Será que a montanha pariu um rato?

Pessoas bem relacionadas em Brasília, em contato com a coluna, afirmam que as bases do Governo Temer estão mais frágeis que nunca. Há até quem aposte na queda antes do final do semestre. Mas a Lista de Janot não é garantia de que as investigações atingirão núcleos importantes de partidos que não o PT. Primeiro, porque a Procuradoria-Geral da República não é conhecida por sua velocidade. Segundo, porque o Supremo não é pródigo em condenações daqueles protegidos pelo foro privilegiado. Há, ainda, a questão da opção: quem a PGR vai denunciar primeiro, após o STF aceitar o pedido de investigação? Basta ver o contraste entre a morosidade com que tucanos do naipe de Aécio Neves são tratados e a celeridade quando o assunto envolve petistas.

Ainda que com todos os senões, o estrago no governo e na classe política está feito. Não é pequeno e deve ficar maior quando os vazamentos seletivos forem substituídos pela ampla divulgação das delações da Odebrecht. A reunião ministerial em Curitiba, alerta lançado por esta coluna, não acontecerá, com os ministros protegidos por Temer e pelo foro privilegiado. Mas fica claro para a população que hoje Legislativo e Executivo (Judiciário está comodamente protegido de delações) são comandados por pessoas que representam o pior da política. Os efeitos disso serão sentidos em 2018. Ou antes.

O que é ruim a gente esconde

A grande mídia adotou o comportamento de tentar esvaziar as manifestações contra a reforma da Previdência. Ao contrário dos movimentos chapa-branca pelo impeachment, em que chamadas ao vivo convocavam para atos ainda vazios, a tônica foi dar destaque a transtornos no trânsito ou a tumultos.

Desde as 9h, sites e TVs falavam que a greve dos metroviários de São Paulo estava sendo encerrada e os serviços retomados. No meio da tarde, o discurso era o mesmo, contrastando com a realidade de poucas linhas e trens disponíveis.

Com as manifestações maiores que o desejado, os jornalões tiveram que se render e abrir espaço para os protestos.

Muita calma nesta hora

A Associação Brasileira de Empresas de Soluções de Telecomunicações e Informática (Abeprest), que congrega mais de 40 empresas do setor, defende a tramitação célere no Senado do Projeto de Lei 79/2016, que muda a Lei Geral das Telecomunicações, para adaptação da modalidade de outorga de serviço de telecomunicações de concessão para autorização.

O tema é pra lá de polêmico. Os opositores afirmam que a mudança representará uma transferência de patrimônio estimado em R$ 100 bilhões para as empresas de telefonia (a Anatel diz que o valor atual é bem menor, de uns R$ 20 bilhões – nada desprezível – mas reconhece que só fará os cálculos depois da aprovação da lei).

O presidente do Senado, Eunício de Oliveira, afirmou que só pautará este projeto depois do julgamento final do Supremo Tribunal Federal sobre o mandado de segurança apresentado por senadores da oposição. No início de fevereiro, o ministro do STF Luis Roberto Barroso determinou, em caráter liminar, que o projeto enviado à sanção presidencial fosse devolvido ao Senado.

Custo da saúde

O presidente do Conselho da Associação Nacional de Hospitais Privados (Anahp), Francisco Balestrin, afirmou que é importante o investimento em qualidade no setor e que é necessário que se discuta o financiamento da saúde no país que, para ele, é vital para o desenvolvimento de um setor mais acessível. “A saúde das pessoas deve ser a soma de todas as ações que fazemos no setor”, afirmou Balestrin, durante a 1ª edição do Hospital Summit, evento sobre gestão hospitalar, realizado em São Paulo.

Salto alto

A coach Alexandra Zainun reuniu um time de especialistas para ensinar técnicas para que empresárias sejam bem-sucedidas em situações em que podem se sentir inseguras. Trata-se do 9º Encontro de Mulheres Empreendedoras, organizado pelo #EuSaltoAlto, que acontecerá dia 29 de março, das 14h às 17h, na Barra da Tijuca (RJ). A inscrição é pelo site https://goo.gl/Ha9Kvs. O evento alcança outras cidades. Em 12 de abril, chegará a Ribeirão Preto (SP).

Homenagem

O diretor-presidente da ATP, Murillo Barbosa, foi homenageado na solenidade em comemoração aos 15 anos da Agência Nacional de Transportes Aquaviários (Antaq), realizada nesta terça-feira, em Brasília. O executivo, que está à frente da Associação de Terminais Portuários Privados desde a fundação da entidade, em 2013, foi agraciado em virtude da sua gestão como diretor da Agência no período de 2006/2010.

Rápidas

A Algar Tech anunciou Marcelo Ferreira como o vice-presidente de Marketing e Vendas *** Neste domingo, às 16h, o Caxias Shopping (RJ) apresenta o espetáculo infantil Bicho Sabido, com histórias e contos populares brasileiros e africanos *** O Encontro de Games volta ao Shopping Jardim Guadalupe (RJ) neste domingo, das 14h às 20h, com disputas e batalhas de tabuleiro.

Artigo anteriorTorture os números
Próximo artigoQuebra de contrato
Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

Privatização da Eletrobras aumentará tarifa em 17%

Estatal dá lucro e distribuiu R$ 20 bi em dividendos para a União.

Dois mitos sobre a Petrobras

Mídia acionada pelo mercado financeiro abusa de expedientes que ataca quando usados por bolsonaristas.

Mudar preços implica parar venda de refinarias

Mercado financeiro cobrará deságio, e Petrobras precisa de ativos para poder operar.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Preços dos carros mais vendidos subiram 9,4% em média em um ano

Com 18,23% de variação, Renault Kwid foi o que mais subiu de preço entre os 13 mais vendidos.

PEC Emergencial pode sair da pauta do Senado desta quinta

Parlamentares resistem a cortes na saúde e educação e propõem votar apenas questão do auxílio emergencial.

Desdobramentos da intervenção na Petrobras

Percepção é de que o 'superministro' de Bolsonaro pode estar ficando cada vez mais isolado.

IPCA-15 de fevereiro ficou abaixo da expectativa

Índice mostra variação mais fraca que o esperado em alimentação, educação; já saúde e transportes vieram mais fortes que a expectativa.

Tentativa de superação

Ontem foi dia de recuperação da Bovespa, liderada pelas ações da Petrobras, Eletrobrás e setor bancário.