Sem ilusões

O PT e a esquerda não devem se iludir com a posição da justiça. Se o Supremo decidir que Lula não deve ser preso,...

O PT e a esquerda não devem se iludir com a posição da justiça. Se o Supremo decidir que Lula não deve ser preso, o fará para não criar um mártir, mas em seguida o TSE abaterá sua candidatura. Os exemplos da visão, digamos, conservadora do Judiciário não cansam de aparecer. Mais recente, a volta do processo do ex-presidente na Operação Zelotes (aquela que deveria investigar grandes empresas, mas teve as investigações dificultadas, tomando o atalho fácil de perseguir Lula) ao juiz que o tornou réu. Ou a celeridade com que o STF toca a ação contra Paulo Bernardo e Gleisi Hoffman, enquanto dormem nas gavetas dos ministros processos contra políticos de outros partidos que não o PT (a prescrição do crime do qual era acusado o senador Romero Jucá, para ficar em apenas um caso).

Enquanto isso, segue o Governo Temer estancando a sangria, segue para a Itália o ex-diretor-geral da PF Fernando Segovia, o breve, segue a Polícia Federal investigando os governadores e ex-governadores do PT, segue livre o senador Aécio Neves, aquele que pediu R$ 2 milhões a Joesley Batista, e segue nas sombras o operador dos tucanos Paulo Preto, cujos R$ 113 milhões guardados no exterior só foram revelados pela Suíça, apesar dos vários depoimentos de diferentes delatores sobre sua atuação em São Paulo.

 

Impacto no interior

O Brasil às vezes parece ter vergonha de seu interior, que se reflete na cobertura da imprensa, voltada para as metrópoles, especialmente do litoral. A Fecomércio de Minas Gerais apresentou estudo revelando que o Triângulo Mineiro responde por cerca de 11,2% do Produto Interno Bruto (PIB) do estado. A pesquisa aponta que na região predomina o setor de serviços (56,5%), em comparação à participação relativa da indústria (34,7%) e da agropecuária (8,9%).

A maior parte das empresas varejistas do Triângulo (69%) se insere na categoria de microempresas (ME), registrando, em seu quadro, até nove funcionários. Nesse universo, 32,1% têm entre 20 e 50 anos de atuação no mercado, sendo que 81% do varejo pesquisado optam pelo Simples Nacional.

Os efeitos da recessão registrada nos últimos anos também foram avaliados. O economista da Fecomércio MG, Guilherme Almeida, destaca que o cenário econômico instável teve impacto direto no Triângulo Mineiro. “A pesquisa aponta que 79,9% dos estabelecimentos foram afetados pela crise. O principal efeito sentido foi a queda na receita de vendas, algo apontado por 87,1% dos empresários”, ressalta.

A pesquisa revela ainda que 76,5% dos empresários relataram investir na segurança da sua loja. O dado demonstra que a insegurança acomete não apenas os grandes centros urbanos, mas que tende a afetar o funcionamento do comércio de forma direta ou indireta.

Em relação aos entraves do setor, a alta carga tributária é tida como uma das principais barreiras ao comércio: a redução da carga tributária foi apontada por 67,9% das empresas como contribuição positiva dos governos, seguida pelo crédito mais acessível para investimentos (9,2%).

 

Rápidas

A reunião do Conselho Diretor da Associação Comercial do Rio (ACRJ) no próximo dia 15 terá palestra do pré-candidato à Presidência Ciro Gomes, a partir de 11h *** O grupo Air France-KLM anuncia novo diretor comercial para a América do Sul, o holandês Seth van Straten.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Bolsonaro invade TV Brasil

Programação foi interrompida 208 vezes em 1 ano para transmissão ao vivo com o presidente.

FMI: 4 fatores ameaçam inflação

Fundo acredita que preços deem uma trégua no primeiro semestre de 2022, mas...

Pandora Papers: novos atores nos mesmos papéis

Investigação mostra que pouco – ou nada – mudou desde 2016.

Últimas Notícias

Mercados operam mistos no exterior

No Brasil haverá resposta ao Copom.

Elevação na Selic deve repercutir no mercado

EUA: divulgação de PIB do terceiro trimestre e balanços de grandes empresas são o foco das atenções no cenário internacional.

TSE forma maioria contra cassação da chapa Bolsonaro-Mourão

PT, PCdoB e PROS pedem cassação da chapa por cometimento de abuso de poder econômico e uso indevido dos meios de comunicação.

IGP-M acumula inflação de 21,73% em 12 meses

Alta da taxa de setembro para outubro foi puxada pelos preços no atacado.

Mirando agora na PEC dos Precatórios

Ultrapassada a decisão do Copom, investidores vão mirar na avaliação da PEC cheia de 'jabutis' que ainda não foram retirados.