Subida de juros assusta investidores

A segunda-feira (24) foi marcada como um dia de aversão a risco com fortes quedas nas bolsas internacionais, observou Jansen Costa, sócio-fundador da Fatorial Investimentos. O índice pan-europeu STOXX 600, o principal de ações da região, caiu 3,8%, marcando seu pior desempenho diário desde junho de 2020.
Nasdaq caía aproximadamente 4% e bolsa norte-americana despencava cerca de 2%. “Um fator importante é que a aversão a risco não influencia nos DIs que continuam caindo. Em momento de aversão a risco geralmente os DIs sobem”, destacou Jansen Costa. Segundo ele, obviamente há um momento de venda nas bolsas internacionais principalmente no S&P 500, que no ano acumula queda expressiva que já está na casa de 10% no último mês, quase batendo 11%. No ano, Nasdaq cai aproximadamente 16% e bitcoin 32%.
Na Europa, saiu o Índice de Gerente de Compras Industrial (PMI) abaixo das expectativas, muito influenciado pelo setor de serviços, que foi impulsionado pela onda forte de casos de Covid com a variante ômicron. Isso vem impulsionando negativamente a confiança dos empresários. Vemos pressão na cadeia produtiva global, com preços dos fretes que continuam elevados.

Motivos

O consultor explica que as bolsas internacionais estão caindo por vários aspectos, principalmente devido à subida de juros em diversos países. Outro fator é que os valuations das empresas internacionais seguem bem esticados, apesar dos lucros cada vez mais altos. “Os valores das empresas estão absolutamente elevados. Outro fator é que a bolsa vem num rally de alta desde 2008 até agora, então tem muito espaço para uma realização”, citou.
Jansen Costa diz que a quantidade de dinheiro no mercado hoje é muito superior ao que se tinha em 2008, por exemplo. Outro motivo é que a retirada dos estímulos no mercado americano faz com que investidores, com medo, comecem a vender suas posições sem parar movidos pelo pânico.
“Temos uma semana recheada de resultados corporativos lá fora. Na quarta-feira, temos definição da taxa de juros com a reunião do FED, Banco Central dos EUA. A expectativa é que não suba os juros, mas mude o tom do FED”, acredita.
No Brasil, poucos papéis se destacavam em alta. “Temos muitos papéis seguindo movimento de queda dos mercados internacionais e fazendo novas mínimas como Localweb e Magazine Luiza”, exemplificou. Por volta das 17h, o Ibovespa marcava 107.287,49 pontos, enquanto a abertura registrava 108.941,15.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Healthtechs e edtechs rivalizam com fintechs por investidores

Startups de saúde e de educação se aproximam das empresas de tecnologia financeira na disputa pelos aportes

FIIs do Hospital da Unimed Campina Grande está sendo negociado na B3

Ativo soma-se ao portifólio de produtos que possibilitam ao investidor qualificado a diversificação de sua carteira

Ações judiciais em todo o país contra a privatização da Eletrobras

Questionados impactos tarifários, transparência e contratos de concessão

Últimas Notícias

Títulos chineses detidos por instituições estrangeiras diminuem

Instituições estrangeiras diminuíram suas participações em títulos interbancários chineses, segundo um relatório divulgado pela sede do Banco Popular da China em Shanghai.

Operações financeiras de Shanghai estão estáveis apesar da epidemia

O centro financeiro da China, Shanghai, conseguiu manter suas operações financeiras estáveis apesar do recente ressurgimento da COVID-19.

Carga de energia aumentou 2,2% em abril ante 2021

ONS: Subsistema Sudeste/Centro-Oeste registra variação positiva de 4,8%.

Quatro em 10 brasileiros pretendem pedir crédito nos próximos 90 dias

Intenção atingiu maior patamar desde junho de 2021; dívidas são o principal motivo.

Healthtechs e edtechs rivalizam com fintechs por investidores

Startups de saúde e de educação se aproximam das empresas de tecnologia financeira na disputa pelos aportes