Setor da energia nuclear deverá ser reestruturado?

Pelo critério da segurança das instalações nucleares, a Rússia situa-se agora entre os primeiros três líderes mundiais – divulgou aos jornalistas o chefe do Departamento de Supervisão Nuclear da Federação Russa, Andrei Malichev.
“Atualmente, o setor energético nuclear é responsável pela produção de  cerca de 16% da energia elétrica consumida no país. O setor da energia nuclear dá à Humanidade uma chance de vir a ganhar na luta contra a degradação e poluição do meio ambiente, uma consequência inevitável da utilização dos recursos orgânicos”, declarou no fórum da ONU o ministro do setor energético atômico, Aleksandr Rumiantsev.
Esta declaração, que exprime a posição da Rússia nesta área enfrenta, não raro, pontos de vista contrários, manifestados nos debates que se travam à escala global. Não faltam cientistas em todas as partes do mundo que afirmam que a indústria nuclear existente foi um grande erro de engenharia na história da Humanidade.
Como exemplo podemos citar o posicionamento do país mais potente da Europa, a Alemanha. Conforme escreveu o jornal New York Times em princípios de dezembro, o governo deste país tomou a decisão de desativar paulatinamente 19 centrais atômicas, contrariamente à tendência que se verifica em outros países, que se propõem aumentar a “vertente atômica” na sua balança energética.
É de se esperar que estas controvérsias acabem por levar à modificação das tecnologias de produção de energia, já que é óbvia a impossibilidade de não levar em conta a importância da energia nuclear na vida moderna. Ao menos no caso da Rússia, esta não tem, pura e simplesmente, tal possibilidade no momento. Portanto, será preciso pôr nos pratos da balança todos os prós e contras desta questão e, depois, determinar quais as vantagens do combustível convencional ou nuclear.
A maior vantagem que proporciona este último é a sua elevada capacidade energética – aliás, milhares de vezes superior em relação ao combustível químico convencional. Todavia, esta superioridade ainda não está devidamente formulada como conceito – consideram os cientistas, e economistas da Academia das Ciências da Rússia.
Sucede que a Humanidade optou inicialmente pela utilização do ciclo do vapor e, por conseguinte, pelos equipamentos e instalações térmicas – digamos, centrais elétricas a carvão. Atualmente, a essência do problema resume-se a substituir as caldeiras de carvão pelas nucleares, só muda o combustível. Em termos figurados, é como substituir o fogão a carvão pelo fogão a gás.
Na opinião dos cientistas, o principal erro consiste em que até agora nenhuma das vantagens que o átomo oferece foi devidamente utilizada ou explorada. Ao mesmo tempo, nenhum dos defeitos desta partícula foi neutralizado. Por conseguinte, as centrais atômicas que a Humanidade construiu até agora mostraram uma baixa qualidade, um rendimento péssimo, talvez devido ao fato de os parâmetros do combustível nuclear, ao contrário dos do carvão e das caldeiras, serem mal articulados com o ciclo termodinâmico do vapor.
Entre os defeitos do combustível nuclear o pior é encerrar a eventual possibilidade de acidente com consequências catastróficas à escala global e, além disso, as centrais atômicas serem um alvo fácil para o terrorismo e a chantagem, com as mesmas dimensões catastróficas.
O primeiro exemplo tivemos em Chernobil. Parece inacreditável que uma tragédia daquelas possa ter ocorrido na Europa. Sem dúvida, podemos acreditar em todas as declarações a respeito da segurança das nossas centrais nucleares. Contudo, segundo os dados divulgados pelo Departamento de Supervisão Nuclear da Federação Russa, foram até agora registadas 28 transgressões tecnológicas na exploração das centrais atômicas da Rússia.
Afinal, onde está a saída para esta situação? Na Rússia há cientistas que afirmam que a melhor saída seria retirar os reatores nucleares da superfície terrestre. A idéia é simples: o vapor como agente ativo, como componente indispensável da Natureza, seria produzido nas entranhas da Terra e, depois, subiria à superfície do Planeta.
Por outras palavras, teríamos um géiser artificial criado com a ajuda da energia nuclear. Neste caso, o vapor seria utilizado já na superfície. Deste modo, teríamos uma simbiose bastante segura – ou seja, uma energia mista terrestre-subterrânea. Assim, o reator nuclear, que representa o maior perigo nas centrais atômicas – ou seja, o agente ativo, fica enterrado nas profundidades da Terra, ao mesmo tempo que os consumidores estão na superfície terrestre.
Este esquema de produção de energia exclui praticamente o acesso de terroristas e reduz substancialmente a eventualidade da destruição das instalações nucleares durante operações militares.
Sem dúvida, a materialização de semelhantes projetos é impraticável sem investimentos e despesas avultados. Contudo, este problema coloca-se em igual medida para os russos, para os americanos, para os suecos, para todo o mundo. Os esforços conjugados de toda a Humanidade possibilitarão materializar as idéias dos cientistas em estruturas energéticas altamente rentáveis e seguras do ponto de vista técnico.

Andrei Kisliakov
Observador político da Agência RIA Novosti.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Rio, petróleo e prosperidade

Por Ranulfo Vidigal.

Últimas Notícias

Solidus Aitech arrecadou mais de US$ 10,5 mi de fundos com tokens

Serviço de computação de alto desempenho (HPC) quer 'democratizar a IA'.

Pão pita tradicional poderá ser feito em escala industrial

Novo sistema é capaz de produzir até 1.000 quilos/hora de pita.

Policiamento reforçado em terreiros de umbanda e candomblé de Itaboraí

Terreiros foram ameaçados por pastor evangélico em show gospel.

Rodoviária do Rio inicia a 24ª Campanha do Agasalho

Desde a 1ª edição, em 1999, quase 1 milhão de peças já foram doadas.

Votação sobre cobrança de mensalidade em universidade pública é adiada

CCJ decidiu fazer uma audiência pública sobre a PEC 206.