Socialismo bolivariano

O anúncio da nacionalização dos setores de eletricidade e de telecomunicações venezuelanos que escandalizou os que não se impressionam com o medíocre crescimento brasileiro dos últimos 16 anos fazem parte do que o presidente Hugo Chávez batizou, no discurso de posse do seu novo governo, de “os cinco motores constituintes para construir o socialismo”. Para Chávez, o primeiro eixo da nova fase da revolução boliavariana é a Lei de Habilitação, que permitirá ao Executivo legislar sobre as matérias necessárias para avançar nas mudanças até o socialismo.
O segundo eixo passa por uma profunda reforma da Constituição, para permitir a modificação dos artigos dos capítulos econômico e político que possam dar lugar “a equívocos devido a sua redação”. Como terceiro motor da revolução bolivariana, Chávez apontou a jornada nacional Moral e Luzes, uma campanha de educação moral, econômica, política e social que, além das escolas, se estenda às fábricas, aos campos e aos movimentos sociais.

Realidade
O presidente venezuelano apontou como quarto ponto “a geometria do poder”, definida por ele como uma nova forma de distribuição dos poderes político, econômico, social e militar no espaço nacional. O objetivo é revisar a distribuição político-territorial do país e gerar a construção dos sistemas de cidades e territórios federais: “Essa proposta representa uma inovação na busca de uma forma que se adapte muito mais a nossa realidade e as nossas aspirações”, destacou Chávez, que pediu aos governadores e prefeitos que participem do debate dessa proposta.

Projeto nacional
A “explosão revolucionária de poder comunitário” foi apontado por ele como o quinto motor constituinte, o qual, segundo Chávez, “tem maior força e dependerá do êxito dos anteriores eixo revolucionários dessa nova era da administração pública”: “Entramos plenamente no tempo de construção do projeto nacional Simón Bolívar, que requererá um fundamento sólido. O que temos feito até agora é construir um piso sobre o qual construiremos o edifício, o projeto socialista bolivariano”, destacou.

Funeral fiscal
Não foi apenas esta coluna que apontou a inexistência de punição para governantes que atrasem salários como um epitáfio da Lei de Responsabilidade Fiscal. Um dia depois, o prefeito do Rio, César Maia (PFL), também destacou em seu blog que se o Ministério Público não representar contra os governadores que deixarem de pagar salários ao funcionalismo isso representará “o funeral definitivo da LRF”: “O que fará o MP? Como em 2002, a LRF estreava em relação aos governadores, pode ser que isso explique. Mas vamos ver agora, se o MP vai acioná-los. Se não for assim a LRF é de brincadeirinha. E não há fiscal da lei para o que é relevante em relação aos governos”, atestou César.

Código
Termina nesta quinta o prazo – sucessivamente adiado – para as empresas se adequarem ao novo Código Civil. As companhias devem realizar alteração contratual e se adequar ao novo sistema. As que não se adaptarem às novas regras pedem ter problemas para realizar compras a prazo ou contratar financiamentos e empréstimos bancários, bem como ficarão impedidas de participar de licitações públicas.

Câmbio
O dólar barato tem seus defensores: as empresas importadoras de equipamentos e produtos médico-hospitalares comemoram o crescimento – que deve chegar a 15% – no ano passado e prevêem expansão de 10% em 2007, “desde que o cambio permaneça no mesmo nível”, destaca o presidente da Abimed (associação que congrega os importadores), David Neale. O setor espera ter fechado 2006 como importações de US$ 1,8 bilhão.

Grande irmão
Para infelicidade dos telespectadores, já está no ar a enésima edição do Big Brother Brasil. Para sorte dos funcionários da Eletro-Saúde, uma possível reprodução da vigilância por câmeras nos escritórios do plano parece ter sido abortada. No apagar das luzes de 2006, meio que por acaso, descobriu-se que o superintendente da entidade, José Eduardo Mendonça, comprara um sistema de câmeras. Agora, o novo presidente da Eletros decidirá se desinstala o sistema ou que utilidade dará a ele.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorTijolo furado
Próximo artigoBNDES financia DaimlerChrysler

Artigos Relacionados

Engie valerá R$ 2,5 bi a mais após acordo com Aneel

Semana passada, o Monitor noticiou que a proposta da Aneel de repactuação do risco hidrológico (GSF) deixaria a conta a ser paga pelo pequeno...

Apelo de Biden ao multilateralismo fica sem crédito

Na ONU, presidente dos EUA desmente mundo dividido em blocos rígidos.

Fintechs e bancos disputam quem cobra mais

‘Não temos vergonha de sermos bancos’, diz Febraban; mas deveriam.

Últimas Notícias

Copom elevou taxa de juros em 1% para 6,25% ao ano

Aguardamos agora a ata que será divulgada na próxima terça-feira para maiores informações sobre a trajetória da taxa Selic.

Alemanha escolhe sucessor de Merkel no próximo domingo

Eleições deverão ser as mais concorridas dos últimos anos; pesquisas indicam vitória do SPD, social-democrata.

Reajuste salarial fica abaixo da inflação em agosto

Fipe: não houve aumento mediano real como resultado de negociações nos últimos 12 meses; desde setembro, índice tem oscilado de -1,4% a zero.

Clima positivo no exterior deve beneficiar índice Bovespa

Mercado internacional opera no positivo motivado por noticiário sobre Evergrande.

Evergrande, Fed e Copom

Bovespa encerrou o segundo dia de alta com +1,84% e índice em 112.282 pontos, mas na máxima chegou a atingir 113.321 pontos.