Sete em 10 passaram a poupar mais por conta da pandemia

Segundo estudo, 28% estão avaliando trocar de plano de saúde e 59% revelaram possuir dívidas, a maioria com cartão de crédito.

Incertezas sobre o futuro e medo dos desdobramentos da pandemia da Covid-19. Essas são as principais causas que levam mais brasileiros a poupar, detectada em pesquisa realizada no mês de fevereiro pela Toluna. Entre os entrevistados, 70% confirmaram que passaram economizar mais por conta do vírus da Covid-19.

Já entre os principais motivos para segurar o dinheiro está em primeiro lugar o medo do futuro (65%), seguido pela preocupação com possíveis despesas médicas (32%). Já 26% das pessoas entrevistadas revelaram que passaram a economizar durante a quarentena, pois não tiveram como gastar com despesas de lazer, como restaurantes e viagens.

Além disso, muitos dos entrevistados (39%) concordam que a pandemia atrapalhou completamente qualquer tipo de planejamento financeiro, enquanto apenas 3% afirmaram que o coronavírus em nada interferiu seus planos econômicos.

Para os entrevistados, janeiro é o mês que mais gera sensação de ser pressionado por gastos: 33% disseram que o primeiro mês do ano causa enorme sufoco no orçamento, enquanto 30% disseram que se sentem tensionados por gastos em todos os meses do ano.

As despesas que mais pesam no orçamento, segundo a pesquisa da Toluna, são: contas para manter a casa, como luz, gás, condomínio (44%) e mercado (42%). 34% dos entrevistados afirmaram que gastam mais com escola e plano de saúde do que com outras despesas nesse período.

Uma enorme parte dos entrevistados (79%) concordaram, também, serem abusivos os aumentos perpetrados pelos planos de saúde no último ano. E 28% estão avaliando uma possível troca de operadora de planos para amenizar os gastos.

Paradoxalmente ao desejo de poupar detectado pela pesquisa, 59% dos entrevistados revelaram possuir dívidas, sendo a maioria com cartões de crédito (58%), seguido por bancos (38%) e financiamentos (31%). Para 18% dos que responderam à pesquisa, 40% dos seus ganhos estão comprometidos com dívidas.

Ainda segundo o levantamento, 29% dos que responderam ao questionário afirmaram que investem seu dinheiro em bancos, enquanto 16% em bancos mais plataformas específicas.

A pesquisa foi realizada nos dias 3 e 4 de fevereiro, com 820 pessoas (45% homens e 55% mulheres) das classes A, B e C, segundo critério de classificação de classes utilizado pela Associação Brasileira de Empresas de Pesquisa (Abep), em que pessoas da classe C2 tem renda média domiciliar de R$ 4.500 por mês. Estudo feito com pessoas acima de 18 anos, de todas as regiões brasileiras, com 3 pontos percentuais de margem de erro e 95% de nível de confiança.

Já estudo da NZN Intelligence, também no período da pandemia, os brasileiros decidiram apostar em investimentos, coisa ainda pouco explorada no país. Segundo eles, 80% dos entrevistados começaram algum tipo de investimento nesse período.

Com um cenário de investimento tão em alta, o fator da pandemia foi decisivo para essa iniciativa: 34% afirmaram que o cenário favorável foi o principal fator para a decisão, enquanto 30% apontaram o consumo de conteúdo relacionado a investimentos como principal motivo. Entre os outros motivos que os levaram a investir durante a pandemia, 34.6% por conta do cenário favorável para investimento e 31.3% por terem maior tempo em casa.

Apesar de essa ser a tendência entre os brasileiros, é necessário saber onde e quanto investir, por isso, a pesquisa e estudo sobre o tema é fundamental para garantir sucesso nessa jornada, isso por existir diversos tipos de investimentos. Com isso, 44% começaram a investir na Bolsa, 30,4% CDI ou CDB e 23% no tesouro direto. Já na poupança, 18.9% investiram nessa modalidade.

Ainda de acordo com a pesquisa, 23% dos entrevistados não investiram durante a pandemia, mas pretendem fazê-lo após esse período, 37% devem aplicar na Bolsa de Valores e 33%, em CDI ou CDB. Também segundo o levantamento, 59% aumentaram a utilização de aplicativos de bancos durante a pandemia, o que ressalta a consolidação da internet banking entre as pessoas, facilitando o acesso às contas bancárias sem precisar sair de casa.

Leia mais:

Bolsas sofrem impacto causado por Petrobras

Mercado diminui projeção para crescimento da economia em 2021

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Valor da internet em Portugal está mais barato

Dados recentes do Eurostat, Serviço de Estatística da União Europeia, referentes a dezembro de 2021, mostra que Portugal lidera na descida de preços dos...

Balança comercial registra déficit de US$ 117 milhões

A corrente de comércio (soma de exportações e importações) brasileira cresceu 28% e fechou a terceira semana de janeiro em US$ 28,91 bilhões. Os...

Economia no Governo Bolsonaro é a pior em 4 décadas

PIB do País crescerá menos que na década perdida.

Últimas Notícias

Valor da internet em Portugal está mais barato

Dados recentes do Eurostat, Serviço de Estatística da União Europeia, referentes a dezembro de 2021, mostra que Portugal lidera na descida de preços dos...

Modal finaliza aquisição da integralidade do banco digital LiveOn

O Modal, banco de investimento, fechou a aquisição de 100% da infratech LiveOn, operação divulgada em outubro de 2021, e só agora aprovada pelo...

Fitch afirma IDRs BB’ e rating nacional ‘AAA do Itaú Unibanco

A Fitch Ratings afirmou nesta segunda-feira os IDRs (Issuer Default Ratings - Ratings de Inadimplência do Emissor) de Longo Prazo em Moedas Estrangeira e...

Balança comercial registra déficit de US$ 117 milhões

A corrente de comércio (soma de exportações e importações) brasileira cresceu 28% e fechou a terceira semana de janeiro em US$ 28,91 bilhões. Os...

Subida de juros assusta investidores

A segunda-feira (24) foi marcada como um dia de aversão a risco com fortes quedas nas bolsas internacionais, observou Jansen Costa, sócio-fundador da Fatorial...