Silêncio vale ouro

Tenho a consciência tranquila não só da minha inocência bem como de ter contribuído para que o meu país se tornasse melhor e se livrasse do criminoso governo do PT.” Dito por um ex-presidente da Câmara e (ainda) deputado federal que responde a cinco processos no Supremo e pode ter o mandato cassado pelos seus pares, a declaração ganha um certo ar irônico. Ao se despedir da presidência da Casa, Eduardo Cunha deixou bem claro o que está por trás do processo de impeachment: acabar com o Partido dos Trabalhadores, cuja presença no cenário político deixou de ser interessante para as elites que tentam impor um novo pacto social.

No discurso de renúncia de Cunha, se houve lágrimas que muitos consideraram pouco sinceras, sobrou sinceridade ao mirar no PT e em Dilma Rousseff. O objetivo imediato do ex-presidente da Câmara é sua sobrevivência e de sua família. Resta combinar com a justiça, por enquanto, ainda que vagarosamente, seu principal algoz. Mas vale lembrar que, há duas semanas, na mesma entrevista em que disse que não renunciaria à presidência da Casa, o deputado também afirmou que não faria delação premiada.

Desmonte desnecessário

A valorização do real frente ao dólar reduziu a dívida da Petrobras em R$ 53,5 bilhões, acima do volume de desinvestimentos projetados pela estatal, calcula Roberto Moraes, professor e engenheiro do IFF em Campos dos Goytacazes (RJ). A projeção para este ano era de venda de ativos no valor de US$ 14,4 bilhões (cerca de R$ 48 bilhões).

Assim, com o ganho cambial, se teria ainda a diferença de R$ 6 bilhões sem precisar vender nada, o que seria no mínimo questionável, neste momento de baixa do ciclo do petróleo”, afirma Moraes em seu blog.

Otimismo naval

Em um mercado afetado pela crise na Petrobras, a Veber Industrial, empresa especializada em usinagem, soldas de equipamentos e reparos navais, pretende crescer no setor offshore. Atualmente, 70% do faturamento da companhia é proveniente da indústria naval, mas, de acordo com o diretor comercial da empresa, Silvano da Silva, a Veber ainda tem muito a crescer no mercado marítimo em geral.

A empresa está lançando uma linha que envolve portas estanque, portas semi-estanque, escotilhas e portas de visita. Esses produtos hoje, na sua grande maioria, são importados de países como China, Índia e Coreia do Sul. A proposta da companhia é se apresentar uma opção nacional de qualidade e que atenda as exigências das principais entidades classificatórias da indústria.

Este ano a empresa fará sua primeira participação em uma feira de grande porte, a Marintec South America, em setembro, no Rio de Janeiro (RJ).

Geração Y

Os jovens empresários desejam “fazer a diferença”. Proporcionar um “bem social” é especialmente importante para os integrantes da Geração Y (ou millenials) do Brasil (81%) e da África do Sul (80%). Os entrevistados na Suíça (24%), Austrália (20%) e França (19%) dizem que a felicidade dos empregados é um fator de motivação, enquanto 34% diz que começaram um negócio no intuito de serem donos de seus próprios destinos. Os resultados estão no relatório Sage’s Walk With Me, elaborado a partir de uma pesquisa conduzida pela Sage com 7.400 empreendedores de 18 a 34 anos, em 16 países.

Em relação ao equilíbrio entre vida profissional e pessoal, 66% afirma valorizar o lazer ao trabalho. Para os entrevistados no Brasil (71%), Austrália (70%), Bélgica (70%), Cingapura (73%) e Suíça (70%), a redução na jornada de horas trabalhadas e a possibilidade de antecipar a aposentadoria são fatores considerados importantes.

Caíram em desgraça

Bastou Dias Toffoli mandar soltar o ex-ministro das Comunicações Paulo Bernardo – preso em uma flagrante ilegalidade (e olha que esta coluna não nutre qualquer simpatia por Bernardo) – para a turma da direita paga para atuar nas redes sociais atacar o ministro do Supremo com ironias e insinuações.

É uma turma raivosa e vingativa. O ex-presidente do STF Joaquim Barbosa era endeusado – por causa do julgamento do mensalão – até dar declarações classificando como golpe o processo de impeachment. Passou a ser hostilizado desde então.

A direita está reforçada, pois, com a censura aos sites críticos a Michel Temer, o governo tirou R$ 11 milhões em propaganda das publicações. Como em nenhum momento falou-se que a verba seria cancelada, é bem provável que tenha irrigado as mídias chapa-branca, incluindo as milícias das redes sociais.

Rápidas

A Associação dos Advogados de São Paulo (AASP) vai oferecer em julho opções de entretenimento, lazer e cultura para aqueles que frequentam o Centro de São Paulo. Serão eventos como um bate-papo descontraído sobre a obra O Idiota, de Dostoiévski (dia 12) ou a oficina Ecobag, onde cada criança vai criar e pintar sua própria bolsa ecológica (15). Tudo acontecerá na sede da Entidade (Rua Álvares Penteado, 151, próximo às estações São Bento e Sé do metrô) *** Neste sábado, o Soul Kitchen e a MOO realizam mais uma edição carioca do Soul Burger, evento que reúne hambúrgueres, cervejas importadas e artesanais e música. Será no Quiosque Drink Café, ao lado do Parque dos Patins, na Lagoa.

Artigo anteriorConhecimento na lata do lixo
Próximo artigoChapa branca
Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

Batendo palma para maluco dançar

CPI precisa ser ágil para não deixar governistas propagarem mentiras impunemente.

Cristiano Ronaldo, Coca-Cola e Nelson Rodrigues

Atitude do craque português realmente derrubou ações da companhia de bebidas?

Empresa pode dar justa causa a quem não se vacinar?

Advogado afirma que companhias são responsáveis pela saúde no ambiente de trabalho.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Resultado do Dia dos Namorados confirma recuperação dos shoppings

Levantamento revela alta de 134,4% nas vendas da data comemorativa.

Imóveis de um quarto são os mais rentáveis para investidor

Bairros com maior rentabilidade para investidores não estão localizados no centro das cidades.

Quase 40% da população tem alguma dificuldade de acesso à água

Segundo o IBGE, em 2019, num total de 2,6% da população, algumas famílias vivem em domicílios sem banheiro.

Reflexões

Por Edoardo Pacelli.