Senado pode convocar general para explicar ameaça ao Congresso

Disse que estaria chantageando o governo para liberar emendas do Orçamento da União.

Política / 22:21 - 20 de fev de 2020

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

O presidente do Senado, Davi Alcolumbre, disse que na sessão do dia 3 de março vai colocar em votação o requerimento de convocação do general Augusto Heleno, ministro do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), para explicar sua declaração de que o Congresso Nacional estaria chantageando o governo para liberação de emendas do Orçamento da União.

O general disse que o governo não deveria “ceder às chantagens” do Congresso em relação à derrubada dos vetos do presidente Jair Bolsonaro ao orçamento impositivo. “Nós não podemos aceitar esses caras chantagearem a gente o tempo todo. Fo..-se”, disse.

A declaração feita pelo general Heleno, nesta quarta-feira, provocou ampla reação dos parlamentares, da sociedade e da mídia pelo tom de ameaça contra o Congresso Nacional.

Por meio de nota, Alcolumbre afirmou que “nenhum ataque à democracia será tolerado pelo Parlamento”. “O momento, mais do que nunca, é de defesa da democracia, independência e harmonia dos Poderes para trabalhar pelo país. O Congresso Nacional seguirá cumprindo com as suas obrigações”, disse.

 

Requerimento

 

O requerimento de convocação foi apresentado pelo líder do PT no Senado, Rogério Carvalho (SE), quer que o general explique ao plenário “que tipo de chantagem, e quem está chantageando o governo”. Ele argumenta que “em uma democracia é papel do Congresso tensionar sobre como o governo vai aplicar os recursos”. “Se isso é chantagem, nós estamos entrando em período muito crítico da nossa democracia”, afirmou o senador.

A representação do povo não é chantagem”, destacou o líder do PT, reafirmando o papel do Congresso Nacional na defesa dos interesses do povo. Para o líder do PT, a população precisa saber “que história é essa de chantagem, ou se a declaração representa um desejo de fechar o Congresso do general Heleno”.

 

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor