Sintonia

A reunião eleitoral no Claro Hall, noticiada quarta-feira por essa coluna, não é fato isolado. Em Miguel Pereira, cidade da Centro-Sul do Rio de Janeiro, o prefeito Roberto de Almeida reuniu contratados pela prefeitura na Associação Atlética Boavista para, digamos, estimular o voto na chapa Frankstein – Lula, Sérgio Cabral e Dornelles.

O desafio de Heloísa
Independentemente do resultado que venha a colher nas urnas, a candidata do PSOL à presidência da República, senadora Heloísa Helena, é credora de contribuição ainda imensurável, mas desde já indispensável: buscar romper a polarização dos siameses PT/PSDB. De fato, num país que detém a triste condição de ser a quinta nação mais desigual do mundo, soava como expressão mais acabada da razão cínica que a luta eleitoral congelasse como um dogma a principal causa da nossa tragédia social: uma política econômica que condena o Brasil a não crescer, em média, acima de 2,2% ao ano, por já cerca de uma década e meia.
Sua campanha decolou alavancada pelo clamor nacional de reconstituição dos padrões republicanos na política nacional. Sua participação ativa nas CPIs e sua coerência com os princípios e propostas que levaram Lula ao poder lhe deram visibilidade nacional, transformando-a num desaguadouro para muitos brasileiros que, restritos aos siameses, se sentiriam excluídos do processo eleitoral. Um país que se pretende uma nação, no entanto, não se restringe à necessidade indispensável de ter dirigentes probos; demanda líderes, preferencialmente estadistas, portadores da capacidade de liderar um projeto nacional.
Depois de escalar geometricamente as pesquisas, a senadora, com o início do horário eleitoral, viu-se diante do desafio de produzir, em pouco mais de um minuto, um discurso que a distinguisse dos seus adversários, portadores de verdadeiros latifúndios de tempo no horário eleitoral, sem restringir sua campanha ao discurso moralista ou messiânico. Embora a clamorosa desproporção de forças já fosse obstáculo suficientemente poderoso para ser furado por um partido ainda em construção, a candidata do PSOL poderia ter construído condições mais favoráveis para travar esse enfrentamento se calibrasse melhor seu discurso. Para isso, era necessário concentrá-lo nos aspectos essenciais da política econômica que a diferenciam de Lula e Alckmin, como a denúncia da tentativa de desmonte da Previdência, do arrocho fiscal que paralisa os investimentos, dos juros elevados e da mercantilização da Saúde e da Educação.
Apesar do tempo escasso e, principalmente, da ação avassaladora da mídia que reduziu a cobertura eleitoral à polarização de iguais, Heloísa nem sempre aproveitou da melhor forma as brechas existentes. Além disso, nos últimos dias os chamamentos a votos “úteis” dos dois siameses que, ironicamente, apesar do mesmo DNA, se apresentam como a única antítese da sua cara metade, são alimentados por interesses muito mais poderosos que as forças que o PSOL pode mobilizar, o que pode fazer com que sejam sugados apoios até então anunciados.
Apesar dessas limitações políticas e independentemente do tamanho com que saia das urnas, a senadora ocupou importantes espaços no vácuo aberto pela capitulação do PT. Heloísa, agora, precisa entender seu papel nessas eleições como o do jardineiro que planta suas primeiras sementes. Para que floresçam, precisam ser cuidadas, o que, a partir de 2007, significa ampliar o campo político – e não apenas eleitoral – para construir uma alternativa mais efetiva para os que desejam um país muito além da reducionista combinação do paraíso dos rentistas e especuladores com o do sopão do Bolsa-Família.

Poder naval
O Museu Naval, no Rio de Janeiro, será reaberto à visitação pública nesta quinta-feira, funcionando de terça a domingo, das 12h às 17h. Sediado em um prédio de mais de 100 anos, no Centro da capital, o museu volta ao cenário cultural da cidade com uma nova exposição permanente, O Poder Naval na Formação do Brasil. Também será apresentada a mostra temporária Retratos Marinheiros. Ingressos R$ 4 (R$ 2 para estudantes e pessoas acima de 60 anos); informações pelo telefone (21) 2104-5506.

Gestão
A empresária e professora Rosangela Catunda lança nesta quinta o livro Benchmarking – Uma ferramenta para a excelência da gestão (Editora Fundo de Cultura). A partir de 19h, na Livraria Letras e Expressões (Av. Ataulfo de Paiva, 1292, loja C, Leblon, RJ).

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorMarajás
Próximo artigoSubmersão eleitoral

Artigos Relacionados

Engie valerá R$ 2,5 bi a mais após acordo com Aneel

Semana passada, o Monitor noticiou que a proposta da Aneel de repactuação do risco hidrológico (GSF) deixaria a conta a ser paga pelo pequeno...

Apelo de Biden ao multilateralismo fica sem crédito

Na ONU, presidente dos EUA desmente mundo dividido em blocos rígidos.

Fintechs e bancos disputam quem cobra mais

‘Não temos vergonha de sermos bancos’, diz Febraban; mas deveriam.

Últimas Notícias

#Occupy Bovespa

Um mês depois de o MST ter-se lançado na Bolsa, MTST ocupa B3, para protestar contra Bolsonaro, especulação, fome e desemprego.

Copom elevou taxa de juros em 1% para 6,25% ao ano

Aguardamos agora a ata que será divulgada na próxima terça-feira para maiores informações sobre a trajetória da taxa Selic.

Alemanha escolhe sucessor de Merkel no próximo domingo

Eleições deverão ser as mais concorridas dos últimos anos; pesquisas indicam vitória do SPD, social-democrata.

Reajuste salarial fica abaixo da inflação em agosto

Fipe: não houve aumento mediano real como resultado de negociações nos últimos 12 meses; desde setembro, índice tem oscilado de -1,4% a zero.

Clima positivo no exterior deve beneficiar índice Bovespa

Mercado internacional opera no positivo motivado por noticiário sobre Evergrande.