STF e a imunidade do ITBI e incorporação de bens imóveis

Por Fernando Lima e Pedro Rivaldo.

Em setembro de 2020, quando o plenário do Supremo Tribunal Federal analisou o alcance da imunidade tributária do ITBI em integralizações de capital por meio de imóveis – RE 796.376/SC, Tema 796 da Corte Suprema – assentaram, os ministros, duas linhas de raciocínio, acerca da interpretação do art. 156, §2º, inciso I da CF/1988.

Não obstante o voto do ministro relator tenha sido no sentido da imunidade ampla ao capital que é incorporado ao patrimônio da empresa – ainda que este exceda o limite do capital social a ser integralizado – o voto que capitaneou a tese fixada (ministro Alexandre de Moraes) foi no sentido de distinguir o tratamento tributário nos casos de “incorporação de bens em realização de capital” e de “incorporação de bens ao patrimônio”.

Entendendo a realização de capital, no caso em destaque, como a integralização de bens imóveis no capital social da pessoa jurídica, assentou-se que a imunidade tributária do ITBI alcançaria o valor do bem imóvel incorporado até o limite da importância destinada à formação do capital social, sendo o montante excedente – reservas de capital – atingido pela incidência do ITBI.

Impende destacar que tal entendimento é completamente diferente do fundamento apresentado por algumas Fazendas municipais quando, em vez de aferir o ágio existente na incorporação do bem imóvel, utiliza-se como base de cálculo – e justificativa para a incidência do ITBI – a diferença do valor venal do imóvel e o valor atribuído ao imóvel para fins de integralização.

Ainda sobre a interpretação do inciso I, §2º do art. 156, o STF concluiu que, nos casos de incorporação de bens resultante de fusão, incorporação, cisão ou extinção de outra pessoa jurídica, existente a imunidade do ITBI sobre os bens incorporados, desde que a empresa sucessora não exerça atividade preponderantemente imobiliária.

Ressalta-se que tal condição expressa no dispositivo constitucional, no entendimento da Corte Suprema, não se impõe aos casos de integralização do capital social, restringindo-se à hipótese mencionada no tópico anterior.

Assim, a despeito da ausência, na prática, de uniformidade no tratamento, tanto pela administração, como pelo Judiciário, do tema em questão, o STF, por meio do RE 796.376/SC, Tema 796, foi cristalino nas assertivas ali assentadas, existindo, portanto, um caminho jurídico para se buscar o direito do contribuinte nos casos em que a Fazenda Pública não seguir estritamente tal entendimento.

 

Fernando Lima é advogado tributarista do escritório Lavocat Advogados

Pedro Rivaldo é estagiário no escritório Lavocat Advogados.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Perguntas obrigatórias do Brasil aos candidatos

Por Samuel Hanan.

Um mundo sem petróleo é o mito da atualidade

Por José Alexandre Altahyde Hage.

Últimas Notícias

Cruzeiros marítimos estão em busca do tempo perdido

O setor quer recuperar o tempo que a pandemia atrapalhou

Fundos de investimento: R$ 8 bi de captação líquida

Renda fixa foi o destaque do primeiro semestre

Petrobras faz oferta de recompra de títulos globais

Interessados têm prazo até 12 de julho

Inscrições para Prêmio de Inovação em Seguros da CNseg

Premiação acontecerá em dezembro para três categorias

Abavt apresenta propostas para Dpvat

Ministério da Economia cria grupo de trabalho para discutir solução