Segurança do trabalho: como reduzir riscos jurídicos

Por Natália Tenório da Silva.

Prejuízos podem ocorrer ao não conseguir comprovar medidas protetivas já implementadas

 

No mês de julho, se comemorou o Dia Nacional de Prevenção de Acidentes de Trabalho. A ocasião tem como marco a instituição pelo Ministério do Trabalho do Plano Nacional de Valorização do Trabalhador, além da obrigatoriedade dos serviços de medicina do trabalho e engenharia de segurança do trabalho em empresas com um ou mais empregados.

O propósito é alertar empregadores, governos e sociedade civil para a importância de hábitos que diminuam o número de acidentes e doenças relacionadas ao trabalho, além de incentivar práticas saudáveis em todos os setores produtivos.

Infelizmente, o Brasil é um dos países com maior número de trabalhadores formais acidentados ou afastados por doença ocupacional, sem contar que, diariamente, ocorrem milhares de acidentes de trabalho com óbito, ocupando o nosso país o 4º lugar no ranking mundial da Organização Internacional do Trabalho (OIT).

Entretanto, há diversas medidas que as empresas podem adotar para evitar ou diminuir esses incidentes. Entre elas, está o mapeamento dos riscos ocupacionais aos quais o empregador está exposto no seu dia a dia, por meio do fornecimento, instrução e fiscalização dos empregados quanto ao uso correto de equipamentos de segurança individuais e coletivos.

Também cabe à empresa observar a correta substituição e reposição periódica dos equipamentos de segurança, bem como acompanhar e cumprir o cronograma de manutenção periódica e preventiva de máquinas, equipamentos e veículos, que podem vir a causar acidentes.

Constantemente, é preciso investir em treinamentos e capacitação relacionados à segurança do trabalho, além de estabelecer internamente, juntamente com a equipe de segurança e RH, programas de ações e políticas de prevenção de acidentes de trabalho e de doenças profissionais, promovendo exames médicos periódicos, dentre outras ações.

A adoção de medidas de proteção de saúde e segurança do trabalho não só reduzem os acidentes de trabalho e promovem um ambiente seguro e saudável, mas também contribuem para evitar a condenação em indenizações vultuosas na Justiça do Trabalho, sendo que um passivo trabalhista contingente não só impacta as empresas no contexto econômico, mas afeta diretamente o valor agregado à empresa no competitivo mercado.

É de suma importância que a empresa invista em medidas preventivas de saúde e segurança do trabalho, mas que também se preocupe em documentar todas as políticas de segurança, posto que é ônus do empregador comprovar por livros, fichas ou sistema eletrônico que forneceu equipamento de proteção devidamente aprovado pelo órgão nacional competente em matéria de segurança e saúde no trabalho, demonstrando ainda, que supervisionou seu uso e que eles eram apropriados e suficientes para neutralizar os agentes que possam ameaçar a segurança e a saúde no trabalho.

Apesar de muitas empresas já entenderem a importância de manter um ambiente de trabalho seguro, ainda há muita negligência quanto ao registro e documentação das iniciativas realizadas. Diversas empresas registram prejuízos expressivos com indenizações advindas de reclamações trabalhistas e ações previdenciárias pelo simples fato de não conseguirem comprovar diante do Judiciário que já implementam as medidas protetivas recomendadas.

Por isso, a empresa deve analisar como evitar problemas mais sérios, levando em consideração as particularidades da sua atuação, adotando medidas relevantes de prevenção de acidentes do trabalho e doenças ocupacionais, mas sem descuidar dos controles internos com a documentação, já que estes são um importante meio de prova para verificação do cumprimento da legislação trabalhista e na redução de riscos iminentes que a irregularidade documental propicia.

A inteligência jurídica nesse acompanhamento e na implementação de medidas protetivas à empresa é fundamental, assegurando que todas as medidas legais estão sendo observadas, a fim de minimizar processos e o indesejado prejuízo advindo do passivo trabalhista.

 

Natália Tenório da Silva é advogada da área Trabalhista do escritório Marcos Martins Advogados.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Jurançon e seus encantadores vinhos brancos

Doces e secos com equilíbrio ímpar dulçor/acidez e envolvente perfil aromático.

Ameaça de demissões expõe crise na Saúde

Piso de menos de 4 SM para enfermagem revela desvalorização.

O que já sabemos sobre o novo SUV Fastback

Modelo será posicionado acima do Pulse

Últimas Notícias

Fiagros têm captação líquida satisfatória até junho

Esses fundos entraram em operação em agosto de 2021

Vendas financiadas de veículos leves e pesados crescem pouco

Em relação a julho de 2021, no entanto, queda é de 18,8%

Índices influenciaram o mercado nesta semana

Ibovespa encerrou nesta sexta-feira com alta de 2,33%

Petrobras informa sobre venda de direitos minerários de potássio

A Petrobras informa que iniciou a etapa de divulgação da oportunidade (teaser), referente à venda de seus direitos minerários para pesquisa e lavra de...

China aposta no controle da inflação este ano

BPC: condições favoráveis para manter os preços geralmente estáveis