Seguro de vida proporciona estabilidade financeira durante crises

Muitos brasileiros ainda estão sofrendo com a crise gerada pela Covid-19, que além da saúde pública, atingiu a economia e, consequentemente, o bolso de cada um. Entretanto, a pandemia criou uma conscientização maior nas pessoas da importância da proteção e do planejamento financeiro.

De acordo com dados da Superintendência de Seguros Privados (Susep) referentes ao desempenho do setor em fevereiro de 2021, o seguro de vida segue como destaque dentre os seguros de pessoas, com crescimento de 11,4%, em comparação ao mesmo período de 2020.

O seguro de vida é um mecanismo de proteção para que as pessoas fiquem menos vulneráveis financeiramente em situações que envolvem diagnósticos de doenças graves e internações hospitalares. Ele garante uma indenização em imprevistos como uma invalidez permanente ocasionada por acidente até uma ausência inesperada de um ente querido.

Na pandemia de Covid-19, produtos como os Seguros de Vida Omint ainda preveem o pagamento de sinistro de morte, funerais e diárias por internação hospitalar que aconteçam em decorrência da Covid-19, mesmo que as coberturas de epidemia e pandemia estejam excluídas das Condições Gerais. E, para as novas vendas, a decisão se aplica aos sinistros que ocorrerem após 90 dias da data da contratação do seguro.

Soluções eficientes para muitas situações: a pandemia trouxe diversos questionamentos em relação aos cuidados com a nossa saúde e estabilidade financeira. Com o “novo normal”, a tendência é que a população busque dar mais atenção aos contratempos e urgências.

Enquanto as reservas financeiras devem ser pensadas e construídas para oportunidades e realização de sonhos, o seguro de vida assume o papel de cuidar de emergências e da proteção de tudo o que já foi conquistado, além de proporcionar coberturas para qualquer momento da vida e, assim, estimular a independência financeira.

O Grupo Omint atua no segmento de viagem desde 2011, sendo parceira da (International Assistance Group (IAG), considerada a mais completa associação de empresas especializadas em assistência em viagem pelo mundo. Posteriormente, com a Omint Seguros, passou a comercializar apólices individuais e coletivas de Seguro Viagem.

Ampliando seu portfólio de soluções no ramo de seguro de pessoas, passou a comercializar também seguros de vida em grupo e individual, reforçando a sua vocação de cuidar e proteger pessoas, famílias e o capital humano das empresas. O Grupo Omint faturou R$ 1,8 bilhão em 2020, resultado de crescimento orgânico e sustentável. Saiba mais em: https://www.omint.com.br/seguro-vida/individual/

Artigos Relacionados

Uso de dados direciona mais recursos para campanhas de prevenção

O British Medical Journal estima que 37 milhões de mortes prematuras, no mundo inteiro, poderiam ser evitadas até 2025, caso fossem tomadas medidas de...

Avaliação do desempenho do seguro no primeiro bimestre

O Brasil usou força máxima no primeiro round da luta contra a Covid-19 no ano passado, e os estímulos governamentais suavizaram a queda do...

Delphos coloca uma mulher na sua presidência

A Delphos, a primeira empresa de serviços criada no país para atender especificamente ao mercado segurador brasileiro, tem uma nova presidente: Elisabete Prado. Admitida...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Conteúdo online voltado para o ensino e para ganhar dinheiro

Cada vez é mais possível aproveitar o conteúdo online para avanços desde a fluência do inglês das crianças a até aprender a operar como trader na bolsa.

Queda de faturamento atinge 82% dos MEI

Em Minas, 60% dos microempreendedores individuais formalizados na pandemia abriram o negócio por oportunidade.

Inflação oficial fica em 0,31% em abril

Grupo com alta relevante no mês foi alimentação e bebidas (0,40%), devido ao comportamento de alguns itens.

Manhã de hoje é negativa em quase todo o mundo

Em Nova Iorque, Dow Jones e S&P futuros cediam 0,10% e 1,04%, respectivamente.

Projeção da Selic é de 5% no final deste ano

Para o ano que vem, analista projeta 6,5%, dado o alerta do Copom sobre o ritmo de normalização após reunião de junho.