Senado sitiado, democracia comprometida

O senador Roberto Requião começou cruzada para transformar o Senado em uma casa realmente democrática e independente. “É incoerente e perigoso que um político que pede exoneração de um ministério para não comprometer o Governo Temer, em razão de acusações de envolvimento em corrupção, se candidate à presidência do Senado. Essa função exige um grau de responsabilidade e de probidade, no mínimo, tão grande quanto a de ministro. Essa candidatura passaria a mensagem de que as responsabilidades do Senado não merecem o mesmo zelo dispensado a um ministério do Governo Temer”, critica.

O Senado ficará na mão da imprensa e da justiça, se seu presidente for uma pessoa que pode ser delatada na Lava Jato ou acusada de casos de corrupção. Como já aconteceu recentemente, a democracia ficará comprometida, se o Senado perder sua independência em relação ao STF, que está cada vez mais ideológico, e, principalmente, em relação à imprensa, cujos métodos e interesses não é necessário explicar”, sentencia o senador.

Quanto à participação democrática na Casa, Requião afirma que “há diversos instrumentos hoje que impedem que exista uma verdadeira democracia no Senado. Hoje, um grupo de poucos senadores controlam as votações e acabam decidindo muitas matérias sem que a maioria tenha um efetivo direito de conhecer os projetos com profundidade e se posicionar.” Requião lista alguns dos instrumentos antidemocráticos que excluem a maioria dos senadores da centralidade do processo decisório no Senado: a criação de comissões extraordinárias, especialmente terminativas, para que um pequeno grupo possa tomar sozinho decisões; a votação por liderança; a escolha dos relatores das matérias exclusivamente na mão dos presidentes das comissões.

Para mudar esta situação, o senador propõe que as votações sejam sempre nominais e eletrônicas. Defende que o presidente das comissões não devem escolher os relatores das matérias. “As escolhas devem ser feitas como no Judiciário, por sorteio.” Requião quer também o fim das listas de adesão para escolha de lideranças e que a bancada é que deve decidir suas posições, e não os líderes decidirem por elas.

Menos não é mais

A significativa redução de tripulantes em navios brasileiros, em especial na Transpetro e no segmento offshore (apoio à atividade de prospecção e exploração em alto-mar), preocupa os trabalhadores, que denunciaram o fato à Marinha.

O presidente da Confederação Nacional dos Trabalhadores em Transportes Aquaviários (Conttmaf), Severino de Almeida Filho, adverte que “os armadores têm ciência de que o número mínimo de tripulantes não basta para operar e conduzir as embarcações com o mínimo de segurança, máxime as embarcações mais antigas”.

Esta redução de pessoal, salienta a entidade, em ofícios encaminhados à Diretoria de Portos e Costa (DPC) da Marinha, vem ocorrendo sem que nenhuma nova tecnologia ou processo tenha sido adotado ou incorporado, “o que coloca em risco a segurança das tripulações, dos navios e da própria navegação”.

A Confederação pede uma aferição, com sua participação, dos chamados Cartões de Tripulação e Segurança (CTS), documento expedido pela DPC determinando o número de tripulantes que um navio deve ter. Sugere que a Marinha adote um mecanismo de consulta tripartite para a análise e revisão dos CTS, no qual a entidade sindical e os armadores possam apresentar justificativas antes de qualquer decisão que estabeleça ou reduza número de tripulantes a bordo.

Parem as máquinas

Os jornalistas e radialistas em greve da Rádio Tupi farão uma manifestação nesta quinta-feira, às 10h, em frente ao Ministério Público do Trabalho (MPT), no Centro do Rio, para reivindicar a abertura de mediação entre a direção da empresa e os trabalhadores e cobrar agilidade da Procuradoria do Trabalho nas ações que já estão em andamento contra a emissora.

Os funcionários da Rádio Tupi enfrentam atrasos nos salários há mais de seis meses e ainda não receberam os 13º salários de 2015 e 2016, além de não terem respeitados os depósitos regulares de INSS e FGTS. Os trabalhadores estão em greve há 18 dias e a empresa, até agora, tem se recusado a negociar, informa o Sindicato dos Jornalistas carioca.

Na outra ponta da Dutra, os funcionários do Diário de S. Paulo podem entrar em greve nesta quinta-feira, segundo o sindicato paulista.

Rápidas

O Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), que comemora 80 anos, faz uma homenagem ao Museu do Samba, nesta sexta, às 10h, na R. Visconde de Niterói, 1296 – Mangueira, Rio de Janeiro – RJ *** O hotel Grand Hyatt Rio de Janeiro anunciou 50 vagas para arrumadeira, garçom, recepcionista bilíngue e outras. O processo seletivo começa com a inscrição no site www.vagas.com.br/grandhyattriodejaneiro *** O Encontro de Games volta ao Shopping Jardim Guadalupe (RJ) em 2017, com jogos de tabuleiro, sempre no terceiro domingo do mês. A primeira edição acontecerá no dia 15, das 14h às 20h.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Europa admite 2 pesos na crise na Ucrânia e em Gaza

Cinismo típico da mentalidade colonial

Petróleo sob disfarce de direitos humanos

China descobre grande reserva na Região de Uigur, alvo das ‘preocupações’ dos EUA.

Ameaça de demissões expõe crise na Saúde

Piso de menos de 4 SM para enfermagem revela desvalorização.

Últimas Notícias

Anatel recebe cerca de 1 milhão de queixas

Reclamações foram contra serviços de telefonia, internet e TV.

Europa admite 2 pesos na crise na Ucrânia e em Gaza

Cinismo típico da mentalidade colonial

Ação civil para incluir fonte solar em leilão de energia

Associação do setor fala em 'tratamento isonômico para empreendimentos fotovoltaicos participarem de leilões do Governo Federal.'

‘Política do calendário eleitoral reduz preço da gasolina’

Combustível recuou quase 10%; para Deyvid Bacelar, Bolsonaro tirou do preço o ICMS, que ia para escolas, hospitais... mas não mexeu no PPI'.

Freixo começa campanha anunciando aumento do salário mínimo regional

Fecomércio diz que 'não se aumenta salário por decreto': 'uma economia que gera emprego é o caminho para melhorar a renda do trabalhador.'