Shell no Golfo do México mostra força do pré-sal

A Shell anunciou semana passada a decisão de investir no campo de Vito, no Golfo do México. Trata-se de uma instalação em...

A Shell anunciou semana passada a decisão de investir no campo de Vito, no Golfo do México. Trata-se de uma instalação em águas profundas, na qual a multinacional espera obter equilíbrio financeiro (break-even) com preço estimado inferior a US$ 35 por barril. Vito deve começar a operar em 2021 e atingir uma produção de 100 mil barris de óleo equivalente por dia (boe). A produção recuperável é avaliada em 300 milhões de boe. O campo, parceria entre a Shell Offshore Inc. (63,11%, operadora) e a Statoil USA E&P Inc. (36,89%), está localizado a aproximadamente 240 quilômetros de Nova Orleans.

O anúncio reforça a importância de uma área distante cerca de 8 mil quilômetros. No pré-sal brasileiro, o campo do Golfo do México seria considerado modesto. Por aqui, há levantamentos com estimativa de recuperação de 3 bilhões, até 6 bilhões de óleo equivalente, dez a 20 vezes maior. Ricardo Maranhão, que foi engenheiro da Petrobras e é diretor da Aepet, ressalta que os campos gigantes têm, pelo menos, 1 bilhão de boe. “Alguns, no pré-sal, são supergigantes”, afirma à coluna.

Outra comparação favorável ao pré-sal é em relação a custo de produção. A Petrobras tem anunciado um valor de US$ 30/barril. O custo total é a soma do custo de extração com o custo de capital. O custo de extração no pré-sal vem caindo e, hoje, está entre US$ 7 e US$ 8 por barril.

 

CNC em marcha

A decisão de Antônio de Oliveira Santos de não disputar mais a reeleição para presidência da Confederação Nacional do Comércio (CNC) – posto que ocupa desde 1980 – abriu espaço para novos ares na entidade. José Roberto Tadros, presidente do Sistema Fecomércio, Sesc e Senac Amazonas, desponta como favorito à sucessão de Oliveira Santos.

Tadros quer colocar a CNC para ajudar a retomada do país. O empresário lançou em meados do ano passado o livro O Grande Amazonas em Marcha, no qual trata o Amazonas com o mesmo olhar macro para as grandes questões com que enxerga o país.

O Amazonas é um estado tão complexo e diversificado quanto as curvas do Rio Negro e a floresta tropical. Costuma-se dizer no estado que quem entende o Amazonas, entende o país. Tadros planeja usar sua experiência bem sucedida de três décadas comandando as entidades do comércio no estado para colocar a CNC no centro das decisões nacionais.

 

Fortes diferentes

O ex-ministro das Cidades Márcio Fortes de Almeida avisa: o ex-deputado federal citado pelo Jornal Nacional de sábado à noite sobre suposto financiamento ilegal de campanha do PSDB pela Odebrecht diz respeito a Marcio João de Andrade Fortes, conhecido como Márcio Fortes, engenheiro. “Sou advogado, diplomata e nunca fui parlamentar, nunca fui filiado ao PSDB”, decreta o ex-ministro das Cidades.

 

O lado do muro

Em evento realizado pela União Geral dos Trabalhadores (UGT) na última sexta-feira, alguns presidenciáveis opinaram sobre a Reforma Trabalhista. Ciro Gomes, do PDT, defendeu a revogação do texto. “Isso é uma perversão que faz parte de uma selvageria neoliberal, mofada, que se impôs ao Brasil”, disse.

O tucano Geraldo Alckmin se candidatou a receber a herança da impopularidade do presidente Michel Temer. O pré-candidato do PSDB foi o que defendeu com maior empenho a reforma.

Marina Silva, da Rede, ficou em cima do muro. Apenas criticou a forma apressada com que as mudanças foram aprovadas no Congresso.

Afif Domingos, do PSD, afirmou que é preciso rediscutir a reforma. Ele defende uma legislação para grandes corporações e outra específica pra micro e pequenas empresas.

Surpreendente foi outro “murilo”. Aldo Rabelo, presidenciável pelo Solidariedade, que já foi ministro de Dilma, integrante do PCdoB e presidente da UNE, falou: “Qualquer reforma tem que levar em conta a defesa do desenvolvimento, do crescimento, das empresas, mas também a proteção dos direitos dos mais fracos”, disse.

 

Rápidas

O Almoço do Empresário da Associação Comercial do Rio de Janeiro, em 8 de maio, terá palestra com o pré-candidato à Presidência da República pelo PSDB, Geraldo Alckmin *** Os principais aspectos jurídicos das operações de fusão e aquisição serão abordados no curso M&A na Prática: Contrato de Compra e Venda de Participação, no Instituto Brasileiro de Executivos de Finanças (Ibef-Rio), 9 e 10 de maio.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Guedes esperava muito da educação

Setor educacional prometeu, mas ainda não cumpriu.

Petrobras também foi ao mercado em Londres

Estatal criou subsidiária na década de 80 para atuar nas Bolsas.

Petroleiras ganham dinheiro no mercado, não com produção

Desde a década de 1980, companhias viraram empresas financeiras.

Últimas Notícias

Câmara rejeita ‘PL antiterrorismo’

A Câmara dos Deputados rejeitou nesta quarta-feira a urgência para votar o Projeto de Lei (1595/19) que cria uma polícia política que permite ao...

Programa AceleraD’Or de Mentoria entra em fase decisiva

Em fase decisiva para a escolha das 10 empresas participantes do projeto, o Programa AceleraD’Or de Mentoria, patrocinado pela D’Or Consultoria, teve repercussão positiva...

Aconseg-RJ mostra um 2022 promissor para as assessorias

Em reportagem especial da edição, os executivos confirmam a rápida resposta do setor e sua adequação aos tempos de desafios que foram superados com...

Inovação em Seguros concederá NFTs a vencedores

Uma das novidades do Prêmio Antonio Carlos de Almeida Braga de Inovação em Seguros, promovido pela Confederação Nacional das Seguradoras (CNseg), será a concessão...

Anbima projeta taxa de juros em 11,75% em 2022

A taxa de juros deve voltar a dois dígitos no início do próximo ano e chegar em 11,75% no mês de maio, de acordo...