Sindicalista denuncia ameaça de morte

O presidente do Sindicato dos Bancários, Vinicius de Assumpção registrou queixa ontem na 1ª Delegacia Policial por causa ameaça, que ele considera de morte, feita por um policial militar à paisana que trabalha como segurança do Bradesco na avenida Rio Branco, no centro do Rio. Ao entrar na agência, Assumpção disse ao policial que ele deveria proteger a população contra os bandidos e não reprimir a greve dos trabalhadores.
O guarda, que atende pelo nome de Jorge, teria respondido que os seguranças “fariam a sua parte” e que tratariam pessoalmente do sindicalista após o fim da greve. “Perguntei se aquilo era uma ameaça e ele respondeu que seu recado havia sido claro”, relatou o presidente do sindicato.
Assumpção acrescentou que se sentiu “ameaçado, porque é notória a violência de determinados policiais no Rio de Janeiro que são matadores profissionais, embora ele tenha feito tudo de forma sutil para se proteger de uma denúncia”.
O sindicato denunciou que há uma tendência clara de recrudecimento por parte dos patrões. “Em todo o país os bancos estão partindo para a truculência porque estão desesperados com o sucesso da greve, mas nós não vamos retroceder, queremos uma nova negociação mas não abrimos mão de um reajuste salarial justo”, frisou Assumpção.

Escalada

Os sindicalistas recordam que primeiramente vieram a intransigência, a negativa em negociar. Depois, os bancos tentaram diminuir o impacto da greve. Num terceiro momento vieram os chamados “interditos proibitórios” – ou seja, atos destinados a impedir total ou parcialmente a ação dos representantes da categoria – e, agora, nos últimos dias, a violência, através de ameaças aos bancários e com o uso da força policial para inibir a greve.
No Rio, policiais à paisana, que fazem a segurança particular dos bancos, estão usando de truculência com os bancários. O sindicato voltou a denunciar a política de segurança da governadora Rosinha, que deixa de proteger a sociedade para usar a polícia contra a greve, um direito legítimo dos trabalhadores.
Em São Paulo, a Polícia Militar (PM) usou de violência contra os bancários em greve. O pior caso aconteceu no ABN Amro Real, na avenida Paulista, onde um bancário e um dirigente sindical foram feridos e outros quatro acabaram presos.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Falta de servidores traz prejuízo, inclusive financeiro

Fila de segurados no INSS vai engrossar precatórios em R$ 11 bilhões.

Desmonte do Estado se dá pelas beiradas

Miçangas e espelhos empurram reformas administrativas nos municípios.

O que vale pros precatórios vale pra dívida interna?

Se calotes são defensáveis, poderiam ser estendidos para os títulos públicos.

Últimas Notícias

Distribuição comercial: quais cláusulas e condições mais importantes?

Por Marina Rossit Timm e Letícia Fontes Lage.

Mercado corre do risco em momento de estresse

Se tem uma coisa que o mercado é previsível é com relação ao seu comportamento em momentos de estresse é aversão ao risco. “Nessa...

Petrobras: mais prazo de inscrição no novo Marco Legal das Startups

Interessados em participar do primeiro edital da Petrobras baseado no novo Marco Legal das Startups (MSL) poderão inscrever-se até o dia 12 de dezembro....

Canal oficial para investidor pessoa física na B3

A partir desta sexta-feira, a nova área logada do investidor da B3, lançada em junho, passa a ser o canal que centraliza todas as...

Fitch Ratings atualiza metodologia de Rating de Seguros

A Fitch Ratings, agência de classificação de risco, publicou nesta sexta-feira relatório de atualização de sua Metodologia de Rating de Seguros. Segundo a agência,...