Sem gueto

Sessenta por cento dos profissionais de turismo cariocas são contrários à construção de muros nas favelas do Rio, revela pesquisa feita pelo site Consultoria em Turismo, do professor Bayard Boiteux. Dos 250 profissionais ouvidos, 55% disseram que vai intensificar a imagem de violência do Rio; 35%, que cria um gueto; e 10% acham que não há como policiar tal entorno. Para 65% dos entrevistados, a favela é um atrativo turístico.

O novo Severino
Candidato ao papel de novo Carlos Lacerda, na definição mordaz do secretário de Relações Internacionais da Presidência da República, Marco Aurélio Garcia, o deputado Fernando Gabeira (PV-RJ) precisa retocar com urgência a maquiagem de paladino da moral e dos bons costumes. Descoberto o fato de que também cedera passagens aéreas da sua cota pessoal para viagens internacionais de parentes e amigos, Gabeira avançou recuando. Agora, promete, encabeçar um movimento para “conciliar Congresso e opinião pública”. Soaria sincero se, quando começaram as denúncias de uso indevido de passagens aéreas, tivesse espontaneamente confessado que incorrera na mesma prática. Arrependimento depois da denúncia ofende a inteligência dos contribuintes.

Preço da despolitização
Em tempo: diferentemente da cessão de passagens para a filha e/ou outros parentes e amigos, a coluna considera que a passagem repassada por Gabeira, para a palestra num debate no Rio, de um correligionário de Santa Catarina pode ser considerada parte do exercício do mandato parlamentar. Ou seja, se Gabeira não vestisse o manto do novo caçador da marajás, não precisaria se explicar por práticas políticas, como político que é. Mas como optou pelo moralismo seletivo e pela despolitização, agora apanha por práticas patrimonialistas e questões ligadas ao exercício da política.

A perder de vista
“Pela primeira vez em sua história, o Detran estabelece uma política de pagamento dos seus débitos, iniciando o processo pelo exercício de 2006, quando o departamento ficou devendo cerca de R$ 59 milhões a fornecedores, prestadores de serviços, concessionárias de serviços, órgãos e entidades públicas.” Assim começa nota do órgão de trânsito do Rio de Janeiro, que continua: “Significa mais um passo do Detran para se transformar de autarquia numa instituição de caráter empresarial.”
Quem já espera dois anos e meio na fila e quiser receber de uma só vez terá que morrer num desconto de 15% a 40%, dependendo do tamanho da dívida. O Detran-RJ chama isso de à vista – o que deve merecer citação no Aurélio, pois será a primeira vez que “à vista” significa 30 meses de prazo. Quem não der o desconto vai receber em 18 vezes – ou 48 meses depois de feita a dívida.

Mãe é mãe
O comércio lojista carioca está otimista com as vendas no Dia das Mães, que depois do Natal é a maior data comemorativa do comércio. A expectativa é de um aumento das vendas 12% maior do que no ano passado, mostra pesquisa do Clube de Diretores Lojistas (CDL-Rio), que ouviu 500 comerciantes. Os lojistas acreditam que calçados (47,6%), vestuário (40,5%) e jóias e bijuterias (33,3%) devem ser os presentes mais vendidos. O preço médio deve ser de cerca de R$ 100 e o parcelamento no cartão de crédito será a forma de pagamento preferida, seguido do cheque pré-datado.

Prazo
O presidente do CDL-Rio, Aldo Gonçalves, destaca que, com a concorrência cada vez mais acirrada, os lojistas estão oferecendo preços bastante competitivos: 61,9% apostam nas facilidades de pagamento, 33,3% na promoção, 33,3% em propaganda, 28,6% na criação de kits promocionais, 19% no lançamento de produtos, 9,5% no desconto do total das compras e 9,5% no sorteio de brindes, entre outras iniciativas.

Cutucando o usuário
Até quando o governador do Rio, Sérgio Cabral (PMDB), vai submeter os usuários da Barcas S/A e do Metrô carioca ao teste de estresse? Nos Estados Unidos, a intenção do governo Obama é saber quantos “bancões” vão sobreviver à estatização. Aqui, Cabral deve estar curioso sobre até onde vai paciência dos usuários dos serviços públicos privatizados.

Artigo anteriorOsmose
Próximo artigoDia da caça
Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

No privatizado Texas, falta luz no inverno e no verão

Apagões servem de alerta para quem insistem em privatizar a Eletrobras.

A rota do ‘Titanic’: ameaça de apagão não é de agora

‘Por incrível que pareça, no Brasil, térmicas caras esvaziam reservatórios!’

TCU confirma que União paga R$ 3,8 bi de juros e amortização por dia

Mais de ¼ dos títulos da dívida pública vencem em 12 meses.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Objetos do Coração ajuda o Pró Criança Cardíaca

E-commerce que vende objetos para casa e decoração exclusivamente em formato ou com estampa de coração vai doar 10% da venda de produtos selecionados...

Empresa Fácil oferece estudo de viabilidade a novos empreendedores  

Sistema permite a emissão do Alvará Provisório em 24h.

Fatores comportamentais podem influenciar nos acidentes de trabalho

Psicóloga e uma assistente social e também técnica de segurança do trabalho criaram o jogo Conversa Segura.

Reclamações sobre serviços de telecom caem 28,4% em maio

O número de reclamações de usuários dos serviços de telecomunicações caiu 28,4% em maio de 2021 na comparação com maio do ano passado, segundo...

EMS explica faturamento com o ‘kit Covid’

farmacêutica brasileira EMS informou à Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Pandemia que faturou R$ 142 milhões com medicamentos do kit Covid-19 em 2020,...