Situação e oposição se unem na Alerj contra o coronavírus

Projetos levam assinatura de 10, até 20 deputados, em favor do estado.

Decisões Econômicas / 15:26 - 30 de abr de 2020

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

A união faz a força. Desde que começou a pandemia do novo coronavírus, os deputados estaduais, sob o comando do presidente da Casa, André Ceciliano (PT), deixaram as rixas políticas de lado e assinam projetos de lei conjuntos com medidas de combate à pandemia e em favor da economia do estado. Virou rotina nas últimas semanas projetos assinados por cinco, dez, 20 deputados. Alguns unem representantes da situação e da oposição em defesa de uma proposta. As mensagens do governo, que tantas polêmicas e discussões causam no Legislativo estadual, também estão tendo aprovação quase unânime. Fato inédito!

Deputado Carlos Caiado

Zona Oeste pede hospital de campanha

O deputado Carlos Caiado (DEM) enviou ofício ao prefeito Marcelo Crivella solicitando a construção de um hospital de campanha para pacientes com coronavírus. Ele argumenta que na região há muitos terrenos vagos que podem ser usados para isso. Cita Guaratiba, seu reduto eleitoral, como local ideal. O fato é que a Zona Oeste tem hospitais públicos que já apresentavam problemas antes da pandemia, com superlotação e faltas de leitos de UTI. E a região é uma das que tem apresentado mais casos confirmados da doença.

 

Vereador pode ficar sem reeleição

O vereador carioca Marcello Siciliano pode ser impedido de disputar a reeleição. Ele deixou para a última hora da janela partidária para trocar de partido. Ele pediu desfiliação ao PP e se filiou ao Podemos. O PP aceitou sua saída, mas o Podemos acabou barrando sua entrada. O prazo para troca partidária acabou, e ele ficou no meio do caminho, no vácuo. A legislação atual não permite candidaturas avulsas para vereador. Para concorrer, tem estar filiado a algum partido.

Vereador Jorge Felippe

Câmara economiza para ajudar no combate

A Câmara Municipal do Rio, com o apoio de todos os vereadores, definiu um conjunto de ações administrativas com a finalidade de reduzir os gastos mensais da instituição. Segundo o presidente da Casa, vereador Jorge Felippe, as medidas vão gerar uma economia mensal de, aproximadamente, R$ 1 milhão, reforçando o orçamento do município na luta contra a pandemia. Entre as medidas a serem adotadas, está a redução ou a suspensão temporária de contratos e serviços enquanto durar a pandemia ou o estado de calamidade pública na cidade. Em março, a Câmara já tinha devolvido à prefeitura R$ 20 milhões relativos ao pagamento de dívidas antigas que o Poder Executivo tinha com o Poder Legislativo.

 

Ampliação do Cartão Família Carioca

A Câmara Municipal do Rio também aprovou projeto de lei que amplia o rol de beneficiários do Cartão Família Carioca em tempos de pandemia do novo coronavírus e incluiu no programa trabalhadores autônomos, ambulantes ou informais e microempreendedores individuais.

 

Comissão vistoria BRT

A Comissão de Transportes da Câmara Municipal do Rio fez uma vistoria no terminal Alvorada do BRT. O vereador Luiz Carlos Ramos (PMN), membro da comissão, disse que foi conferir reclamações de usuários sobre a lotação dos ônibus, contrariando decisão da prefeitura. Outros dois membros da comissão, os vereadores Alexandre Isquierdo (DEM) e Major Elitusalem (PSC), também foram. O trio saiu satisfeito com as explicações do consórcio BRT, mas os ônibus continuaram saindo lotados.

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor