Setor de alimentação fora de casa só deve se recuperar no ano que vem

Segmento deve movimentar R$ 167 bi em 2021; para reduzir aluguel, quatro em 10 estabelecimentos cogitaram mudar de endereço na pandemia.

Pesquisa da Associação Brasileira da Indústria de Alimentos (Abia), que aponta que, entre os anos de 2009 e 2019, as vendas da indústria alimentícia para o setor de refeições fora do lar, o qual compreende restaurantes, lanchonetes, padarias, bares, redes de fast food, entre outros, cresceu 184,2%, uma média de 11% ao ano, registrando em 2019 um valor acumulado de R$ 184,7 bilhões.

A expectativa é de que o segmento, que fechou 2020 com um valor 24% menor devido à pandemia de Covid-19 (cerca de R$ 139,9 bilhões), encerre 2021 com um crescimento de 20% sobre este valor (R$ 166,9 bilhões); com uma previsão de recuperação completa em 2022. De fato, a retomada do chamado “food service” fundamenta-se nos seguintes aspectos: declive de infecção e óbitos por Covid-19; evolução do calendário de vacinação; enfraquecimento do teletrabalho; aumento do número de pessoas circulando nas ruas; e flexibilização do funcionamento de bares, restaurantes, lanchonetes e praças de alimentação.

Já pesquisa encomendada pela VR Benefícios e realizada pelo Instituto Locomotiva mostra o impacto da pandemia nos estabelecimentos comerciais. Segundo o estudo, diante da crise iniciada em 2020, proprietários e gestores precisaram se adequar para conseguirem manter suas portas abertas e adotar novas estratégias. Do total de entrevistados, 11% mudaram de endereço durante a pandemia e 26% pensaram em mudar. Dentre os motivos que impulsionaram a decisão estão a redução do valor do aluguel (65%), redução do fluxo de pessoas (32%), passou a fazer a atividade dentro de casa (19%) e mudou para mais perto de sua casa (5%). Já entre os que mudaram de endereço, 60% migraram para bairros residenciais.

Os impactos financeiros também foram coletados e revelam que 85% disseram que foi preciso cortar custos, 60% afirmaram ter negociado preços e prazos com fornecedores e 29% tiveram que recorrer ao empréstimo.

Considerando as medidas de restrição da quarentena para funcionamento dos estabelecimentos, 94% estão funcionando, porém sete em cada 10 proprietários ou gestores declararam movimento menor, especialmente restaurantes.

Em relação aos meios de pagamento sem contato que estão sendo utilizados, a pesquisa mostrou que na comparação com 2020, o uso de cartões de crédito ou débito NFC (aproximação via celular) aumentou e chegou a 87%. Também cresceu a utilização de aplicativos por celular e pagamentos por link.

A pesquisa também revelou que as mudanças impostas pela pandemia vieram para ficar. Questionados sobre quais medidas de proteção serão adotadas permanentemente, 92% disseram a limpeza e desinfecção do ambiente, 86% a disponibilidade de álcool em gel aos clientes, 82% um ambiente mais aberto e ventilado, 67% confirmaram a utilização de meios de pagamento sem contato e 60% a implementação do cardápio digital.

Leia também:

Comércio teve alta de 2,3% no Dia das Crianças

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Fed lista prós e contras da moeda digital do Banco Central

Meio de pagamento seguro para empresas e famílias, mas pode representar ameaça à estabilidade financeira.

Criptomoedas derretem; para FMI, ameaça à estabilidade financeira

Bitcoin negociado abaixo de US$ 40 mil; após pandemia, criptos acompanham movimento de ações.

Consultoria em que Moro trabalhou ganhou 75% com empresas da Lava Jato

Segundo revista, Alvarez & Marsal faturou R$ 42,5 milhões com honorários de companhias investigadas.

Últimas Notícias

Electrolux lança desafio para arquitetos e designers de interiores

A Archademy, primeiro Market Network de Arquitetura e Design de Interiores do Brasil, abre inscrições para a edição do seu Archathon Electrolux 2022. O...

Gestão do Hopi Hari ganha na justiça e se mantém no parque

A gestão do Parque Temático Parque Hopi Hari acaba de obter decisão favorável, proferida pelo Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo, para...

Bancos chineses registram compra líquida de divisas em 2021

Os bancos chineses registraram uma compra líquida de divisas em 2021, pois a taxa de câmbio do iuan permaneceu geralmente estável e os fluxos...

RNI: Plano de negócio tem o melhor resultado dos últimos 7 anos

Prévia do 4T21 da construtora e incorporadora RNI, do grupo Empresas Rodobens, indica resultados superiores aos últimos sete anos. A empresa, que completou 30...

Chile quer renacionalizar cobre e bens públicos estratégicos

A campanha pela renacionalização do cobre e dos bens públicos estratégicos entregues às transnacionais durante o governo de Augusto Pinochet (1973-1990) tem sido impulsionada...