Semana promete com agenda econômica importante lá fora

No Brasil, os destaques ficam com a percepção de que as rachaduras no Teto de Gastos são irrecuperáveis.

A semana começa com feriado lá fora (mercados fechados em Nova Iorque), mas promete com agenda econômica importante. Ata da última reunião do Fed (na quarta-feira passada) e dados do mercado de trabalho nos EUA (na última sexta), além do IPCA de junho por aqui.

A volatilidade dos mercados segue alta, oscilando, grosso modo, entre duas grandes narrativas: o desafio desinflacionário é grande o suficiente para esperarmos uma recessão iniciada pelo BC norte-americano versus a esperança de que sinais de recessão despertarão o velho Fed, que aliviaria o aperto nas condições financeiras.

Primeiramente, vale dizer que as duas leituras conseguem conviver, mas em tempos diferentes: hoje, o desafio concreto está na ponta inflacionária; em um segundo momento, talvez em meados de 2023, o desafio caminhará em direção à recessão.

Qual deve ser a postura dos BCs a partir daqui, especialmente o Fed? Na nossa leitura, deverá seguir justamente o timing dessas duas narrativas; seguirá apertando os juros, com viés hawkish (inclinado a mais juros), monitorando em segundo plano a atividade. Nós entendemos que uma preocupação prévia com a possibilidade de recessão é precipitada.

De qualquer forma, nos parece razoável o movimento das curvas de juros futuros observado recentemente em diferentes regiões: elevação dos vencimentos mais curtos vis-à-vis os médios/longos, em linha com o conflito inflação X recessão.

Os dados da semana passada vão nesse sentido; entre outros, vimos a inflação da Área do Euro atingir novo pico recente, ficando acima das expectativas e, ao mesmo tempo, vimos o nowcast do Fed de Atlanta sugerir um novo PIB negativo nos EUA no segundo trimestre deste ano.

No Brasil, os destaques ficam com a percepção (renovada) de que as rachaduras no Teto de Gastos são irrecuperáveis e as notícias de que o teto sobre o ICMS ganhou aderência de 18 estados e o Distrito Federal.

O presidente da Câmara, Arthur Lira, assinou despacho que apensa a PEC 1 (PEC dos benefícios, extra-Teto), à PEC dos biocombustíveis para usufruir do status de tramitação avançada na casa. Do lado “positivo” seu relator estaria ao menos estudando a possibilidade de retirar do texto o “estado de emergência”. Mesmo assim, somado à vasta votação favorável no Senado, vemos que o teto carece de defesas no Parlamento, incluindo a defesa de ser parte da Constituição.

Vale destacar que, segundo “O Globo”, os ministros do STF veem PEC como uma “afronta às leis”, mas dados os 71 x 1 no Senado e o apoio da oposição, as medidas ganham amparo. Outro argumento é que, por ser emenda constitucional, estaria acima da legislação eleitoral, uma lei ordinária.

Por fim, a principal implicação de curto prazo da forte aderência dos estados à redução do ICMS deverá ser uma deflação expressiva do IPCA já em julho. A princípio, trabalhávamos com uma defasagem maior até o seu aparecimento nos preços, com deflação apenas em agosto. Mas, hoje, com todas as incertezas inerentes ao processo, vemos a chance de uma queda de 0,5% – 1,0% nesse mês.

.

Marco Caruso, economista-chefe

Eduardo Vilarim, economista

Banco Original

Leia também:

Feriado nos EUA deve reduzir liquidez global nesta segunda-feira

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Ações do setor de saúde puxam Ibovespa

Destaque também para Petrobras, que celebrou novo aditivo ao contrato de compra de gás natural com a YPFB

Mais de 33 milhões de pessoas passam fome no Brasil

B3: Pacto pelos 15% com Fome, da Ação da Cidadania

Resgates em fundos de investimento superam aportes em julho

Saída de classes mais arriscada deve permanecer por mais um tempo após nova alta da Selic.

Últimas Notícias

Armazém Cultural: Câmara debate veto do prefeito do Rio

.Comissão de Justiça e Redação recomenda rejeição ao veto

Plataformas da Bacia de Campos tem hotéis flutuantes

Petrobras estuda investir US$ 220 milhões até 2023

Ações do setor de saúde puxam Ibovespa

Destaque também para Petrobras, que celebrou novo aditivo ao contrato de compra de gás natural com a YPFB

Governo de MG conclui leilão de 627,4 km de rodovias

Investimentos de R$ 3,2 bi, sendo R$ 1,4 bi nos oito primeiros anos da concessão

Bancos chineses: mais empréstimos para empresas privadas

No final de junho aumento de 11,4% em relação ao ano anterior