Sem álibi

“O Brasil quer mudar. Mudar para crescer, incluir, pacificar. Mudar para conquistar o desenvolvimento econômico que hoje não temos e a justiça social que tanto almejamos. Há em nosso país uma poderosa vontade popular de encerrar o atual ciclo econômico e político. Se em algum momento, ao longo dos anos 90, o atual modelo conseguiu despertar esperanças de progresso econômico e social, hoje a decepção com os seus resultados é enorme. Oito anos depois, o povo brasileiro faz o balanço e verifica que as promessas fundamentais foram descumpridas e as esperanças frustadas.”
O texto acima é o início da “Carta aos brasileiros”, assinada pelo candidato Lula, em junho de 2002. Por sua atualidade, demonstra que as promessas feitas não foram cumpridas. Por sua leitura, menos superficial, conclui-se ser argumento frágil apresentá-la como álibi para adesão do governo petista à herança maldita tucana.

Não avisou
Apontado como trecho confirmatório da adesão prévia de Lula às propostas neoliberais – uma espécie de “eu avisei antes” – a parte do documento em que o candidato promete respeitar os contratos, além de genérica, não é articulada com ameaças de impor sacrifícios ao setor produtivo, como o aumento do superávit primário (economia para pagar juros) para garantir a continuidade da farra do sistema financeiro: “Premissa dessa transição será naturalmente o respeito aos contratos e obrigações do país. As recentes turbulências do mercado financeiro devem ser compreendidas nesse contexto de fragilidade do atual modelo e de clamor popular pela sua superação”, limita-se a afirmar o manifesto.

Modelo insustentável
Na “Carta aos brasileiros”, Lula, porém, não se limitava a prometer que cumpriria contratos. Ele atribuía a instabilidade no mercado financeiro, não apenas à ação dos especuladores, como, principalmente, à fragilidade inerente ao modelo tucano. Portanto, longe de servir de álibi para aprofundar a política econômica tucano, o documento servia de alerta sobre a urgência de mudá-lo: “À parte manobras puramente especulativas, que sem dúvida existem, o que há é uma forte preocupação do mercado financeiro com o mau desempenho da economia e com sua fragilidade atual, gerando temores relativos à capacidade de o país administrar sua dívida interna e externa. É o enorme endividamento público acumulado no governo Fernando Henrique Cardoso que preocupa os investidores.”

DNA
A presidente da Mac Laren Oil, Gisela Mac Laren, fez questão de agradecer ao Governo do Rio pelo apoio que tem dado ao setor, especialmente o secretário de Energia e Indústria Naval, Wagner Victer. Para Gisela, Victer possui um conhecimento profundo das necessidades do segmento e trabalha na defesa dos interesses do setor. “Tenho plena consciência que a atividade da indústria naval no país não estaria vivendo o momento que vive hoje sem a iniciativa do secretário. A partir do momento em que Victer assumiu a secretaria, fez com que o país reconhecesse a importância do setor”, concluiu.

Tratamento
O estaleiro Mauá-Jurong assinou contrato com a concessionária Águas de Niterói para a construção de uma rede de coleta de esgoto que irá ligar as instalações do estaleiro até a estação de tratamento de esgoto de Toque-Toque, no Centro de Niterói. O valor do contrato gira em torno de R$ 1 milhão. A rede entrará em funcionamento dentro de 120 dias. O Mauá-Jurong é o primeiro estaleiro no Rio a ter essa iniciativa.

Múltiplo
Valmir Fernandes, presidente da rede Cinemark Brasil, teve o desafio de introduzir no mercado nacional o conceito de multiplex. A rede, líder de mercado, recebe cerca de 30 milhões de clientes por ano em suas mais de 300 salas de cinema, espalhadas pelo país. Na palestra “Reinventando a roda: como inovar em mercados tradicionais”, Fernandes pretende mostrar como inseriu no Brasil o conceito de salas de exibição de cinema em multiplex. A palestra será dia 29, às 19h, na Firjan (Av. Graça Aranha, 1 / 2º andar – Centro) Informações e inscrições: (21) 3284-4000.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorContramão
Próximo artigoRumo ao sol

Artigos Relacionados

Falta de servidores traz prejuízo, inclusive financeiro

Fila de segurados no INSS vai engrossar precatórios em R$ 11 bilhões.

Desmonte do Estado se dá pelas beiradas

Miçangas e espelhos empurram reformas administrativas nos municípios.

O que vale pros precatórios vale pra dívida interna?

Se calotes são defensáveis, poderiam ser estendidos para os títulos públicos.

Últimas Notícias

Distribuição comercial: quais cláusulas e condições mais importantes?

Por Marina Rossit Timm e Letícia Fontes Lage.

Mercado corre do risco em momento de estresse

Se tem uma coisa que o mercado é previsível é com relação ao seu comportamento em momentos de estresse é aversão ao risco. “Nessa...

Petrobras: mais prazo de inscrição no novo Marco Legal das Startups

Interessados em participar do primeiro edital da Petrobras baseado no novo Marco Legal das Startups (MSL) poderão inscrever-se até o dia 12 de dezembro....

Canal oficial para investidor pessoa física na B3

A partir desta sexta-feira, a nova área logada do investidor da B3, lançada em junho, passa a ser o canal que centraliza todas as...

Fitch Ratings atualiza metodologia de Rating de Seguros

A Fitch Ratings, agência de classificação de risco, publicou nesta sexta-feira relatório de atualização de sua Metodologia de Rating de Seguros. Segundo a agência,...