34.6 C
Rio de Janeiro
domingo, janeiro 17, 2021

Só 10%

O professor de Direito da Universidade de Brasília Roberto Aguiar atacou a política do governo federal para a segurança pública. “O Plano Nacional de Segurança Pública é tratado retoricamente e espasmodicamente. Somente quando há fatos de grande repercussão na imprensa, como a morte de prefeitos, o governo se manifesta”. Para Aguiar, que foi secretário de Segurança Pública do governo Cristóvam Buarque, no Distrito Federal, 10% dos recursos destinados ao Proer (programa de socorro aos bancos) seriam suficientes para a área da segurança no Brasil. “A segurança pública não é prioridade para o governo federal, que ainda tenta transferir aos estados a responsabilidade sobre o assunto, esquecendo-se de seu dever constitucional de tratar da matéria. Os recursos existem, mas são destinados a outros setores, nem sempre prioritários”, protestou.

Prioridades
Diante da escassez de resultados positivos em sete anos de governo para apresentar ao eleitorado, os gurus do tucanato cunharam a expressão “rede de proteção social” para exibirem como sinônimo da suposta compaixão do governo FH por aqueles que governa. Fiel ao roteiro, a Secretaria de Política Econômica do Ministério da Fazenda produziu uma peça publicitária destinada a dourar os gastos sociais do governo. Segundo a secretaria, em 2000 – últimos dados disponíveis nos escaninhos oficiais – os subsídios e renúncias fiscais com finalidades sociais somaram R$ 16,273 bilhões, o que significaria mais 28,8% em relação a 1999, quando foram destinados R$ 872 milhões a esse tipo de finalidade.
Essa, no entanto, está longe de ser a melhor base de comparação para dissecar para quem o presidente FH governa. Contrária ao lema “o que é bom a gente fatura, o que é ruim a gente esconde”, esta coluna lembra que, também em 2000, o governo FH destinou R$ 78,1 bilhões ao pagamento de juros e encargos financeiros. Ou seja, o carinho monetário destinado à banca e aos rentistas superou em 4,6 vezes o que restou para subsidiar o social.

Coke
Paralelo aos sérios temas debatidos no II Fórum Social Mundial, em Porto Alegre, alguma coisa pitoresca aparecia. Nas manifestações e atividades que vão desdobrar o fórum, está previsto até um dia de protesto contra a Coca-Cola, nos Estados Unidos.

Agressão
A Associação Nacional de Jornais (ANJ) distribuiu nota de repúdio “contra as agressões sofridas pelos repórteres fotográficos Daniel Barreto e Mastrangelo de Paula Reino, profissionais da Tribuna Impressa, de Araraquara/SP, quando estavam no exercício da atividade profissional.”
As agressões, que resultaram em lesões corporais e foram seguidas de ameaças de morte, bem como a inutilização de material e equipamento fotográfico do jornal, “demonstram claramente uma tentativa de intimidar a ação da imprensa e desrespeitam o princípio constitucional que assegura a liberdade de imprensa no país”, diz a nota.

Histeria militarista
A isralense Lily Trauban, representante da organização Mulheres de Negro no II Fórum Social Mundial (FSM), deu um depoimento impressionante sobre como o militarismo e o medo fazem parte do dia-a-dia do povo israelense. “O governo faz questão de manter um constante estado de alerta, no qual, a qualquer momento, pode ocorrer um atentado terrorista”, lamenta. Ela contou, ainda, que os militares, principalmente os homens, são valorizados quando prestam o serviço militar e recebem privilégios. O resultado deste treinamento militar é uma crescente violência contra as mulheres. “O número de mulheres assassinadas e agredidas duplicou nos últimos anos”, disse.
Lily conta que os gastos militares são enormes em detrimento da qualidade de vida do povo que a cada dia se torna mais pobre. “A segurança está sempre no centro do poder e a banalização da violência é uma realidade”, disse a israelense, que denunciou ainda o comprometimento dos meios de comunicação, que ignoram os protestos contra a ordem vigente e destacam a necessidade de defesa por armas.

Artigo anteriorOs donos do poder
Próximo artigoPipoca grátis
Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

Grande produtor rural não paga impostos

Agronegócio alia força política a interesses do mercado financeiro.

Não foi a disrupção que derrotou a Ford

Mercado de automóveis está mudando, mas montadora sucumbiu aos próprios erros e à estagnação que já dura 6 anos.

Quantas mortes pode-se debitar na conta de Bolsonaro?

Se índice de óbitos por Covid-19 no Brasil seguisse a média mundial, teriam sido poupadas 154 mil vidas.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Varejo sente redução no auxílio e alta da inflação

Comércio ficou estável em novembro e quebrou sequência de recuperação.

Senado quer que Pazuello se explique

Pedido de convocação para cobrar ação do Ministério da Saúde no Amazonas.

Lenta recuperação na produção industrial dos EUA

Setor ainda está 3,6% abaixo do nível anterior à pandemia.

Realização de lucros em âmbito global

Bolsas europeias e os índices futuros de NY operam em baixa nesta manhã de sexta-feira.

Desaceleração deve vir no começo do primeiro trimestre

Novo pacote de estímulo fiscal, bem como o avanço da imunização, deve garantir reaceleração em direção ao final do período.