Sem confinamento, Suécia chora mortos e vê PIB desabar

Número de mortes é muito superior aos dos vizinhos, e queda do PIB é pior que na França.

A polêmica entre salvar vidas ou sustentar a economia ficou para trás. No Brasil, fica claro que o estrago na economia vem do longo período de fanatismo fiscal, que levou o Brasil a regredir a 2013 e ameaça voltar mais uns cinco anos.

Uma análise inicial no enfrentamento ao coronavírus escolhido pela Suécia dá mais assunto para a discussão. No país nórdico, não foi decretado confinamento. Shoppings, restaurantes, bares, salões de beleza seguem funcionando. Foi proibida aglomeração com mais de 50 pessoas e recomendado que evitem sair de casa. Estima-se que metade dos trabalhadores aderiram, parcial ou integralmente, ao home office.

Do ponto de vista da saúde, no curto prazo, a estratégia – similar à pretendida por Bolsonaro – foi um desastre: até esta quarta-feira, 1.203 mortos por Covid-19. Seus vizinhos Dinamarca e Finlândia, que impuseram rigorosos bloqueios, tiveram apenas 309 e 72, respectivamente. A Suécia acredita que já está chegando ao pico. Só o tempo dirá com certeza qual estratégia foi mais eficaz, mas o que se vê hoje é que o isolamento voluntário foi mais mortal.

Bem, e o resultado na economia? A ministra da Fazenda sueca, Magdalena Andersson, disse que o PIB poderá cair 10% este ano, e o desemprego subir para 13,5%. Para comparar, a França, que adotou o confinamento, espera uma queda de 8% no PIB. Como se vê, nem saúde, nem dinheiro.

 

Recuperação era sonho

O Monitor do PIB-FGV aponta crescimento de 0,2%, na atividade econômica em fevereiro, na comparação com janeiro; 0,2% no trimestre móvel findo em fevereiro, em comparação ao findo em novembro; alta de 0,8% em fevereiro na comparação com 2019; e 1,1% no trimestre móvel findo em fevereiro.

O investimento voltou a cair neste mês, e a taxa de investimentos encontra-se bem abaixo da média da série histórica desde 2000. É inegável que o ano de 2020 será marcado pela forte desaceleração econômica em decorrência da pandemia da Covid-19; no entanto, os resultados até fevereiro mostram que uma retomada mais robusta da economia brasileira seria pouco provável, mesmo em situações normais, dada a fragilidade da composição da demanda com crescimento via consumo que vinha sendo estimulado por medidas pontuais adotadas pelo governo, como a liberação do FGTS”, analisa Claudio Considera, coordenador do Monitor do PIB-FGV.

 

Segurança jurídica

O STF julga nesta quinta-feira a liminar concedida pelo ministro Ricardo Lewandowski sobre a validade de acordos individuais de redução salarial e suspensão contratual. Para o advogado trabalhista Pedro Abreu, da DC Associados, a decisão está bem longe de esgotar o tema ou solucionar dúvidas que podem ser geradas entre os empregadores. Para o jurista, ainda existem questionamentos se as empresas que negociaram a redução salarial ou suspensão dos contratos terão ou não segurança jurídica para seguir em frente.

A Advocacia-Geral da União (AGU) acha que a decisão deixa os acordos válidos mesmo que os sindicatos demonstrem oposição depois da devida comunicação.

A liminar do ministro e posterior esclarecimento feito por ele dão margem a entender que sim, não e muito pelo contrário.

 

Recorde de retomadas de imóveis

O vice-presidente de Habitação da Caixa, Jair Luís Mahl, participou de videoconferência com os membros do Grupo de Empresas Incorporadoras do Secovi-SP, o Sindicato da Habitação. “Se não formos rápidos [ao analisar propostas para manter o mercado ativo e adotar mecanismos de flexibilização para conter a inadimplência], corremos o risco de haver a maior retomada de imóveis da história do país”, disse Mahl.

Ele saiu elogiado pelos empresários, que sugerem que a Caixa sirva de exemplo para os agentes financeiros privados.

 

Multiplicação

Luciano Hang, apoiador-mor de Bolsonaro, aumentou sua riqueza em 70% – em dólar – no 1º ano de governo do aliado. Isso quando a economia cresceu só 1%. O “Véio da Havan” é o 7º brasileiro mais rico e deixou para o governo pagar 70% do salário de metade dos seus funcionários.

 

Rápidas

A Associação dos Advogados (Aasp) liberou acesso gratuito, por 60 dias, aos seus canais digitais. Nesta quinta, às 14h, realiza seminário sobre o Gerenciador de Escritório Aasp. Inscrições em aasp.org.br *** A Nissan anunciou Alejandra Fehrmann como nova diretora de Comunicação da América Latina.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Não, a Petrobras não quebrou

Na época em que os preços dos combustíveis não eram descontrolados, caixa da estatal era superior ao atual.

Hood Robin e o ICMS nos combustíveis

Reduzir impostos tira da sociedade para dar a poderosos.

Governo sabota emprego doméstico

Desconto no Imposto de Renda, que acabou, incentivava a assinatura da carteira.

Últimas Notícias

Medição da produção de petróleo e gás terá novas regras

Baixa vazão deve favorecer ainda mais as petrolíferas

RNI diz que novo plano trouxe melhor resultado em 7 anos

Total de unidades financiada atingiu recorde de R$ 228 milhões

Volume de sedãs cai nos últimos anos

Onix Plus foi o mais vendido em 2021, apesar da crise dos semicondutores.

Sindicatos defendem política pública para tratar dos combustíveis

Melhor alternativa é considerar todas as etapas e beneficiar o consumidor

Redução dos impactos socioeconômicos das mudanças climáticas

Engajamento necessário de todos os atores sociais, especialmente das empresas.