Segurança privada

Em 2001, havia no Estado de São Paulo 126 mil vigilantes com carteira de trabalho assinada. O número pulou para 148,8 mil, em dezembro de 2004, crescimento de cerca de 7 mil vagas por ano. O ritmo de aumento deve ser maior este ano, com a obrigação de colocar vigilantes nos caixas eletrônicos – os bancos que não cumprem a determinação estão sendo multados pela Policia Federal, segundo o Sindicato dos Vigilantes de São Paulo.

Hexa
A média de público do Campeonato Brasileiro é de 13 mil pagantes, inferior ao do campeonato nacional dos Estados Unidos, cuja média é de 15 mil por jogo. Em matéria na revista Update, editada pela Câmara Americana de Comércio (Amcham), o advogado especializado em direito esportivo Luiz Felipe Santoro, do escritório Demarest & Almeida, resume a situação: “Na Europa, onde os clubes são os mais lucrativos do mundo, se diz que o futebol viveu três fases: o amadorismo, o profissionalismo e o pós-comercialismo. No Brasil, ainda engatinhamos no profissionalismo.”

Invisível
Quem assistiu pela TV Globo à Alemanha x Costa Rica, que fizeram a abertura da Copa do Mundo, ficou com a sensação de que a segunda entrara em campo com apenas dez jogadores. O goleiro José Porras, da Costa Rica, teve seu nome censurado por Galvão Bueno, que, durante praticamente os 93 minutos que durou a partida, driblou qualquer menção ao jogador. Em apenas três vezes, o locutor não teve como fugir do indizível; em duas, porém, optou por citá-lo pelo nome completo. O drible mais explícito ocorreu quando, após cruzamento na área da Costa Rica, Galvão narrou: “Saiu o goleiro!”
Curiosamente, o sobrenome censurado é citado todo fim de semana, explícita e fartamente, por Fausto Silva no seu Domingão do Faustão, na mesma emissora que, moralista no futebol, exibe tórridas cenas de sexo no horário nobre.

João
Barrado por Galvão Bueno, o goleiro José Porras, se quiser se transferir para um clube brasileiro – cujo campeonato também é transmitido pela Globo – terá de mudar de nome. Que tal João Porras?

Escola
Os bancos são obrigados a indenizar clientes que tenham talão de cheques por funcionários tercerizados no interior do estabelecimento. Por unanimidade, a 16ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Estado do Rio Grande do Sul (TJRS) confirmou decisão de primeira instância que determinara que o Banco do Estado do Rio Grande do Sul (Banrisul) ressarcisse um cliente cujo talão fora furtado por um estagiário do Banrisul. O banco recorrera ao TJRS, alegando que o estudante estava sob responsabilidade e coordenação da Universidade de Passo Fundo e da Fundação para o Desenvolvimento de Recursos Humanos. O tribunal recusou o recurso, argumentando que a instituição é responsável pelos atos dos que atuam em seu nome e estipulou a indenização em R$ 6 mil.

Invernada
O secretário da Agricultura e do Abastecimento do Paraná, Newton Pohl Ribas, vai a Brasília, na próxima terça-feira, cobrar do Ministério da Agricultura que agilize a liberação dos resultados dos exames de febre aftosa coletados no estado. O secretário reclama que, embora as amostras tenham sido enviadas ao ministério, em 28 de março, cerca de dois meses e meio ainda não houve resposta. Ribas vai tentar acelerar a liberação das áreas que o Ministério da Agricultura considerou suspeitas de aftosa para poder retomar as vendas para o exterior.

Balança negativa
Cerca de 3 mil contêineres com cargas de importação com valor estimado em US$ 100 milhões se acumulam nos Portos do Rio de Janeiro e Itaguaí e no Aeroporto Internacional Tom Jobim (Galeão) desde o início da greve dos auditores fiscais da Receita Federal, em 2 de maio, contabiliza a Delegacia do Unafisco Sindical (sindicato da categoria no Rio), que também estima uma queda de até US$ 40 milhões no montante das exportações via Rio de Janeiro. A principal reivindicação da categoria é a implantação de plano de carreira com reajuste salarial, mas até agora não houve avanço nas negociações com o governo Lula.

Lanterna
O volume de crédito na economia brasileira, durante anos estacionado em torno de 20% do produto interno bruto (PIB), já supera 31%. Apesar do crescimento de 50% em poucos anos, é quase nada. No Chile, a relação do crédito em relação ao PIB é de 86%; na Alemanha, chega a 160%; e, na Espanha, a 135%.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anterior“The” Repsol
Próximo artigoGasto contido

Artigos Relacionados

Suíça é ponte para exportações à Rússia

Vendas do País que lava mais branco aos russos cresceram mais de 80% desde fevereiro.

Homens pintam melhor que mulheres?

Não, mas recebem 10 vezes mais por obra.

Rio tem opções de áreas para termelétricas

Estado tem as melhores características na Região Sudeste, diz Wagner Victer.

Últimas Notícias

BNDES: R$ 6,9 bi para construção da linha 6 do metrô de SP

Total previsto de R$ 17 bilhões financiados por um consórcio de 11 bancos

Área de oncologia movimenta R$ 50 bilhões no Brasil

Cerca de 625 mil novos casos de câncer são diagnosticados por ano

Títulos públicos prefixados: maiores rentabilidades de julho

Destaque ficou com os prefixados de vencimentos mais longos, representados pelo IRF-M1+

Economia prepara projeto para abrir fundos de pensão ao mercado

Em jogo, patrimônio de R$ 1 trilhão acumulado pelos fundos fechados de previdência.