Sem levantar poeira

Como disse Janio de Freitas em sua coluna, o Governo Temer está se fazendo de morto até conseguir aprovar o impeachment de Dilma Rousseff. Enquanto isso, com vistas a conseguir apoio parlamentar, evita temas desagradáveis, que poderiam respingar nos partidos e nos deputados e senadores candidatos nas eleições municipais. Se obtido o afastamento definitivo da presidente, entrariam em pauta os temas antipopulares de interesse dos avalistas de Michel Temer, sem necessidade de passar pelo teste das urnas (aliás, o governo “socialista” da França acabou de fazer o mesmo).

Mas não é só o governo interino que anda na muda. A Operação Lava Jato também tem andado sumida da mídia. Talvez seja coincidência; talvez porque estejam escasseando os integrantes do PT que podem ser acusados. O fato é que a ampliação das prisões para outros partidos foi tímida, apesar de robustas provas contra integrantes do PMDB, PSDB e legendas menores. Também parece apagada a investigação na Eletrobras, que atingiria certamente os peemedebistas do Nordeste e tucanos de Minas. Mas, na área elétrica, o foco parece ser o programa nuclear brasileiro, atingindo também a construção dos submarinos.

Mera coincidência, mas a Lava Jato – ou a divulgação dela – atende bem a uma agenda de interesses não nacionais.

Avanço no mar

O Porto Itapoá conseguiu o maior crescimento entre os terminais brasileiros de grande porte de 2014 para 2015, de acordo com levantamento feito pela Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (Cepal). Com 7,7% de avanço no movimento de carga, o terminal catarinense superou todos os principais terminais de contêineres (acima de 100 mil TEUs/ano) do país, movimentando um total de 501.523TEUs, contra 465.665 TEUs do ano anterior, o que o coloca na 26ª colocação na América Latina. TEUs é a medida padrão para contêineres de 20 pés.

Em segundo lugar em termos de aumento de movimentação de carga está Rio Grande (RS), com variação de 7,1%, seguido de Paranaguá (PR), com aumento de 3,3%, e o Porto de Santos (2,1%). Entre os maiores terminais de contêineres brasileiros, Portonave apresentou o pior resultado, com queda de 2,1% na movimentação. Santos ainda ocupa a liderança em números absolutos na América Latina, com 3.645.448 TEUs.

Para a direção do Porto Itapoá, o resultado positivo reflete a preocupação do terminal com a eficiência operacional e com a busca de soluções logísticas para os seus clientes. O bom desempenho, a despeito da crise pela qual passa o país, comprova também que o Terminal, em pouco mais de cinco anos de operação, consolidou a sua vocação entre os mais importantes portos de cargas conteinerizadas do Brasil.

O Porto Itapoá tem como acionistas a Aliança Navegação, a Logz Logística Brasil S/A e o Grupo Batistella.

Recorde

O Porto de Paranaguá bateu o quinto recorde em movimentação de cargas de 2016 ao registrar o maior volume de produtos já carregados no período de seis meses.

Recuo

O Porto do Rio de Janeiro não vai bem. Na América Latina, em 2015, ocupou o 37º lugar em movimentação de contêineres, com queda de 28% em relação a 2014. O porto sofre com problemas de acesso, tanto por mar, para atracação dos navios, como por terra, devido às obras na região portuária e na Avenida Brasil.

Conserto

A venda de aparelhos celulares novos caiu 13,4% no ano. Ruim para os fabricantes, bom para o setor de reparos, que registrou um aumento de 28% nos consertos de eletrônicos em geral em relação a 2015. A Conserta Smart, rede de assistência técnica de smartphones, praticamente multiplicou por seis o número de reparos no primeiro semestre. Para Felipe Marchese, CEO da Conserta Smart, pesaram fatores como a alta de impostos e as dificuldades na economia no Brasil, deixando como melhor opção continuar com o “velho” aparelho.

Ricaços chineses

A Sergio Castro Imóveis participa, de 22 a 25 de setembro, em Cantão, China, da 13ª Feira LPS de imóveis de luxo. Serão 110 expositores do mundo inteiro oferecendo imóveis de luxo – de palácios a hotéis – para 6 mil investidores do sul da Ásia.

Única empresa brasileira presente, a Sergio Castro vai apresentar opções no Rio e São Paulo. “Levaremos imóveis de R$ 12 milhões a R$ 400 milhões”, diz Claudio Castro, diretor comercial da empresa. Entre as propriedades estão o edifício Serrador e o Largo do Boticário.

Rápidas

O homem-forte das privatizações do governo interino, Moreira Franco, visita a Associação Comercial do Rio de Janeiro (ACRio) nesta sexta. Ele vai participar do Almoço do Empresário e apresentar a palestra “Protagonismo do Empresariado na Reconstrução do Brasil” *** O Caxias Shopping (RJ) realiza a segunda edição do “Arraiá Caxias Shopping” nos dias 29, 30 e 31. Haverá show com o cantor João Gabriel, no sábado *** A Editora FGV lança dia 28 o livro Crônicas de uma crise anunciada: a falência da economia brasileira documentada mês a mês, dos economistas Pedro Cavalcanti e Renato Fragelli. O evento acontece na Livraria da Travessa do Shopping Leblon, a partir das 19h.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorA preferência por Temer
Próximo artigoSoltar as amarras

Artigos Relacionados

Qual a parcela de culpa da Ericsson no terrorismo?

Multi sueca é processada por pagar propina no Iraque que teria chegado ao Estado Islâmico.

BC eleva juros, mas inflação segue disseminada

Remédio errado a partir de diagnóstico equivocado.

Ainda é a economia

Redução dos preços coloca algum combustível na campanha de Bolsonaro.

Últimas Notícias

Burocracia bancária faz sete em cada 10 brasileiros perderem dinheiro

Já Pix alcança o segundo lugar no ranking de meios de pagamento aceitos pelo comércio eletrônico.

‘Americano’?

Por Eduardo Marinho.

Jô Soares, eterno em nossos corações e mentes

Por Paulo Alonso.

Microcrédito para taxistas será votado na terça

Projeto de André Ceciliano abre linha de até R$ 80 mil para renovar frota.

Safra de grãos deve ser de 271,4 milhões de t em 2021/22

Levantamento é da Conab; já queda nas safras leva à retração da Região Sul no primeiro trimestre.