Sem ilusões

O PT e a esquerda não devem se iludir com a posição da justiça. Se o Supremo decidir que Lula não deve ser preso,...

O PT e a esquerda não devem se iludir com a posição da justiça. Se o Supremo decidir que Lula não deve ser preso, o fará para não criar um mártir, mas em seguida o TSE abaterá sua candidatura. Os exemplos da visão, digamos, conservadora do Judiciário não cansam de aparecer. Mais recente, a volta do processo do ex-presidente na Operação Zelotes (aquela que deveria investigar grandes empresas, mas teve as investigações dificultadas, tomando o atalho fácil de perseguir Lula) ao juiz que o tornou réu. Ou a celeridade com que o STF toca a ação contra Paulo Bernardo e Gleisi Hoffman, enquanto dormem nas gavetas dos ministros processos contra políticos de outros partidos que não o PT (a prescrição do crime do qual era acusado o senador Romero Jucá, para ficar em apenas um caso).

Enquanto isso, segue o Governo Temer estancando a sangria, segue para a Itália o ex-diretor-geral da PF Fernando Segovia, o breve, segue a Polícia Federal investigando os governadores e ex-governadores do PT, segue livre o senador Aécio Neves, aquele que pediu R$ 2 milhões a Joesley Batista, e segue nas sombras o operador dos tucanos Paulo Preto, cujos R$ 113 milhões guardados no exterior só foram revelados pela Suíça, apesar dos vários depoimentos de diferentes delatores sobre sua atuação em São Paulo.

 

Impacto no interior

O Brasil às vezes parece ter vergonha de seu interior, que se reflete na cobertura da imprensa, voltada para as metrópoles, especialmente do litoral. A Fecomércio de Minas Gerais apresentou estudo revelando que o Triângulo Mineiro responde por cerca de 11,2% do Produto Interno Bruto (PIB) do estado. A pesquisa aponta que na região predomina o setor de serviços (56,5%), em comparação à participação relativa da indústria (34,7%) e da agropecuária (8,9%).

A maior parte das empresas varejistas do Triângulo (69%) se insere na categoria de microempresas (ME), registrando, em seu quadro, até nove funcionários. Nesse universo, 32,1% têm entre 20 e 50 anos de atuação no mercado, sendo que 81% do varejo pesquisado optam pelo Simples Nacional.

Os efeitos da recessão registrada nos últimos anos também foram avaliados. O economista da Fecomércio MG, Guilherme Almeida, destaca que o cenário econômico instável teve impacto direto no Triângulo Mineiro. “A pesquisa aponta que 79,9% dos estabelecimentos foram afetados pela crise. O principal efeito sentido foi a queda na receita de vendas, algo apontado por 87,1% dos empresários”, ressalta.

A pesquisa revela ainda que 76,5% dos empresários relataram investir na segurança da sua loja. O dado demonstra que a insegurança acomete não apenas os grandes centros urbanos, mas que tende a afetar o funcionamento do comércio de forma direta ou indireta.

Em relação aos entraves do setor, a alta carga tributária é tida como uma das principais barreiras ao comércio: a redução da carga tributária foi apontada por 67,9% das empresas como contribuição positiva dos governos, seguida pelo crédito mais acessível para investimentos (9,2%).

 

Rápidas

A reunião do Conselho Diretor da Associação Comercial do Rio (ACRJ) no próximo dia 15 terá palestra do pré-candidato à Presidência Ciro Gomes, a partir de 11h *** O grupo Air France-KLM anuncia novo diretor comercial para a América do Sul, o holandês Seth van Straten.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Plano B dos bilionários dos EUA

Fuga dos impostos, de Trump e dos bloqueios levam a dupla cidadania.

É a inflação, estúpido

Preços não dão trégua a Bolsonaro em ano de eleição.

Brasil: 3% da população, 6% dos desempregados do mundo

Pode colocar na conta de Bolsonaro–Guedes.

Últimas Notícias

Indústria deve qualificar 9,6 milhões de pessoas até 2025

Segundo a CNI, '79% da necessidade de formação nos próximos quatro anos serão em aperfeiçoamento.'

Gastos com delivery subiram 24% em 2021 ante 2020

Cada brasileiro gastou, em média, R$ 16,21 por refeição fora do lar.

Exportação de sucata ferrosa cresceu 43% em abril

Preços se acomodaram; após pressão forte no mercado em função da guerra e da China, tendência é de normalização no Brasil.

Correspondentes bancários são punidos por irregularidade em consignado

Sidney: 'assédio comercial leva ao superendividamento do consumidor; isso não interessa a ninguém, nem ao consumidor nem aos bancos'.

Inadimplência cresce e atinge 61,94 milhões de brasileiros

Número de inadimplentes no país teve crescimento de 5,59% em comparação a abril de 2021; média das dívidas é de R$ 3.518,84.