Sem zika e com mergulho

A Rio 2016 encerra sua primeira semana com a triste morte de um policial, vítima de uma realidade a que os cariocas estão submetidos: áreas em que os traficantes são a autoridade. Também não faltou uma bala perdida, mais um caso recorrente na cidade. Finalmente, uma mostra do trânsito selvagem da cidade, que deixou em estado grave um membro da equipe técnica da canoagem da Alemanha, medalhista em Atenas 2004. Nas áreas de competição, porém, porém, tudo correu razoavelmente bem, ainda que com alguma desorganização, principalmente nos transportes. Nada mais sério que as piscinas esverdeadas no salto e polo aquático.

O quadro de medalhas vai refletindo a posição de países que investem no binômio esporte–educação, sem esquecer os milhões investidos por patrocinadores, tudo beneficiando os países mais ricos. A distribuição das medalhas não foge do sistema: fartura em alguns esportes, como natação, onde um superatleta como Phelps pode ganhar até oito medalhas de ouro, enquanto esportes coletivos distribuem uma única medalha após dias de competição.

O Brasil segue com campanha medíocre. Se é precipitado dizer que poucas são as chances de mudança, é certo que os milhões que irrigaram o esporte nos últimos anos – tanto do Estado quanto de patrocinadores privados – beneficiaram mais as federações e os dirigentes do que os atletas.

De resto, a certeza de que – como disse à coluna um jornalista chinês, comentando sobre a Baía de Guanabara – qualquer coisa que aconteça fora do eixo EUA–Europa é tratado como um absurdo, enquanto falhas nos países dos irmãos do Norte são sempre minimizadas. Sem um caso de zika registrado, a Rio 2016 pode comemorar a eliminação da seleção norte-americana de futebol feminino – da qual faz parte a goleira Hope Solo, que ironizou a doença no Brasil – e o mergulho de atletas holandesas e alemãs nas “perigosas” águas da Lagoa Rodrigo de Freitas.

Retomada do crescimento

As seis centrais sindicais brasileiras unem forças para o Dia Nacional de Luta Em Defesa do Emprego e dos Direitos Trabalhistas, na próxima terça-feira. Em São Paulo o ato será realizado em frente à Fiesp, “entidade patronal, símbolo da precarização dos direitos do trabalhador e associada à CNI, que defende jornada semanal de trabalho de 80 horas”, afirmam as entidades.

As centrais são contra a idade mínima para as aposentadorias e reivindicam garantia dos direitos trabalhistas; redução da taxa de juros; ações contra o desemprego; medidas para promover o crescimento econômico; retomada do investimento público e privado em infraestrutura; e retomada e ampliação dos investimentos no setor de energia, como petróleo, gás e fontes alternativas renováveis, em especial a Petrobras e o pré-sal.

Rápidas

O advogado da Fiesp Fábio Jordy, especialista em direito tributário, estará na próxima terça-feira no Ciesp de Cotia (Rua do Amor Perfeito, 200 – Jardim Colibri), para fazer palestra sobre as mudanças nas regras para a cobrança do ICMS em vendas interestaduais, em vigor desde janeiro de 2016. Mais informações: (11) 4612-9722 *** A Associação dos Advogados de São Paulo (Aasp) receberá nesta segunda, às 19h, o secretário adjunto da Receita Federal, Paulo Ricardo de Souza Cardoso, e o procurador da República Rodrigo de Grandis para um debate sobre como a lei de repatriação de bens no exterior pode contribuir para solucionar questões como evasão de divisas e lavagem de dinheiro. Será na sede da Aasp (Rua Álvares Penteado, 151 – Centro) *** O Conselho Federal de Contabilidade (CFC) realiza em Brasília, na próxima quinta-feira, Seminário sobre Organizações da Sociedade Civil, que discutirá as alterações trazidas pela Lei 13.019/14Mais informações: cfc.org.br/evento *** Também na próxima quinta, a partir das 19h, a advogada Andréa Giugliani, em parceria com a Instituto de Tecnologia de São Caetano do Sul, fala sobre “Internacionalização de empresas”. Detalhes em www.giugliani.com.br *** Como parte da programação cultural das Olimpíadas, o Museu Casa do Pontal inaugura na próxima terça-feira uma exposição de arte popular brasileira. A mostra ficará aberta até 30 de outubro no Museu Histórico Nacional (Praça Marechal Âncora, s/n, entre o Aeroporto Santos Dumont e a Praça XV) *** Representantes da área de turismo dos governos da Nova Zelândia, Áustria e México e especialistas em desenvolvimento de marcas para cidades e países estarão reunidos na conferência de Turismo & City Branding da Casa Rio, dia 16, no Espaço Rio, no Boulevard Olímpico *** Cinquenta grandes atletas e suas histórias estão no livro Jogos Cariocas – A construção de um sonho, do jornalista Luiz Humberto Monteiro Pereira, já disponível no formato eletrônico (http://hotmart.net.br/show.html?a=U4688274I) e agora impresso, através do Clube de Autores (www.clubedeautores.com.br/book/214883—Jogos_Cariocas).

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorTransfusão para rentistas
Próximo artigoDevora-me…

Artigos Relacionados

Brics+ será gigante em alimentos e energia

Bloco ampliado desafia EUA rumo a nova ordem mundial.

Para combater Putin, adeus livre mercado

Teto para preço do petróleo é nova sanção desesperada do G7.

Inflação engorda lucros de bilionários de energia e alimentos

Fortunas dos ricaços desses 2 setores aumentaram US$ 1 bilhão a cada 2 dias desde 2020.

Últimas Notícias

Setor de energia é um dos alvos preferidos de hackers

Mais de 60% de todos os ataques foram de phishing; organizações criminosas de hackers são ameaça às infraestruturas críticas do Brasil.

Países árabes planejam expansão de energia limpa

Omã, Marrocos, Argélia e Kuwait estão entre os que têm planos mais ambiciosos.

‘Governo não apenas poderia, como deveria intervir na Petrobras’

Para especialista, Governo Federal deveria estar mais atuante para combater os preços abusivos dos combustíveis em toda a cadeia.

Exterior cauteloso pode prejudicar negócios locais

Índices futuros acionários em Nova Iorque operam em queda significante: temores relacionados a uma possível recessão nos EUA.

Marrocos quer se desenvolver como polo de tecnologia

Setor digital emprega 120 mil pessoas no país; país tem investido em acordos e memorandos para aumentar investimento na área.