Sob vigilância

Com o estouro da crise, dez governos já foram apeados do poder na Europa, nos últimos dois anos. Apesar da alta rotatividade, as políticas das administrações derrotadas foram mantidas e, não raro, aprofundadas pelos sucessores beneficiados pela impopularidade justamente por essas propostas. Por isso, na França, apesar da impopularidade do presidente Nicolas Sarkozy, a parada não está totalmente definida a favor de François Hollande, cujo Partido Socialista (PS), apesar do nome, quando no poder, aplicou política neoliberais. Assim, o apoio dos eleitores do candidato da Frente de Esquerda, Jean-Luc Mélenchon, a Hollande deve ser bastante crítico. Como disse o psicanalista e cineasta Gérard Miller, ao declarar seu voto a Mélenchon e comparar os integrantes do PS a crianças que precisam ser vigiadas: “Quando não tem ninguém mais à esquerda deles, acabam indo na direção da direita.”

Prioridade retórica
A aprovação da política de cotas pelo Supremo Tribunal Federal (STF) confirma que, nas principais áreas decisórias tupiniquins, o foco é no ingresso e não nas razões da vergonhosa qualidade do ensino no país, principalmente, no fundamental. Aparentemente desconhecendo que o conhecimento é processo cumulativo, Executivo, Legislativo e Judiciário, ao mesmo tempo, em que fazem vista grossa à calamidade que predomina no primeiro contato dos brasileiros com a escola, gastam a maior parte da suas energias para melhorar estatísticas dos ingressantes no ensino superior.
Assim, tem-se a contradição de a nação que inventou o analfabeto funcional criar artifícios para garantir a quem não foi ensinado ler, escrever ou operações básicas de matemática seu diploma universitário. E, nos casos em que isso era desnecessário, reforçar o jogo de soma zero, descolando para as universidade$ privada$ candidatos caroneados pelos que obedecem a critérios raciais, sociais ou esotéricos, forjados, em geral, a partir de concepções não brasileiras. Apesar do discurso recorrente de que, com as cotas, “os filhos dos pobres ocupariam as vagas dos ricos”, todo brasileiro que não perdeu o contato vital com a realidade sabe que os filhos da elite nacional, há muito, fazem suas graduações e pós-graduações no exterior, onde, também, passam por processos de ressocialização para manter um crescente distanciamento do Brasil real.
No discurso, todos os envolvidos, no entanto, apontam a educação como a prioridade número um do Brasil Ao se tentar dar consequência prática a essa declaração coletiva de princípios, porém, começam os problemas. Quem propõe elevar o orçamento do setor para 10% do PIB, ouve que “não existe dinheiro”. Se sugere que apenas parte das verbas desviadas para a gastança com juros (superávit primário), estimada em cerca de R$ 80 bilhões para 2012, seja repassada para a educação, escuta que isso seria “irresponsabilidade fiscal”. Ou seja, a exemplo, de várias outras prioridades nacionais, como a saúde e a reforma agrária, a educação continua a ser fundamental na retórica, mas desde que não se passe à prática, nem muito menos venha a disputar verbas com outras prioridades verdadeiramente prioritárias, como o Bolsa Juros, que, apenas no primeiro ano do governo Dilma, foi contemplado com cerca de R$ 210 bilhões. E, neste caso, ninguém alegou que não existiria verba…

LED
Com formação em engenharia e marketing, Everton Mello vai substituir Roger Michaelis como o novo CEO da Osram no Brasil, numa mudança gradual, que terá início no próximo mês. Um dos seus maiores desafios será a transição para a tecnologia de luz digital (LED). Na Osram desde 1990, Mello tem passagem pela gerência de marketing à frente da divisão principal de produtos no Brasil, tendo atuado em cinco outros países.

Respiro
A Associação Brasileira da Indústria Têxtil (Abit) parabenizou o Senado pela aprovação do substitutivo da Comissão de Assuntos Econômico(CAE) do Projeto de Resolução da Casa que unifica em 4% as alíquotas interestaduais do ICMS, a partir de 1º de janeiro de 2013. “Era inaceitável continuar com a guerra dos portos”, destacou o presidente da Abit, Aguinaldo Diniz Filho, observando que, em 2011, os estados que ofereceram benefícios fiscais responderam por 62% do volume de importações de têxteis e confeccionados, totalizando US$ 3,5 bilhões.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorEutanásia
Próximo artigoNem Dionísio

Artigos Relacionados

Bolsonaro invade TV Brasil

Programação foi interrompida 208 vezes em 1 ano para transmissão ao vivo com o presidente.

FMI: 4 fatores ameaçam inflação

Fundo acredita que preços deem uma trégua no primeiro semestre de 2022, mas...

Pandora Papers: novos atores nos mesmos papéis

Investigação mostra que pouco – ou nada – mudou desde 2016.

Últimas Notícias

Funcionalismo público: críticas e realidade da categoria

Por Relly Amaral Ribeiro.

Scheer Churrasqueiras dobra vendas na pandemia

Empresa lançou 25 itens em sua linha residencial.

RJ terá receita extra de R$ 100 bilhões

Uma receita extra de R$ 100 bilhões nos próximos dez anos é o que prevê o governo do Estado do Rio de Janeiro com...

Forte recuperação do seguro Viagem

O seguro Viagem continua a mostrar recuperação depois de um forte período de quedas devido à pandemia da Covid-19 e às restrições impostas como...

CNseg aponta vetores de impacto da economia nos próximos meses

Os vetores prós e contra o crescimento do PIB do país em 2021 e em 2022 são relacionados na nova edição (nº 56)...