Stellantis mira na eletrificação

Grupo lançará Jeep 100% elétrico no início do ano que vem.

Durante a apresentação do plano estratégico do Grupo Stellantis até 2030, em Amsterdã (Holanda), o CEO Carlos Tavares antecipou o primeiro Jeep 100% elétrico, que será lançado no primeiro semestre de 2023. A ideia do grupo é utilizar nele a plataforma CMP, do Grupo PSA, e usada nos Peugeot 208 e 2008 e Citroën C3. Seria a solução para todos os carros compactos, porque trata-se de uma arquitetura moderna, que aceita versões elétricas. Outros dois modelos totalmente elétricos serão lançados até 2025 – um SUV médio e um modelo off-road.

Carlos Tavares (foto divulgação Stellantis)
Carlos Tavares (foto divulgação Stellantis)

O futuro das marcas sobre o guarda-chuva Stellantis (Fiat, Jeep, Chrysler, RAM, Opel, Peugeot e Citroën) será a eletrificação. O conglomerado pretende expandir dos atuais 19 para 45 elétricos até 2024 e mais de 70 modelos até 2027. Outra meta é ter 100% de seus carros na Europa e 50% nos EUA elétricos até 2030.

O mercado brasileiro não foi citado, mas a marca já havia antecipado que um elétrico está a caminho. Especula-se que seja a versão 4xe do Jeep Compass.

 

PL7 faz novas ‘vítimas’, e Volks atualiza portfólio

No Brasil, a eletrificação ainda engatinha, mas pelo menos as novas regras de emissões iniciam uma nova era de carros menos poluentes. Por causa disso, Fiat, Honda, Renault e até a Volvo, entre outras, tiveram de mudar seus portfólios para se adequar à nova fase do Proconve, a L7. É mais rigorosa que regras europeias, para se ter ideia, e vale tanto para modelos nacionais quanto importados.

Recentemente, a Volkswagen anunciou atualizações de suas linhas para atender às novas normas. O PL7 exigiu novos testes e análises para reduzir as emissões em, no mínimo, 38% para compostos orgânicos voláteis e óxidos de nitrogênio, em 23% para monóxido de carbono e em 25% para aldeídos em relação à legislação anterior, o PL6.

Para isso a Volks promoveu atualizações de softwares de motor, transmissão e ar-condicionado, sistemas de combustível, escapamento e catalisadores, além de incluir Start-Stop e ar-condicionado Climatronic para quase todos os modelos. Também melhorou aerodinâmica dos carros e ampliou a adoção de pneus com compostos de baixa resistência ao rolamento (ou pneus verdes).

Essas mudanças consumiram parte do investimento de R$ 7 bilhões que a Volkswagen realiza na América Latina até 2026.

Fábrica - Gol (foto divulgação Volkswagen)
Fábrica – Gol (foto divulgação Volkswagen)

Veterano motor 1.6 dá adeus

Entre as baixas, os modelos Gol e Voyage deixam de ter o motor 1.6 8V (EA111) e 1.6 16V (EA211). Com isso, hatch e sedã agora só estão à venda com uma opção de motor: o três cilindros 1.0 12V de até 84cv de potência com câmbio manual de 5 velocidades. Já a picape Saveiro, com a carroceria de cabine simples e dupla, manteve o motor 1.6 16V de 116cv.

Esse mesmo motor deixa de ser oferecido em Polo e Virtus. Enquanto o hatch conta com opções de motor 1.0 aspirado, o sedã parte da 1.0 turbo (200 TSI) também ofertado no Polo, além da versão esportiva GTS para ambos com motor 1.4 turbo. Todas as versões Comfortline e Highline passam a vir de série com o sistema Start-Stop, que desliga e liga o motor automaticamente quando o carro para.

Por fim, a Volks informa que o motor 250 TSI do Taos passou por novas calibrações que o deixaram mais eficiente, assim como o motor V6 da picape Amarok (que perdeu 1cv e agora rende 257cv) e o 350 TSI 2.0 disponível no Jetta GLI – o sedã agora entrega 231cv (houve 1cv de ganho).

 

Caoa tira três modelos de linha

Sem alarde, a Caoa tirou de campo três carros, dois da Hyundai e um da Chery, todos montados no Brasil, por não atenderem às novas normas do Proconve L7. Dois deles saem de cena – o ix35 e o Tiggo 2 – enquanto o Tucson teria sua produção suspensa.

Produzido em Anápolis (GO), ix35, sem substituto, não justificaria maiores investimentos. Já o Tucson, que sai da mesma planta, tem planos de ser renovado ainda para este semestre.

Fabrica em Jacarei (foto divulgação CAOA Chery)
Fabrica em Jacareí (foto divulgação CAOA Chery)

Tiggo 2 também dá adeus

O Grupo Caoa também aposenta o primeiro Chery que lançou no país, em 2018: o Tiggo 2. Com produção em Jacareí (SP), o compacto perdeu espaço para o SUV Tiggo 3x, lançado em 2021, mais moderno e eficiente – traz motor turbo 1.0 de 102cv. O motor aspirado 1.5 de 115cv do Tiggo 2 não atende às novas normas de emissões.

Lucia Camargo Nunes
Economista e jornalista especializada no setor automotivo. [email protected]

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Indústria naval apresenta propostas para eleições 2022

Setor quer deixar para trás maré ruim dos últimos 7 anos

A Rota dos Vinhos do Tejo

Degustação apresenta a riqueza e diversidade da histórica e ainda desconhecida produção.

Fiat lança furgão Scudo com motor turbodiesel ou elétrico

Veículo para a última fase de entrega de produtos.

Últimas Notícias

Ford Brasil: Centro global de exportação de serviços de engenharia

Projetos de ponta voltados ao futuro da mobilidade, como veículos elétricos, autônomos e conectados. 

Senado vai analisar vetos na Lei Aldir Blanc

Existe uma fila de 36 vetos aguardando votação dos senadores e deputados

Caixa: desconto de até 44% para regularizar penhor em atraso

As unidades com serviço de penhor disponível podem ser consultadas no site da Caixa

Índice de Preços ao Produtor (IPP) sobe 1,83% em maio

Das 24 atividades analisadas, 21 tiveram alta de preços

Acqio inclui transações via Pix em suas soluções de pagamento

Em abril os pagamentos feitos via Pix atingiram a marca histórica de 11,5%, no comércio eletrônico