Segregação mais que dobrou mortes por Covid nos EUA

Estudo publicado no site da Universidade de Michigan mostra que a taxa de crescimento de casos e mortes de Covid-19 foi maior nas áreas metropolitanas dos EUA que exibiam maior segregação. Os pesquisadores examinaram a taxa de crescimento de casos confirmados de Covid-19 e mortes nas 100 maiores áreas metropolitanas de 22 de janeiro a 20 de junho de 2020, antes do início do segundo surto nacional.

As curvas de crescimento para casos e mortes foram mais íngremes em condados em áreas metropolitanas onde as populações negra e hispânica são segregadas residencialmente dos brancos, indicou o estudo. Este efeito de segregação foi aumentado pela desigualdade de renda dentro de cada município.

Em Detroit, por exemplo, os pesquisadores afirmam que, se esta região tivesse sido menos segregada e mais igual economicamente, ocorreriam apenas 744 mortes, menos da metade das 1.639 registradas.

Os grupos minoritários também são afetados por taxas mais altas de Covid-19 devido a outros fatores, como preconceitos raciais no tratamento em hospitais e clínicas. Com o tempo, essas comunidades podem desenvolver condições médicas que comprometem a imunidade, incluindo obesidade, diabetes e doenças cardiovasculares, observaram os pesquisadores, de acordo com a agência de notícias Xinhua.

Para os norte-americanos de origem asiática, a riqueza familiar média não difere da dos brancos e, como esperado no estudo, a segregação dos asiáticos não aumentou a disseminação da Covid-19.

Artigos Relacionados

Se aprovada como está, PEC Emergencial destruirá BNDES

Presidente da Associação dos Funcionários e recentemente eleito para o Conselho de Administração, Arthur Koblitz encaminhou carta a senadores.

Entre executivos, salário do presidente da Petrobras é fichinha

CEO de capital aberto no Brasil tinha uma remuneração 663 vezes maior que a média paga aos funcionários.

Na campanha, Bolsonaro era contra privatizar setores estratégicos

Correios tem lucro bilionário; desestatização falhou na Argentina e Portugal.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Presidente do Banco do Brasil joga a toalha

Centrão tem interesse no cargo.

Imóveis comerciais tiveram estabilidade em janeiro

Nos últimos 12 meses, entretanto, preços de venda e locação do segmento acumulam quedas de 1,32% e 1,18%, respectivamente.

Contas públicas têm superávit de R$ 58,4 bilhões em janeiro

Dívida bruta atinge 89,7% do PIB, o maior percentual da história.

Presidente do Inep é exonerado do cargo

Medida foi publicada no Diário Oficial de hoje; até o momento, não foi anunciado o nome de quem o substituirá.

Primeiro caso de Covid-19 no Brasil completa um ano

Brasil tem novo recorde de mortes diárias, diz Fiocruz; boletim informa que houve ontem 1.148 mortes.