Sem queimar etapas

“A experiência histórica confirma que as economias de países como a Austrália, o Canadá e de alguns dos escandinavos, que utilizaram mais amplamente as exportações de produtos primários para atingir altos níveis de renda, passaram todas por períodos de forte desenvolvimento e diversificação da indústria como componentes essenciais de sua estratégia de crescimento”, ensina o ex-ministro e ex-secretário da Unctad Rubens Ricupero ao analisar a ameaça de desindustrialização no Brasil: “Mesmo as cidades-Estados do nosso tempo – Hong Kong e Cingapura – hoje predominantemente economias de serviços, recorreram no início e por longo tempo, à industrialização a fim de superar a estreiteza do mercado nacional e para deslanchar o processo de desenvolvimento”, explica.

Desnacionalização
A América Latina parece caminhar longe dessa trilha, privilegiando exportações de produtos primários sem uma estratégia de desenvolvimento industrial. E o efeito é devastador. “Durante a fase de ajustamento pós-crise da dívida, estima-se que cerca de 7 mil firmas chilenas desapareceram, a maioria de porte médio. Na Argentina, esse número chegou a l5 mil. Muitas foram substituídas por grandes empresas estrangeiras cujos setores de engenharia e de pesquisa e desenvolvimento se encontravam no país de origem. Algo similar ocorreu no Brasil com a aquisição por firmas estrangeiras de boa parte do setor de autopeças (Cofap, Metal Leve) e do setor eletrônico e de equipamento de telecomunicações sediado em Campinas”, lamenta Ricupero.

De 120 a zero
Na maioria dos casos na América Latina, o setor de pesquisa de empresas nacionais foi radicalmente reduzido ou teve sua natureza alterada, passando a ocupar-se apenas da adaptação da tecnologia da matriz a condições locais, o que se chama no jargão de “tropicalização” da tecnologia. “Engenheiros de pesquisa foram reciclados em gerentes de vendas”, afirma Ricupero, que refuta a tese da “destruição criativa”.
“Um estudo de Cimoli e Katz observa que, em 1974, o lançamento do Taurus pela Ford Argentina demandou 300 mil horas de trabalho por uma equipe de 120 engenheiros. Ao passo que hoje, para produzir o world car, a Ford não emprega nenhum engenheiro na Argentina. O que houve, portanto, foi que a parte de “destruição” ocorreu na Argentina, enquanto a parte mais interessante, a da “criação”, foi transferida para o país exportador ou sede da empresa transnacional”, finaliza o ex-ministro.

Rolha
Informa o Clarín que a Argentina ultrapassou o Chile na exportação de vinhos para os EUA. Agora ocupa o quarto lugar, atrás da Itália, da França e da Austrália. Ano passado, as exportações de vinhos argentinos para os EUA alcançaram US$ 222 milhões, contra US$ 210 milhões do Chile. Essa tendência começou em 2005. Desde então, as vendas argentinas triplicaram, enquanto, no mesmo período, as vendas do Chile cresceram 17%. As exportações argentinas para todo o mundo alcançaram US$ 860 milhões.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorCartão de visitas
Próximo artigoBomba armada

Artigos Relacionados

Bolsonaro invade TV Brasil

Programação foi interrompida 208 vezes em 1 ano para transmissão ao vivo com o presidente.

FMI: 4 fatores ameaçam inflação

Fundo acredita que preços deem uma trégua no primeiro semestre de 2022, mas...

Pandora Papers: novos atores nos mesmos papéis

Investigação mostra que pouco – ou nada – mudou desde 2016.

Últimas Notícias

Seven Tech: Mais de 2,5 milhões de cartões de crédito até 2023

Com operações em seis países e presença em três continentes (Europa, África e América Latina), o Seven Tech Group, que nasceu como Software house...

Indústria de fundos está pronta para investimentos sustentáveis

É hora de a própria indústria de fundos, por meio de iniciativas de autorregulação, preencher o gap regulatório que ainda existe em torno dos...

Índice da B3: Empresas com melhores práticas no mercado de trabalho

A B3, bolsa do Brasil, e a consultoria global, Great Place to Work, anunciaram nesta terça-feira a criação de um novo índice com foco...

Comissão debate venda da Oi Móvel para outras operadoras

A Comissão de Fiscalização Financeira e Controle da Câmara dos Deputados promove audiência pública nesta quinta-feira (21) para tratar da venda da Oi Móvel...

CVM: Acordo de R$ 300 mil após autodenúncia de infração

O Colegiado da Comissão de Valores Mobiliários (CVM) analisou, em reunião nesta terça-feira, propostas de Termo de Compromisso dos seguintes Processos Administrativos (PA)...