Sindicalista denuncia ameaça de morte

O presidente do Sindicato dos Bancários, Vinicius de Assumpção registrou queixa ontem na 1ª Delegacia Policial por causa ameaça, que ele considera de morte, feita por um policial militar à paisana que trabalha como segurança do Bradesco na avenida Rio Branco, no centro do Rio. Ao entrar na agência, Assumpção disse ao policial que ele deveria proteger a população contra os bandidos e não reprimir a greve dos trabalhadores.
O guarda, que atende pelo nome de Jorge, teria respondido que os seguranças “fariam a sua parte” e que tratariam pessoalmente do sindicalista após o fim da greve. “Perguntei se aquilo era uma ameaça e ele respondeu que seu recado havia sido claro”, relatou o presidente do sindicato.
Assumpção acrescentou que se sentiu “ameaçado, porque é notória a violência de determinados policiais no Rio de Janeiro que são matadores profissionais, embora ele tenha feito tudo de forma sutil para se proteger de uma denúncia”.
O sindicato denunciou que há uma tendência clara de recrudecimento por parte dos patrões. “Em todo o país os bancos estão partindo para a truculência porque estão desesperados com o sucesso da greve, mas nós não vamos retroceder, queremos uma nova negociação mas não abrimos mão de um reajuste salarial justo”, frisou Assumpção.

Escalada

Os sindicalistas recordam que primeiramente vieram a intransigência, a negativa em negociar. Depois, os bancos tentaram diminuir o impacto da greve. Num terceiro momento vieram os chamados “interditos proibitórios” – ou seja, atos destinados a impedir total ou parcialmente a ação dos representantes da categoria – e, agora, nos últimos dias, a violência, através de ameaças aos bancários e com o uso da força policial para inibir a greve.
No Rio, policiais à paisana, que fazem a segurança particular dos bancos, estão usando de truculência com os bancários. O sindicato voltou a denunciar a política de segurança da governadora Rosinha, que deixa de proteger a sociedade para usar a polícia contra a greve, um direito legítimo dos trabalhadores.
Em São Paulo, a Polícia Militar (PM) usou de violência contra os bancários em greve. O pior caso aconteceu no ABN Amro Real, na avenida Paulista, onde um bancário e um dirigente sindical foram feridos e outros quatro acabaram presos.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

Se mirar Nordeste, Bolsonaro atingirá o próprio pé

Região tem menor média de casos e óbitos causados pela Covid.

Neodefensores do trabalhador ignoraram crise

Desemprego já era estratosférico em 2019, e apoiadores de Guedes nem ligavam.

Argentina fechará com China parceria do Cinturão e Rota

Iniciativa pode ser pontapé inicial para desenvolvimento e integração da América Latina.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

BC altera norma para segunda fase do open banking

Medida complementa regulamentação que estabelece requisitos técnicos de fase que vai permitir compartilhamento de dados e transações de clientes.

Confiança do consumidor medida por Michigan ficou abaixo do esperado

Índice registrou leitura de 86,5 na prévia de abril e o esperado era 89.

Escolha de conselheiros da ANPD preocupa por conflito de interesses

Entre os indicados há diretores e encarregados de dados pessoais de grandes empresas da internet.

Exterior abre em alta e futuros no Brasil operam com cautela

China atinge crescimento de 18,3%; na Europa, Índice de Preços ao Consumidor amplo de março teve avanço de 1,3% ao ano.

Estaleiro de SC investe meio milhão em linha de produção exclusiva

Estaleiro irá entregar até quatro vezes mais rápido e atender à crescente procura por embarcações novas.