Sem isolamento, Brasil lidera mortes no mundo

Ao anunciar nesta quinta-feira as medidas que o governo adotará para o combate à pandemia, o presidente Jair Bolsonaro deu mais uma prova de que será difícil atuação de um comitê de coordenação nacional anunciado na véspera. Voltou a criticar a adoção de lockdown, medida restritiva implementada por diversos países implementarem em função da alta de novos casos.

Ao sempre minimizar gravidade do impacto da Covid-19 no Brasil, no começo da semana, em evento no Palácio do Planalto, disse que o país está “dando certo” e “dando exemplo” em meio à pandemia, e que “parece que, no mundo todo, só no Brasil está morrendo gente”.

Quase verdade. Os dados brasileiros de novas mortes e casos por Covid-19, quando comparados a outros países, porém, mostram que a situação é gravíssima tanto em números relativos como absolutos. O país tem neste momento uma das maiores incidências de novas mortes por dia por milhão de habitantes, número que já considera o tamanho da população de cada país.

Na segunda-feira, essa taxa no Brasil era de 10,9, 60% acima da média da América do Sul e mais que o dobro da registrada na União Europeia. Em termos absolutos, o Brasil é líder disparado em mortes diárias.

Também na segunda-feira, 26% das pessoas que morreram no mundo com Covid-19 estavam no Brasil, ou uma a cada quatro. Foram 2.300 mortes pela média de sete dias no Brasil, mais que o dobro do segundo colocado, os Estados Unidos, com 978 óbitos. Na América Latina, há alta de novos casos e mortes, sendo o Brasil o maior responsável por essa trajetória.

Na América do Norte, há queda na incidência de mortes e casos, puxada pelos Estados Unidos, enquanto na Ásia e na África a incidência de casos e mortes permanece baixa desde meados de fevereiro, com leve alta de casos nos países asiáticos.

Na Índia, com uma população de 1,3 bilhão de pessoas, o número de contaminados chegava a 11,78 milhões, com 11,23 milhões de recuperados e 160.692 mortes. No Brasil com 210 milhões de habitantes tem mais quase 12,5 milhões de casos, 10,75 milhões de recuperados e mais de 300 mil mortes.

Leia mais:

Pacheco quer saída de Araújo

Com 300 mil mortes, ‘a vida em primeiro’

Joice Hasselmann propõe PEC para destituir presidentes por insanidade

Artigos Relacionados

Passou a boiada

Aprovado texto-base do projeto sobre licenciamento ambiental.

MPF vai analisar se Wajngarten mentiu na CPI

O presidente da CPI da Pandemia, senador Omar Aziz (PSD-AM), negou dar voz de prisão a Fábio Wajngarten. ex-secretário de Comunicação do governo, por...

Aprovado projeto que asfixia o direito da minoria em sessões da Câmara

Mudanças começam a valer a partir desta quinta-feira.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Aprovado projeto que asfixia o direito da minoria em sessões da Câmara

Mudanças começam a valer a partir desta quinta-feira.

Confiança da indústria está maior em maio

'Em meio à crise gerada pela pandemia, Estado tem que ser indutor do crescimento econômico', afirma presidente da CNI.

EUA: CPI teve variação acima do esperado

Foi o maior avanço mensal da leitura subjacente desde a década de 80 do século passado.

Latino-americanos viajam aos EUA em busca de imunização

Um anúncio de uma agência de viagens oferece promoções para que mexicanos viajem aos EUA a fim de receber a vacina contra a Covid-19....

Comportamento é misto na Europa nesta manhã

Nesta manhã, Paris opera em queda de 0,10%.