Sem filas

Com as inscrições para trabalhar como gari no Rio de Janeiro beirando os cerca de 150 mil nomes em apenas uma semana, o prefeito Cesar Maia (PFL) deixou de aproveitar oportunidade ímpar para impor forte desgaste ao governo Lula. Diferentemente de outros anos, neste poupou-se o governo da exibição das extensas filas de desempregados do país, espetáculo de maior visibilidade do principal resultado da festejada política econômica do ministro Antônio Palocci. Com a aceitação das inscrições restrita à Internet ou por telefone, o prefeito poupou Lula, mas também evitou humilhação extra a trabalhadores à procura de emprego. Nesse episódio, Cesar mostrou o espírito público que tem lhe faltado na crise da saúde, quando mal parece disfarçar a sensação de torcer pelo pior.

Mercado fechado
O Citigroup perdeu a chance de crescer no país via aquisições, alfineta o presidente do Bradesco, Márcio Cypriano, em entrevista exclusiva à agência Reuters. Segundo Cypriano, os principais bancos do país são muito rentáveis e, por isso, não estão à venda: “Acho que o Citi perdeu a oportunidade. Ele teve várias oportunidades, através de BCN, através do Mercantil de São Paulo.”
O presidente do maior banco privado brasileiro e também da entidade que representa o setor no país, a Febraban, duvida que qualquer um dos grandes bancos privados brasileiros seja alvo de aquisição. A principal razão, segundo ele, é a dificuldade de se encontrar negócio com maior retorno financeiro do que o oferecido pelo setor bancário: “O sistema dá uma rentabilidade em torno de 20% a 22% sobre o patrimônio, (o mercado) tem um potencial de crescimento muito grande, então eu não acredito na existência de vendedores”, afirmou.

“By pass”
Tito Cardoso de Oliveira é o novo presidente da Empresa de Tecnologia e Informação da Previdência (Dataprev). Ele assume o cargo no lugar de José Jairo Ferreira Cabral, cujo ato de exoneração “a pedido” foi publicado no Diário Oficial da União da última sexta-feira. Cabral estava na presidência da empresa desde o início do governo Lula. Tito Cardoso, antes diretor de Negócios do Dataprev, é ligado ao PMDB do Pará e indicado para a vaga pelo senador Luiz Otávio (PMDB-PA). Teve mais sorte que seu padrinho, cuja indicação para ministro do TCU foi aprovada pelo Senado, mas permanece congelada na Câmara, após o senador ter sido bombardeado por denúncias de envolvimento em operação fraudulenta realizada em 1992 por empresa então administrada por ele.

Fórmula
Artur Grynbaum, vice-presidente de O Boticário, contará a história da companhia, seu modelo de gestão e seu sistema de vendas no primeiro seminário gratuito fruto da parceira entre Ibmec e Instituto Empreender Endeavor. Pós-graduado em Finanças pelo Ibmec, Grynbaum iniciou sua vida profissional como office boy, em 1981, na Samuca Modas, na qual permaneceu até 1986, quando se desligou na posição de assistente financeiro. No ano seguinte, ingressou no Boticário. A palestra será realizada dia 26, às 19h, no Jockey Club do Rio de Janeiro (Av. Presidente Antônio Carlos 501/10º andar). Informações e inscrições pelo telefone (21) 3284-4000, pelo site www.ibmec.br/rj ou pelo contactcenter@ibmecrj.br

Pós do pós
O Programa Avançado em Gestão do Coppead/UFRJ – pós-MBA – vai inaugurar mais um módulo para os profissionais pós-graduados ampliarem suas ferramentas de gestão: a Avaliação de Projetos de Investimento. As aulas começarão na próxima terça-feira. Mais informações pelo telefone (21) 2598-9898 ou pelo site www.coppead.ufrj.br.

Risco país
Os assaltos a condomínios residenciais em São Paulo, que atingiram a assustadora média de três por mês, está tendo, como corolário, o incremento da venda de seguros para aquela modalidade. Apenas em 2004, a BB Seguros/Companhia de Seguros Aliança do Brasil registrou 1.822 sinistros de roubo e furto qualificado em condomínios e vendeu 232.754 apólices do Seguro Ouro Residencial, pela corretora do Banco do Brasil. Um crescimento de 45,3% sobre o ano anterior.

Artigo anteriorFlexibilidade
Próximo artigoSaber
Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

É a saúde (além da economia), estúpido!

Vacinação e estímulos à economia andam juntos; Brasil fica para trás em ambos.

Cortes poupam petroleiras e ‘bolsa refrigerante’

Para liberar auxílio emergencial, governo prejudica setores essenciais.

Inflação e PIB expõem falácia do Teto dos Gastos

‘Faz sentido?’, pergunta Paulo Rabello. ‘Claro que não’.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Lula livre. Até quando?

Jurista: Necessidade de proteger Moro e os procuradores da Lava Jato.

Produtividade na indústria cai com menor produção na pandemia

Para 2021, as perspectivas são melhores, em razão do início da vacinação da população.

Demanda por bens industriais cresceu 0,6% em janeiro

Ipea apontou avanço de 6,6% no trimestre móvel encerrado no primeiro mês de 2021.

Aumenta consumo de pornô por público feminino

Relatório de site de entretenimento adulto revela que 39% do acessos são de mulheres.

Abertura de empresas tem alta de 13,4% em novembro

Segundo Serasa, sociedades limitadas impulsionaram índice; comércio teve alta estimulada por Black Friday e festas de fim de ano.