Sucesso na TV

Roberto Carlos foi o compositor que mais faturou com rendimentos de direitos autorais, ano passado, segundo o Escritório Central de Arrecadação e Distribuição (Ecad), entidade responsável por arrecadar e distribuir os direitos autorais de execução pública musical. Hareton, Marcus Viana e Sergio Saraceni. Em comum, os três têm o fato de comporem para programas televisivos. Ecad informa ter distribuído, em 2002, R$ 112 milhões a milhares de compositores nacionais e estrangeiros representados pelas sociedades brasileiras.

Agrado
O presidente Luiz Inácio Lula da Silva está no caminho certo da austeridade fiscal e conta com uma equipe econômica “soberba”. Os elogios foram feitos por William McDonough, diretor do Fed (Federal Reserve, espécie de banco central independente) de Nova York. Ele elogiou a decisão de elevar a meta de superávit primário (corte de gastos para pagar juros) deste ano de 3,75% para 4,25% do PIB. A linha é “faça o que eu digo, não faça o que eu faço”: nos EUA, com Bush na Presidência, o saldo positivo de US$ 260 bilhões da era Clinton transformou-se em saldo negativo de US$ 230 bilhões.                                                    Além disso, o Fed reduziu os juros para o nível mais baixo em 40 anos, enquanto no elogiado Brasil as taxas continuam subindo, mesmo com o país estagnado.
Para o diretor do Fed, Lula consegue manter políticas austeras sem desagradar à população. O que comprova que o banqueiro norte-americano entende tanto da opinião pública brasileira quanto de samba.

Crise
“Diante de fraquezas fiscais e externas, a política monetária perde eficácia”, assinala o economista-chefe do BicBanco, Luiz Rabi, ao comentar os problemas na economia norte-americana. Os Estados Unidos estão com déficit fiscal e comercial em alta e agora a inflação acrescenta mais um componente à crise. A soma desses problemas faz com que as taxas de juros de longo prazo, lá, tenham caído muito pouco do final de 2000 até agora (de 5,5% para 5% ao ano), enquanto as de curto prazo, fixadas pelo Fed, despencaram de 6,5% para 1,25%. Rabi acrescenta: a lição também vale para nós.

Violência no campo
Em 2002, último ano do governo FH, 38 pessoas foram assassinadas em conflitos por terra. O número é igual ao de 1998 e somente inferior ao de 1996 – ano em do massacre de Eldorado dos Carajás, quando 19 sem-terra foram mortos e 69 feridos – foram registradas 46 mortes. Os dados são da Comissão Pastoral da Terra, que considerou 2002 um ano particularmente violento para os trabalhadores do campo.

Estudo da economista Sandra Quintela, pesquisadora da ONG Políticas Alternativas para o Cone Sul (Pacs), revela que o estoque da dívida externa do Brasil com o Banco Mundial (Bird) caiu apenas US$ 600 milhões, entre janeiro de 1990 e abril de 2002, de US$ 8,6 bilhões para U$ 8 bilhões. Isso apesar de, no mesmo período, o país ter desembolsado US$ 20 bilhões entre amortizações, juros e outros encargos. Somente de juros, foram remetidos US$ 6,3 bilhões ao Bird, quantia equivalente a 78,75% do estoque: “Segundo o deputado federal Walter Pinheiro (PT-BA), a dívida externa brasileira em 1985 era de US$ 10 bilhões e, em 12 anos, o país pagou US$ 236 bilhões de juros e amortizações. Portanto, também foi pago mais do que o principal e a dívida saltou para US$ 236,2 bilhões, representando 40% do PIB em 2000”, acrescenta Sandra.

Papelão
A penúria do funcionalismo público não se restringe à dieta de faquir que caminha para o nono ano, a julgar pela clonagem da política econômica. O economista Paulo Passarinho, da diretoria do Conselho Regional de Economia (Corecon-RJ), conta que esta semana esteve num órgão público federal cuja presidência não dispunha de fax por falta da bobina para o papel.

Quebra de contrato
Passarinho também ratifica os cálculos publicados com exclusividade pelo MM, de que, sem ferir a lei de responsabilidade fiscal, o governo poderia ter concedido um reajuste linear de 43% para o funcionalismo federal ano passado. Apesar dessa folga, o reajuste oficial se limitou a pálidos 3,5%.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorHegemonia em xeque
Próximo artigoOs intocáveis

Artigos Relacionados

Falta de servidores traz prejuízo, inclusive financeiro

Fila de segurados no INSS vai engrossar precatórios em R$ 11 bilhões.

Desmonte do Estado se dá pelas beiradas

Miçangas e espelhos empurram reformas administrativas nos municípios.

O que vale pros precatórios vale pra dívida interna?

Se calotes são defensáveis, poderiam ser estendidos para os títulos públicos.

Últimas Notícias

Distribuição comercial: quais cláusulas e condições mais importantes?

Por Marina Rossit Timm e Letícia Fontes Lage.

Mercado corre do risco em momento de estresse

Se tem uma coisa que o mercado é previsível é com relação ao seu comportamento em momentos de estresse é aversão ao risco. “Nessa...

Petrobras: mais prazo de inscrição no novo Marco Legal das Startups

Interessados em participar do primeiro edital da Petrobras baseado no novo Marco Legal das Startups (MSL) poderão inscrever-se até o dia 12 de dezembro....

Canal oficial para investidor pessoa física na B3

A partir desta sexta-feira, a nova área logada do investidor da B3, lançada em junho, passa a ser o canal que centraliza todas as...

Fitch Ratings atualiza metodologia de Rating de Seguros

A Fitch Ratings, agência de classificação de risco, publicou nesta sexta-feira relatório de atualização de sua Metodologia de Rating de Seguros. Segundo a agência,...