Setor automotivo deve perder US$ 60 bi com falta de semicondutores

Escassez só deve acabar no 2] semestre de 2022.

O fim da escassez da cadeia global de semicondutores na produção de chips e componentes eletrônicos que atinge a indústria automobilística deve acontecer a partir do segundo semestre de 2022. É o que estima um estudo realizado pela Bain & Company. Segundo a consultoria, o setor automotivo deve sofrer perdas de receita na ordem de US$ 60 bilhões até o fim deste ano em razão da falta de componentes no processo de produção.

Segundo a Bain, o mercado global de semicondutores movimentou mais de US$ 450 bilhões em 2020, sendo que 70% desse montante foi originado da indústria eletroeletrônica, na produção de dispositivos como computadores e smartphones. A indústria automobilística, por sua vez, foi responsável por apenas 10%. A crise global desses componentes, porém, segue impactando os diferentes setores da indústria em todo o mundo, com perspectivas ainda incertas de retomada à normalidade.

Segundo Carlos Libera, sócio da Bain & Company, dado um cenário futuro de aumento de capacidade na produção de semicondutores, é esperado que a situação para as montadoras volte a um ritmo de normalidade a partir do segundo semestre de 2022. “A indústria automotiva representa uma parcela menor na demanda por semicondutores, sendo responsável por apenas 10% da receita dos fabricantes de chips. Logo, espera-se que a alocação de capacidade se normalize com mais velocidade em relação a outros setores”, afirma.

A Bain ressalta, entretanto, que existem problemas estruturais dentro da fabricação de semicondutores, com gargalos sensíveis ao longo de toda a sua cadeia, que podem resultar em novos efeitos de escassez. “É importante que a indústria automobilística se antecipe a eventuais rupturas no futuro, sobretudo na maneira como ocorre o planejamento na sua cadeia de suprimentos – seja do ponto de vista de armazenagem de estoques ou de maior aproximação com os fornecedores”, destaca Libera.

O estudo da Bain explica que a produção global de veículos leves deve ter uma redução de 4 milhões de unidades em 2021 em comparação com as previsões anteriores, de dezembro de 2020. A consultoria trabalha com alguns cenários do impacto do mercado de chips e de semicondutores na indústria automobilística global nos próximos meses. Dentre eles estão:

Cenário mais otimista
Diminuição da demanda de semicondutores em dispositivos eletrônicos, como placas de vídeo, smartphones e computadores pessoais, se comparado com o pico observado durante a pandemia da covid-19, redirecionando a capacidade para a indústria automobilística ao longo do quarto trimestre do ano.

Cenário base
Demanda permanecendo alta por indústrias não-automotivas, atrasando a transição da capacidade de fornecimento de semicondutores para a indústria automobilística até o segundo trimestre de 2022

Cenário menos otimista
A falta de semicondutores seguirá impactando a produção de veículos leves até o terceiro trimestre de 2022; o volume perdido de produção não será recuperado antes desse período.

Além disso, a Bain alerta que outros fatores podem impor desafios para a indústria automotiva mundial na dependência por semicondutores:

Aumento de componentes eletrônicos na lista de materiais de produção. O aumento da eletrificação de veículos e nos Sistemas Avançados de Assistência ao Condutor (ADAS) continuará a aumentar a importância de componentes eletrônicos na cadeia de suprimentos automotiva. O aumento da quantidade de componentes e de sua complexidade desafiará a gestão da cadeia automotiva

Pressão da indústria de computadores pessoais e dispositivos móveis. As cadeias de suprimentos de computadores pessoais (PCs) têm encontrado dificuldades para atender a demanda gerada pela crise da Covid-19. A Taiwan Semiconductor Manufacturing Company (TSMC), empresa que fabrica semicondutores, e a Intel, estão operando no máximo de suas capacidades. Já  fabricantes como AMD e NVidia, estão se deparando com falta substancial de componentes. Demanda por computadores para uso pessoal, em razão do trabalho remoto, crescimento da computação em nuvem e de dispositivos móveis de quinta geração (5G) são motores que aceleram a demanda.

Riscos geopolíticos. Os semicondutores são grandes impulsionadores de superávits/déficits comerciais e fundamentais para a segurança nacional, o que aumenta o risco de novas intervenções em mercados e cadeias de abastecimento ocidentais e orientais. Exemplo são o apoio do governo chinês às indústrias locais; ameaças comerciais com países como Coreia e Japão; risco de metais provenientes de terras raras na China; e regulamentação do uso de bifenilas policloradas (PCB) pelo governo dos EUA.

Riscos operacionais. O aumento dos riscos nas complexas cadeias de suprimentos globais, somado a eventuais impactos gerados por desastres naturais. A frequência e a gravidade desses eventos perturbam cada vez mais a cadeia de valor em tecnologia. A consolidação da indústria de semicondutores aumenta os riscos de um único fornecedor (por exemplo, toda a capacidade tecnológica e industrial centralizada em um único polo de produção em Taiwan).

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Votação sobre cobrança de mensalidade em universidade pública é adiada

CCJ decidiu fazer uma audiência pública sobre a PEC 206.

Taxação de refrigerantes é aprovada em comissão do Senado

Senadores querem aumentar a taxação como forma de combater obesidade infantil e diabetes.

Reduzir alíquota de ICMS não aliviará preço de combustíveis

Política equivocada do governo pode levar a falta de diesel.

Últimas Notícias

Solidus Aitech arrecadou mais de US$ 10,5 mi de fundos com tokens

Serviço de computação de alto desempenho (HPC) quer 'democratizar a IA'.

Pão pita tradicional poderá ser feito em escala industrial

Novo sistema é capaz de produzir até 1.000 quilos/hora de pita.

Policiamento reforçado em terreiros de umbanda e candomblé de Itaboraí

Terreiros foram ameaçados por pastor evangélico em show gospel.

Rodoviária do Rio inicia a 24ª Campanha do Agasalho

Desde a 1ª edição, em 1999, quase 1 milhão de peças já foram doadas.

Votação sobre cobrança de mensalidade em universidade pública é adiada

CCJ decidiu fazer uma audiência pública sobre a PEC 206.