Sem efeitos do coronavírus, contas externas têm rombo de US$ 52,9 bi

No acumulado de 12 meses, é o maior déficit desde 2015.

Conjuntura / 23:45 - 25 de mar de 2020

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

As contas externas registraram saldo negativo de US$ 3,904 bilhões em fevereiro, informou nesta quarta-feira o Banco Central (BC). Em fevereiro do ano passado, o déficit em transações correntes (contas externas), que são as compras e vendas de mercadorias e serviços e transferências de renda do Brasil com outros países, foi menor: US$ 3,334 bilhões. O resultado é o maior para meses de fevereiro desde 2018 (US$ 5,020 bilhões).

Segundo o BC, em fevereiro deste ano, comparado ao mesmo mês de 2019, a elevação de US$ 570 milhões no déficit decorreu da redução de US$ 154 milhões no superávit da balança comercial de bens, de maiores déficits nas contas de serviços (aumento de US$ 239 milhões) e de renda primária (US$ 224 milhões) e da elevação dos ingressos líquidos de renda secundária (US$ 47 milhões).

Nos dois primeiros meses do ano, o déficit em transações correntes chegou a US$ 15,784 bilhões, contra US$ 12,379 bilhões em igual período de 2019. Para esse período, é o maior déficit em transações correntes desde 2015 (US$ 19,415 bilhões).

Em 12 meses encerrados em fevereiro de 2020 o déficit somou US$ 52,9 bilhões (2,91% do PIB), ante US$ 52,3 bilhões (2,86% do PIB), em janeiro último. Esse resultado em 12 meses é o maior desde dezembro de 2015, quando o déficit atingiu US$ 54,5 bilhões.

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor