SEG NOTÍCIAS – Petrobras: entidade para gerir plano custará R$ 4 bi

A proposta de mudança na gestão da Assistência Multidisciplinar de Saúde (AMS) dos trabalhadores da Petrobras vai gerar uma despesa extra de R$ 2 bilhões a R$ 4 bilhões à companhia, alerta a Federação Única dos Petroleiros (FUP). Proposta pela diretoria da Petrobras de forma unilateral em abril de 2020 e aprovada pelo Conselho de Administração da companhia, o projeto prevê a transferência da gestão para uma “associação civil sem fins lucrativos”.
Para isso, será necessário que a Petrobras faça aportes financeiros – inicialmente calculados em R$ 2 bilhões, mas podendo chegar a R$ 4 bilhões -, já que a Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) exige garantias patrimoniais da nova entidade gestora. Criada nos anos 1970, a AMS da Petrobras é gerida pela área de Recursos Humanos da empresa desde então. “Como se vê, ao contrário do que argumenta a diretoria da Petrobras, não haverá economia de R$ 6,2 bilhões, mas um custo extra que pode chegar a R$ 4 bilhões que será pago por funcionários, pensionistas, aposentados e dependentes e por toda a sociedade, já que a Petrobras é pública”, explicou Deyvid Bacelar, coordenador geral da FUP.
Além da previsão de custo extra – em um momento em que a diretoria da Petrobras reduz salários de seus trabalhadores, alegando a necessidade de cortar gastos por causa da crise econômica gerada pela pandemia -, a mudança da AMS pode resultar em mais gastos para os próprios beneficiários. Em mudança similar feita nos Correios, a contribuição de empregados e aposentados para assistência médica, que era de 7%, passou para 50%, como aponta levantamento feito pelo economista Cloviomar Cararine, do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese).
A alteração da gestão da AMS estabelecido no último Acordo Coletivo de Trabalho (ACT), já aumentou a cota dos trabalhadores nos custos da assistência médica de 30% para 40%, criando instabilidade aos cerca de 246 mil beneficiários, justamente no momento da pandemia de covid-19. Ou seja, como patrocinadora a Petrobras vai responder por 60% do custo total do plano de saúde, calculado a partir do gasto com sinistralidade. Mas, a partir de 2022, o custo para os beneficiários, empregados, aposentados e pensionistas, poderá aumentar para 50%, caso os custos de gestão da assistência à saúde não sejam reduzidos e a resolução 23 da Comissão Interministerial de Governança Corporativa e de Administração de Participações Societárias da União (CGPAR) ainda esteja em vigor.
A FUP também questiona a ausência da participação dos trabalhadores da Petrobras nas decisões tomadas pelo grupo de trabalho (GT) criado unilateralmente pela diretoria da companhia. O atual Acordo Coletivo de Trabalho (ACT), mediado pelo Tribunal Superior do Trabalho (TST), determinou que a Petrobras criasse mecanismos para ampliar a participação efetiva dos petroleiros na gestão da assistência médica, o que não ocorreu. Além disso, a cláusula 30 do ACT fixa os percentuais de participação da empresa e dos trabalhadores no custeio da AMS, o que está em risco diante da mudança.
.

SEGURO CIDADÃO


Saúde São Paulo – Instituições hospitalares que integram a rede do Sistema Único de Saúde (SUS) unem-se para apresentar aos deputados estaduais e federais e aos senadores, que representam o Estado de São Paulo, o atendimento que realizam e as suas demandas para abrir e debater os interesses da saúde pública e requerer os recursos oriundos das emendas parlamentares. São 94 deputados estaduais, além dos três senadores e 70 deputados federais que representam São Paulo e que, juntos, dispõem de um montante de R$ 3,3 bilhões para serem distribuídos à saúde por meio dessas emendas.
Os hospitais filantrópicos e públicos de São Paulo querem maior proximidade com os parlamentares eleitos pelo Estado para a criação de um espaço de discussão sobre a política pública em saúde e para apresentar as necessidades, demandas e desafios dessas instituições para a gestão do atendimento eficiente do Sistema Único de Saúde (SUS). O projeto, batizado de Saúde São Paulo, foi idealizado pelas relações-institucionais Sandra Sula e Vanessa Pavan, do Hospital Maternidade de Campinas, em parceria com os hospitais filantrópicos e públicos de Campinas A ideia é envolver as demais instituições de todo o Estado com o objetivo de angariar recursos financeiros disponíveis, por meio das emendas parlamentares, para investimentos em parques tecnológicos e para o desenvolvimento de projetos institucionais. Os 94 deputados estaduais, os três senadores e 70 deputados federais que representam São Paulo, juntos, dispõem de um montante de R$ 3,3 bilhões para serem distribuídos à saúde por meio dessas emendas.
O projeto Saúde São Paulo realizou seu primeiro encontro na última quarta-feira, dia 13 de janeiro, do auditório do Hospital Maternidade de Campinas. Neste primeiro momento, além da Maternidade de Campinas, integram o Saúde São Paulo o Hospital e Maternidade Celso Pierro (PUCC), o Complexo Hospitalar da Unicamp, a Real Sociedade Portuguesa de Beneficência, a Irmandade Misericórdia de Campinas (Irmãos Penteado), Hospital Amaral Carvalho (Jaú) e a Associação e Fraternidade São Francisco de Assis na Providência de Deus que faz a gestão de 17 unidades hospitalares do Estado. A proposta é que as reuniões sejam mensais e sediadas nas instituições participantes.
“Os hospitais filantrópicos e públicos padecem com a gestão de seus orçamentos devido a tabela deficitária de pagamentos do SUS. As emendas parlamentares servem de incremento nas receitas dessas unidades hospitalares que prestam atendimento ao serviço público de saúde”, explica Carlos Eduardo Ferraz, presidente do Hospital Maternidade de Campinas. “O projeto Saúde São Paulo foi criado justamente para que possamos estreitar o relacionamento com os parlamentares, abrindo um espaço de discussão de políticas públicas para a saúde, além de ser uma oportunidade de apresentarmos o trabalho que realizamos, a representatividade dos nossos atendimentos e os desafios encontrados para a prestação do serviço para as pessoas que dependem do SUS. Nosso foco será sempre a excelência e a qualidade em saúde ofertada para a população”, explica Sandra Sula.
“Esse trabalho é de extrema importância, principalmente nesse momento que estamos atravessando as consequências da pandemia da Covid-19, sem precedentes na história. Muitos municípios contam exclusivamente com o atendimento dos hospitais filantrópicos, o que torna fundamental a destinação de recursos provenientes dessas emendas”, destaca Vanessa Pavan.
De acordo com levantamento feito pelos integrantes do projeto Saúde São Paulo, cerca de R$ 15 milhões são disponibilizados para cada deputado que compõe a bancada paulista no Congresso Nacional. Na Assembleia Legislativa, 50% das emendas impositivas são destinadas para a Saúde, cabendo a cada um dos 94 deputados estaduais um valor aproximado de R$ 2,5 milhões. Embora algumas das instituições hospitalares já contem com a atuação efetiva de profissionais de captação de recursos que, rotineiramente, visitam os gabinetes dos parlamentares, a proposta é promover a interação para a busca da melhor destinação dos recursos financeiros e para o fomento das políticas públicas no segmento de saúde. A ideia é que reuniões sejam mensais, com o revezamento dos hospitais e dos parlamentares que desejam engajar-se a este projeto de saúde pública.
.
Surdez – Com o objetivo de promover representatividade e protagonismo à comunidade de surdos no país, a Quali, administradora de planos coletivos, doou recursos para viabilizar a produção do livro “Sam e Sofia – A Chave Destra – Uma aventura através da história dos surdos no Brasil”, que aborda os desafios e conquistas das pessoas com deficiência auditiva ao longo da história. De maneira simples e divertida, a obra narra as aventuras de dois jovens, Sam e Sofia, que viajam no tempo e se deparam com marcos históricos dos surdos, como o ensino da língua de sinais.
O livro foi idealizado por Gabriel Isaac e Arial Xavier, que estão realizando uma vaquinha virtual para o projeto. A arrecadação tem quatro metas, sendo que a primeira contou com doação de recursos da Quali para viabilizar a produção de 500 exemplares, com objetivo de gerar compreensão e identificação por adultos e crianças surdas. “É muito gratificante ver uma empresa que acredita e investe em projetos como o nosso, fomentando a cultura brasileira e incentivando os artistas do nosso país. Com esse apoio, vamos produzir 500 livros, que serão distribuídos para nossa comunidade surda, que vai conhecer essa aventura divertida e ganhar um bônus para celebrar a luta das pessoas surdas pelos seus direitos ao longo da história”, afirma Gabriel Isaac, um dos idealizadores do projeto.
“Diversidade e inclusão são nossos pilares prioritários, por isso temos investido cada vez mais em ações internas e externas de conscientização, como é o caso desta iniciativa. Além disso, a Quali lançou recentemente uma campanha focada exclusivamente na diversidade e na inclusão, a Quali Plural. Por meio dela, realizamos desde oficinas para discutir os desafios de cada público até adaptações para tornar acessíveis e inclusivas todas as nossas redes sociais e demais canais de comunicação”, afirma Pablo Meneses, vice-presidente de Operações e Relacionamento da Quali. “Para nós, é uma honra participar de ações que valorizem a representatividade, a cultura e a saúde. Acreditamos que iniciativas como essas devem ser multiplicadas”,
finaliza.
A Quali apoia e patrocina iniciativas semelhantes. Em dezembro, a companhia doou recursos para o projeto Natal Solidário – Janela de Isabela, em que 1,5 mil livros foram doados para mais de 10 hospitais que tratam câncer infantil no Estado de São Paulo. A obra “Janela de Isabela” mostra o poder da imaginação como instrumento de auxílio para crianças em tratamento contra o câncer.
Sam e Sofia é um projeto de história em quadrinhos. O desenho será em cores e com contorno. Cada época retratada na obra tem sua própria paleta de cores, demarcando a passagem dos personagens através do tempo. O traço é feito de forma que agrade tanto o público adulto quanto o infantil.
.

ENDOSSANDO


Novo vice-presidente técnico – A HDI Seguros, 4ª maior seguradora no ramo Empresarial, 5ª maior em Auto e 6ª maior em Residencial, anuncia o executivo Mauricio Galian como novo vice-presidente técnico da companhia.
Englobando as áreas de Produtos, Underwriting, Sinistros e Inovação, a Vice-Presidência tem a importante responsabilidade de continuar os caminhos de diversificação, inovação e adequação dos produtos da companhia para a atual realidade do setor de seguros. “Inicio mais um desafio na HDI em uma fase importante em que estamos ampliando atuação e apresentando diversas novidades ao mercado. Seguiremos levando agilidade, inovação e experiências que atendam nossos segurados e trabalhando na oferta de pacotes completos para fortalecer a base de diversificação da companhia para 2021”, destaca Maurício.
O executivo, formado em Marketing pela Universidade Paulista (Unip), tem Especialização em Matemática Financeira pela Fundação Getúlio Vargas e MBA em Gerenciamento Avançado pelo Iese Business School, de Navarra (Espanha). Mauricio conta com mais de 30 anos de experiência nas áreas de Seguros, tendo acumulado conhecimentos em gestão de carteiras, precificação e subscrição, e experiência nas áreas de Operações, Contact Center e Tecnologia. Iniciou sua carreira na Paulista Seguros e ocupou importantes funções, como diretor técnico, diretor de Sinistros e Diretor de TI, Operações e Pós, em seguradoras como AGF, Liberty, BBMapfre e Mapfre. Recém-chegado à HDI, o executivo ocupava o cargo de diretor-executivo de Produtos e Resseguros desde setembro de 2020.
.
Pontos – A Sompo Seguros S.A. anuncia o lançamento da Sompo Pay, plataforma integrada que vai permitir aos clientes utilizar os pontos acumulados na Livelo no resgate do prêmio do Seguro Sompo Auto. Já na cotação, é disponibilizado ao corretor de seguros as propostas com os valores dos prêmios de seguro Sompo Auto. Estas propostas poderão ser apresentadas aos clientes nas versões integral e com desconto por meio da utilização dos pontos disponíveis na conta Livelo do segurado, caso tenha saldo de pontos a resgatar.
“A plataforma Sompo Pay é inovadora e chegou para trazer muito mais facilidade para os clientes aproveitarem seus pontos, com um diferencial bastante relevante em sua proposta e negociação. O segurado tem a opção de utilizar os pontos Livelo para resgatar parte do prêmio de seguro e o restante por meio de cartão de crédito. Ou ainda, caso a pontuação cubra o valor total do prêmio, não será necessário dispender de qualquer desembolso”, observa Marco Aurélio dos Santos, superintendente financeiro da Sompo Seguros.
A Livelo é um dos maiores programas de recompensas do Brasil e oferece aos seus mais de 20 milhões de clientes diferenciais como aplicativos e site intuitivos, o que torna a experiência de acúmulo e resgate descomplicada, portfólio de resgate com mais de 800 mil produtos, serviços e experiências, além de permitir acúmulo de pontos em compras em lojas físicas e resgate de recompensas via Código QR diretamente nos estabelecimentos comerciais. Em 2020, a empresa também expandiu seus negócios ao firmar importantes parcerias.
“A Livelo oferece aos parceiros soluções que fortalecem a proposta de valor para os seus clientes. 2020 foi um ano intenso para nós na frente de negócios B2B e já iniciamos este ano a todo vapor junto da Sompo Pay. Essa ampliação de portfólio resulta em mais uma opção para o cliente usar seus pontos como quiser, até mesmo na proteção de seu patrimônio. Com essa oportunidade, é possível poupar gastos”, pontua Marcelino Cruz, diretor de Relações Comerciais e Trade Marketing da Livelo.
A opção de resgate por meio da plataforma Sompo Pay só é exibida caso o segurado tenha pontos disponíveis. “O lançamento da plataforma Sompo Pay é mais uma iniciativa da Sompo Seguros que viabiliza ferramentas que agregam ainda mais valor e economia ao segurado no momento da aquisição do seguro Sompo Auto ao mesmo tempo em que abre mais oportunidades de negócios para os corretores de seguros por meio de uma ferramenta prática e eficiente”, acrescenta Sven Robert Will, diretor Executivo Financeiro da Sompo Seguros. “As tecnologias recentes já nos trazem recursos para viabilizar maneiras diferenciadas em termos de meios de pagamento que incrementam a jornada do cliente junto à companhia e contribuem para que nossos parceiros corretores de seguros desenvolvam mais negócios de uma forma ainda mais dinâmica”, complementa.
.
Aquisição – A HygiaBank, empresa que desenvolve soluções tecnológicas para relacionamento com clientes para estabelecimentos na área de saúde, anuncia a aquisição da Dr. Mob, players do mercado de gestão para clínicas e centros médicos, tendo em sua carteira redes como Docctor Med, Clínica da Cidade, Rede Mais Saúde, Femme Laboratório da Mulher, entre outros.
Para Maikol Parnow, CEO da HygiaBank, a aquisição da Dr. Mob vem para ampliar a capacidade de gestão das clínicas e profissionais da saúde, gerando maior eficiência operacional. “Nossa premissa é sempre apoiar o profissional da saúde na melhor tomada de decisão. A parte bancária da Hygia (Hygia bank) nasceu para apoiar os profissionais e empresas da área da saúde a terem mais transparência e gestão financeira”, destaca.
Ele ainda ressalta que a Dr. Mob foi desenhada a partir das necessidades das clínicas e profissionais da saúde, pensando no dia a dia desse setor. Com maior eficiência nos processos, é possível minimizar custos e trabalhar melhor a agenda dos profissionais. Isso abrange melhor utilização de recursos humanos no cotidiano da empresa, bem como, a melhor comunicação com pacientes, diminuindo impactos principalmente na redução do absenteísmo e na disponibilização de atendimento 24 horas para agendamento e confirmação de consultas médicas.
Um dos grandes ganhos com a aquisição é a aceleração da estratégia da Hygia de ser o primeiro superapp de saúde da América Latina pensado para o paciente e para os profissionais da saúde. Para os profissionais, soluções como agendamento web, autoatendimento, orçamentos, call center, financeiro, prontuário eletrônico, lembretes, painéis de chamada interativos, receituário digital, entre outros. Para os pacientes, a Hygia expande sua oferta para mais de 100 clínicas espalhadas pelo Brasil com mais de 25 mil médicos e demais profissionais da saúde, além de todo o portfólio de serviços de saúde que a Hygia já possui. Os benefícios incluem conta digital, seguros exclusivos, investimentos e outros serviços financeiros.
“Nosso foco inicial está no cadastro de parceiros como centros médicos, clínicas, laboratórios, farmácias, restaurantes saudáveis, academia e profissionais liberais da área da saúde”, finaliza Parnow.

Leia mais:

Petrobras mostra novo plano de previdência

Fábrica fechada pela Petrobras poderia suprir demanda por oxigênio

Artigos Relacionados

ANS não tem competência para mudar entendimento sobre Rol

Maioria da justiça reconhece que procedimentos são os mínimos exigidos das operadoras de saúde.

Setor de seguros cresce 1,3% em 2020

O setor cumpriu a sua missão de desonerar o Governo de gastos para amparo à sociedade

Novo portfólio de planos de saúde coletivos por adesão

Esse benefício também será válido para quem adquirir as linhas Amil e Amil Fácil do antigo portfólio. Já o corretor terá premiação com pagamento à vista pelo Cyber Bônus.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Presidente do Banco do Brasil joga a toalha

Centrão tem interesse no cargo.

Imóveis comerciais tiveram estabilidade em janeiro

Nos últimos 12 meses, entretanto, preços de venda e locação do segmento acumulam quedas de 1,32% e 1,18%, respectivamente.

Contas públicas têm superávit de R$ 58,4 bilhões em janeiro

Dívida bruta atinge 89,7% do PIB, o maior percentual da história.

Presidente do Inep é exonerado do cargo

Medida foi publicada no Diário Oficial de hoje; até o momento, não foi anunciado o nome de quem o substituirá.

Primeiro caso de Covid-19 no Brasil completa um ano

Brasil tem novo recorde de mortes diárias, diz Fiocruz; boletim informa que houve ontem 1.148 mortes.