Setor automotivo em ritmo de recuperação

Resultados seriam ainda melhores se não houvesse restrição de semicondutores.

HB20 é o mais vendido até abril no Brasil

 

Nem os feriados nem as paralisações de fábricas pela falta de semicondutores desanimaram o mercado automotivo em abril. Os números divulgados pela Anfavea, associação que reúne as montadoras, confirmam a reação do segmento neste segundo trimestre.

A produção de autoveículos em abril foi de 185,4 mil unidades, 0,4% a mais que no mês anterior. As vendas também tiveram boa reação, com média diária de 7.750 unidades em abril (a melhor desde dezembro), contra as 6.991 unidades/dia de março. No total, 147,2 mil unidades foram licenciadas, leve alta de 0,3% sobre março.

Na comparação de quadrimestres, a queda deste ano está em 21,4%, sempre lembrando que no início do ano passado quase não havia restrição de oferta por conta de semicondutores.

“Poderíamos ter resultados de vendas ainda melhores se não fosse a persistente limitação de oferta provocada pela crise dos semicondutores”, explicou Márcio de Lima Leite, presidente da Anfavea, que acaba de tomar posse. “Apesar da inflação e da alta dos juros, ainda identificamos uma demanda reprimida de clientes particulares e sobretudo de locadoras, e os bons números de venda deste início de maio são indicadores dessa tendência. Esperamos que a situação da oferta comece a melhorar em meados do ano”, acrescentou.

 

Salão do Automóvel a céu aberto é adiado

O São Paulo Motor Experience, inicialmente programado para ocorrer de 6 a 14 de agosto deste ano no Autódromo de Interlagos, na capital paulista, foi adiado. Anfavea, em alinhamento com as montadoras, e a RX, organizadora do evento, decidiram postergar o festival. O motivo do adiamento recai sobre a atual situação global do setor automotivo, que ainda enfrenta desafios na cadeia de fornecimento gerados pela pandemia.

Por causa do período de chuvas, após setembro, e da realização do GP de Fórmula 1, que requer uma reforma das pistas e instalações de Interlagos, foi decidido que o evento não seria mais realizado este ano.

“O novo formato do São Paulo Motor Experience é sensacional, atende às novas demandas e expectativas do público, mas as nossas associadas, há mais de um ano enfrentando paradas de fábrica e complexos desafios logísticos, julgam mais adequado adiar temporariamente este grande evento que celebra a força do setor automotivo e a paixão do nosso povo por carros” afirma Márcio de Lima Leite, presidente da Anfavea.

Fabrica CAOA Chery em Jacarei (foto divulgação)
Fabrica Caoa Chery em Jacarei (foto divulgação)

Funcionários da Caoa Chery ficam 5 meses em lay off

O anúncio do fechamento temporário da fábrica da Caoa Chery em Jacareí caiu como uma bomba na semana passada. Cerca de 480 trabalhadores seriam demitidos com a suspensão da produção de veículos nesta planta até 2025. A fábrica será reformada, readequada e modernizada para daqui a três anos passar a produzir apenas veículos elétricos e híbridos.

As demissões, contudo, foram suspensas pelo menos até janeiro, quando terminam os 3 meses de estabilidade após um lay off de 5 meses solicitado pelo Sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos e Região e atendido pela montadora.

O sindicato quer negociar a manutenção dos empregos com a continuidade da produção do sedã Arrizo 6 Pro nesta fábrica, que segundo a decisão do grupo, passaria a ser importado da China.

Chery Tiggo 3x (foto divulgação Caoa)
Chery Tiggo 3x (foto divulgação Caoa)

Tiggo 3x sai de linha

Outra bomba foi o anúncio da descontinuidade do SUV compacto Tiggo 3x, com menos de um ano desde seu lançamento. No início do ano, a Caoa Chery já havia tirado de linha o Tiggo 2, por não atender às novas normas de emissões do Proconve L7.

A planta do grupo Caoa em Anápolis (GO) mantém a produção dos modelos Tiggo 5x, Tiggo 7 Pro e Tiggo 8. Ainda este ano, a marca quer atingir a venda de 60 mil unidades.

Marcos Oliveira (foto divulgação Hyundai)
Marcos Oliveira (foto divulgação Hyundai)

Hyundai anuncia executivo para nova posição

A Hyundai Motor Américas Central e do Sul anunciou a nomeação de Marcos Oliveira no cargo de vice-presidente de produção para a região. A posição recém-criada tem efeito imediato e faz parte da estratégia da empresa para manter a competitividade da fábrica de Piracicaba (SP). Com quase três décadas de carreira na indústria automotiva global, o executivo tem ampla experiência em qualidade e manufatura em marcas líderes na Itália, Alemanha e Brasil. Ele teve passagens por Volkswagen e Fiat.

Lucia Camargo Nunes
Economista e jornalista especializada no setor automotivo. [email protected]

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Montadoras não vieram; demissões, sim

Promessas de Doria e Bolsonaro para fábrica da Ford não passaram de conversa para gado dormir.

Modelo de espaçonave de Star Wars

Oferta de outros itens de cinema, televisão e quadrinhos.

‘O trem atrasou meia hora’

‘Trago aqui um memorando da Central’... bons tempos.

Últimas Notícias

Quatro em 10 brasileiros pretendem pedir crédito nos próximos 90 dias

Intenção atingiu maior patamar desde junho de 2021; dívidas são o principal motivo.

Healthtechs e edtechs rivalizam com fintechs por investidores

Startups de saúde e de educação se aproximam das empresas de tecnologia financeira na disputa pelos aportes

Mercados dão continuidade a movimento negativo visto desde ontem

Bolsas e commodities cedem, enquanto as curvas de juros dão um alívio; moedas são a exceção e avançam contra o dólar.

Conab aponta para safra de café em 53,4 milhões de sacas

Nos quatro primeiros meses, país já exportou 14,1 milhões de sacas de 60 kg; volume é 10,8% menor que o exportado em igual período de 2021.

Em caso de novo ataque hacker, 80% das empresas pagariam resgate

Senhas: sequências numéricas simples ainda são motivo de ataques cibernéticos.