Sem isolamento, Brasil lidera mortes no mundo

410
Enterro de vítima do Coronavírus. Foto: Saulo
Enterro de vítima do Coronavírus. Foto: Saulo

Ao anunciar nesta quinta-feira as medidas que o governo adotará para o combate à pandemia, o presidente Jair Bolsonaro deu mais uma prova de que será difícil atuação de um comitê de coordenação nacional anunciado na véspera. Voltou a criticar a adoção de lockdown, medida restritiva implementada por diversos países implementarem em função da alta de novos casos.

Ao sempre minimizar gravidade do impacto da Covid-19 no Brasil, no começo da semana, em evento no Palácio do Planalto, disse que o país está “dando certo” e “dando exemplo” em meio à pandemia, e que “parece que, no mundo todo, só no Brasil está morrendo gente”.

Quase verdade. Os dados brasileiros de novas mortes e casos por Covid-19, quando comparados a outros países, porém, mostram que a situação é gravíssima tanto em números relativos como absolutos. O país tem neste momento uma das maiores incidências de novas mortes por dia por milhão de habitantes, número que já considera o tamanho da população de cada país.

Na segunda-feira, essa taxa no Brasil era de 10,9, 60% acima da média da América do Sul e mais que o dobro da registrada na União Europeia. Em termos absolutos, o Brasil é líder disparado em mortes diárias.

Espaço Publicitáriocnseg

Também na segunda-feira, 26% das pessoas que morreram no mundo com Covid-19 estavam no Brasil, ou uma a cada quatro. Foram 2.300 mortes pela média de sete dias no Brasil, mais que o dobro do segundo colocado, os Estados Unidos, com 978 óbitos. Na América Latina, há alta de novos casos e mortes, sendo o Brasil o maior responsável por essa trajetória.

Na América do Norte, há queda na incidência de mortes e casos, puxada pelos Estados Unidos, enquanto na Ásia e na África a incidência de casos e mortes permanece baixa desde meados de fevereiro, com leve alta de casos nos países asiáticos.

Na Índia, com uma população de 1,3 bilhão de pessoas, o número de contaminados chegava a 11,78 milhões, com 11,23 milhões de recuperados e 160.692 mortes. No Brasil com 210 milhões de habitantes tem mais quase 12,5 milhões de casos, 10,75 milhões de recuperados e mais de 300 mil mortes.

Leia mais:

Pacheco quer saída de Araújo

Com 300 mil mortes, ‘a vida em primeiro’

Joice Hasselmann propõe PEC para destituir presidentes por insanidade

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui