou coletivas, que tratem do tema. Está fora da suspensão a concessão de tutelas provisórias de urgência, quando presentes os requisitos para o deferimento.
Na decisão de afetação, o relator dos recursos, ministro Villas Bôas Cueva, destacou que existe um número expressivo de processos que tratam do mesmo tema, nos quais se discute, sobretudo, se a cirurgia plástica pós-bariátrica tem finalidade reparadora ou meramente estética. O relator lembrou que, inclusive, os Tribunais de Justiça de São Paulo e do Rio de Janeiro já aprovaram súmulas sobre o assunto.
Segundo o ministro, apesar de o STJ já ter se manifestado sobre a controvérsia, entendendo, em geral, que a cirurgia plástica não possui caráter meramente estético, ainda existem decisões divergentes nas instâncias ordinárias, o que recomenda que o tribunal firme o precedente qualificado sobre o assunto.
"O julgamento de tal questão em feito submetido ao rito dos recursos repetitivos vai proporcionar segurança jurídica aos interessados e evitar decisões divergentes nas instâncias ordinárias e o envio desnecessário de recursos especiais e agravos a esta corte superior", apontou o ministro ao decidir pela afetação.
O Código de Processo Civil de 2015 regula, nos artigos 1.036 e seguintes, o julgamento por amostragem, mediante a seleção de recursos especiais que tenham controvérsias idênticas. Ao afetar um processo, ou seja, encaminhá-lo para julgamento sob o rito dos repetitivos, os ministros facilitam a solução de demandas que se repetem nos tribunais brasileiros.
A possibilidade de aplicar o mesmo entendimento jurídico a diversos processos gera economia de tempo e segurança jurídica. No site do STJ, é possível acessar todos os temas afetados, bem como saber a abrangência das decisões de sobrestamento e as teses jurídicas firmadas nos julgamentos, entre outras informações.
.

DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL

Congresso Brasileiro dos Corretores de Seguros - A 22ª edição do Congresso Brasileiro dos Corretores de Seguros será realizada em São Paulo em outubro de 2021. O anúncio foi feito pelo presidente da Fenacor, Armando Vergilio, durante sua participação em um painel do Sincor Digital, promovido pelo Sincor-SP, na sexta-feira passada. "Essa não é mais uma possibilidade. É uma realidade. Faremos um grande evento em São Paulo, em conjunto com o Sincor-SP e todos os demais sindicatos e o apoio das seguradoras", destacou Vergilio.
A última edição realizada na capital paulista foi em 1999. O estado gera aproximadamente 50% da receita global do mercado de seguros no Brasil. Atuam em São Paulo mais de 43,9 mil corretores de seguros, entre pessoas físicas e jurídicas (45,5% da categoria). Outro fator relevante é que esse será o primeiro congresso brasileiro da categoria organizado dentro da chamada "nova ordem", no pós-pandemia.
Além disso, especificamente para os corretores de seguros de São Paulo, essa opção compensa, de certa forma, a não realização do CONEC em 2020, em decorrência da pandemia, ainda que o Sincor-SP tenha promovido, com resultados excepcionais, um evento virtual, o Sincor Digital, que foi visto por mais de cinco mil profissionais.
.

SEGURO CIDADÃO

Programa de ação social recebe apoio do mercado segurador
Com o intuito de ampliar a missão de proteger, a Rede Lojacorr criou o programa de ação social "Juntos Protegemos", estruturado para se perpetuar após a pandemia, que conta com apoio de grandes parcerias. Nessa primeira edição, os parceiros apoiadores são as companhias HDI Seguros e Mitsui Sumimoto Seguros. O programa ‘Juntos Protegemos’ irá destinar 100% dos recursos obtidos para a instituição beneficiada e o doador participante pode escolher diferentes valores para contribuir.
Para estrear o programa, a Rede Lojacorr escolheu o Pequeno Príncipe, maior hospital pediátrico do país, como instituição beneficiada, por ser um centro de referência no diagnóstico e tratamento de crianças e adolescentes, além de ser filantrópica, destinando 70% dos atendimentos ao SUS. A verba angariada tem destino certo: manter as atividades de assistência à saúde do hospital e assim ajudá-lo a superar os desafios da pandemia.
De acordo com a analista de Comunicação Interna da Rede Lojacorr, Nicollie Catine, o Pequeno Príncipe foi escolhido em primeiro lugar porque, com a chegada da pandemia, o hospital adotou uma série de medidas que, apesar de essenciais, afetaram diretamente a sustentabilidade econômico-financeira da instituição. Novos leitos exclusivos de UTI e de áreas de isolamento foram definidos, novos protocolos foram adotados, treinamentos com as equipes de assistência foram feitos, novos equipamentos e um maior estoque de medicamentos, insumos e EPI's tiveram que ser adquiridos. Sendo assim, as despesas aumentaram vertiginosamente. Em contrapartida, foram suspensos os atendimentos e as cirurgias eletivas (o que acarretou uma queda de 90% no número de cirurgias) e cancelados todos os eventos que auxiliam na captação de recursos da instituição, o que fez o faturamento despencar. "Como a nossa missão é proteger, pensamos numa forma de unir forças e agir em prol dos projetos em que a Rede acredita".
O Hospital Pequeno Príncipe se preparou para a enfrentar o coronavírus, mas não deixou de atender as emergências e os pacientes crônicos, já em tratamento. "O enorme déficit operacional que o hospital tem anualmente foi agravado pelos impactos da pandemia. Nós contamos com o apoio de pessoas e empresas para continuar transformando a vida de milhares de crianças. Ao longo de mais de 100 anos, temos o privilégio de reunir apoiadores que compreendem a importância da causa da saúde e isso é um privilégio alcançado com muito trabalho, pela nossa missão de proteger as crianças por meio da assistência, do ensino, da pesquisa e da mobilização social, fortalecendo o núcleo familiar", explica a diretora-executiva do Pequeno Príncipe, Ety Cristina Forte Carneiro.
Nicollie Catine explica que as doações para essa primeira fase do 'Juntos Protegemos', destinada ao Hospital Pequeno Príncipe, podem ser feitas até o dia 30 de novembro. Além disso, as próximas causas a serem ajudadas já estão em fase de desenvolvimento e logo serão informadas para a Rede e externamente, que terão a sugestão de colaboradores sobre futuros destinos.
O diretor de Mercado e Operações da Rede Lojacorr, Luiz Longobardi, acrescenta que todo profissional securitário, assim como companhias seguradoras, tem em seu DNA a proteção. "Em situações de sinistros, riscos e grandes causas sociais, como essa do HPP, nos identificamos com a necessidade de contribuir de alguma forma. Por isso, poder contar com a HDI e a Mitsui para construir o projeto nos faz acreditar na força do ecossistema do mercado segurador", finaliza o gestor.
.

ENDOSSANDO

Parceria A companhia, totalmente digital, é especialista no desenvolvimento de produtos de nicho, com foco em inovação, tecnologia e inclusão social - com destaque para os seguros de RC profissional, transportes, bicicletas e Auto pay-per-use (liga-desliga).
"Um encontro muito promissor", revela João Arthur Baeta Neves, diretor da Baeta Assessoria, que tem em seu DNA a tecnologia. Ele explica que mesmo antes da pandemia indicar a necessidade de estar atualizado com a matéria, "nós já estávamos digitalizados. Portanto, natural um parceiro que esteja em plena sintonia com os nossos procedimentos operacionais digitais"
Para agilizar a realização de negócios com a nova parceira da Baeta, João Arthur formatou uma série de treinamentos especiais para os corretores de todo Brasil, a partir do dia 3 de novembro.
A parceria da Baeta Assessoria com a Argo Seguros trará para os corretores de seguros a oportunidade de comercializar o produto Instant da companhia - novo tipo de seguro pay-per-use, - que não estava disponível para venda pela categoria. Este modelo de "seguro sob demanda", tem como principal atrativo o custo mais barato do que o do seguro Auto tradicional, entre outras vantagens.
O cadastramento para operar com a Baeta, Argo e inscrever-se no treinamento pode ser feito nos links a seguir - Seguros: https://cadastro.baeta.com.br/argo; e curso de capacitação: https://assessoria.baeta.com.br/treinamento-argo.
.
Premiação Com objetivo de manter os resultados da comercialização dos contratos e motivar toda equipe proporcionando oportunidades diferenciadas, a PFJ Assessoria e Corretora de Seguros contemplou dezesseis corretores na campanha de vendas Churrasco Garantido. A finalidade era comercializar contratos da Qualicorp e a Elo e a corretora bonificaram em dois módulos: comercializando cinco vidas, a premiação é uma peça de picanha. Já com oito vidas, a premiação além da peça de carne, tem a caixa de bebida.
Para Fabio Souza, um dos sócios da PFJ, é preciso estar sempre em comunicação com os parceiros de negócios não só divulgando os detalhes das campanhas, mas incentivando novos consultores a inserirem sua produção na corretora. "Sempre me comunico com os vendedores através de áudios e vídeos e me coloco sempre à disposição dos que já estão nas nossas equipes de vendas e considero importante, captar mais gente para vender, porque garanto que somos a corretora que paga o maior percentual em comissionamento do Rio de Janeiro. Somos agressivos não só nas campanhas, mas também ao pagar as comissões", explicou.
A PFJ manteve outras campanhas em andamento, dentre elas, a Coliseum Beach Resort, que vai levar os consultores com direito a um acompanhante, a um resort de luxo, com tudo pago. Para permanecer motivando, foi iniciada uma ação de bonificação voltada para os supervisores. Vendeu R$ 30 mil, ganha R$ 3.000; vendeu R$ 40 mil, ganha R$ 3.500; vendeu R$ 50 mil, ganha R$ 4.000; e vendeu R$ 60 mil, ganha R$ 4.500. E passando dessas metas, a cada R$ 10 mil em venda extra, há a premiação de mais R$ 500.

 

 

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor