Sudeste produz 87,5% dos cafés do Brasil em 2020

A produção total dos cafés do Brasil em 2020, somadas as espécies arábica e conilon, atingiu 63,07 milhões de sacas de 60kg, superando em 2,3% a produção brasileira de 2018 e se tornando a safra com maior volume da história. Foram 14,31 milhões de sacas, 23% do total, de café conilon, volume que representou uma queda de 4,7% se comparado com 2019. Essa redução na produção do café conilon foi justificada pelo baixo índice de chuva nas regiões produtoras do Espírito Santo, o maior estado produtor da espécie no Brasil. Já o café da espécie arábica foi responsável por 77% da safra brasileira ao produzir 48,77 milhões de sacas, com um aumento de 42,2% em relação ao ano passado, influenciado pela bienalidade positiva.

Com uma produtividade média de 33,32 sacas por hectare e um total de 55,15 milhões de sacas produzidas, o Sudeste foi responsável por 87,5% de toda produção nacional no ano. Minas Gerais, o maior estado produtor brasileiro foi responsável por 34,64 milhões de sacas, número que representou 55% da safra dos cafés do Brasil no ano. O Espírito Santo, segundo maior estado produtor, colheu um volume equivalente a 13,95 milhões de sacas, 22% da safra nacional. O Estado de São Paulo foi responsável por 6,18 milhões de sacas, enquanto o Rio de Janeiro teve 371 mil sacas de café produzidas.

Ao estabelecermos um ranking decrescente das cinco regiões geográficas brasileiras, é possível verificar que em segundo lugar, como maior Região produtora de café depois do Sudeste, vem o Nordeste que, com produção exclusiva no estado da Bahia, colheu 3,98 milhões de sacas de café em 2020, um crescimento de 32,9% se comparado com a safra baiana de 2019. Na terceira posição está a Região Norte, cujo único estado produtor é Rondônia, com 2,44 milhões de sacas colhidas, volume 11,2% maior que ano passado. Em quarto lugar a Região Sul que produziu, exclusivamente no estado do Paraná, o equivalente a 942 mil sacas, número que representou uma redução de 1,2% em relação à safra do ano passado. Por fim, o Centro-Oeste com a produção de 406 mil sacas de café, um crescimento de 9,6% nos mesmos termos comparativos.

O 1º Levantamento da Safra 2021 de café, divulgado hoje pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), estima uma produção total, somados conilon e arábica, entre 43,8 milhões e 49,5 milhões de sacas, indicando uma redução entre 30,5% e 21,4%, em comparação ao resultado apresentado na safra passada.

Apesar da redução da produção total, calcula-se uma produção recorde para a espécie conilon, se atingir o limite superior de 16,6 milhões de sacas de café beneficiado, com um incremento de 16% em relação a 2020. Pelo limite inferior, a previsão é de pouco mais de 14 milhões de sacas.

Para o arábica, que responde pelo maior volume nacional, a estimativa é de uma colheita entre 29,7 milhões e 32,9 milhões de sacas, o que representa uma queda de 32,4% e 39,1%, respectivamente, em comparação com a safra passada. A produtividade no limite inferior está próxima à da safra 2017 (de 24,14 sacas por hectare), e no limite superior, à da safra 2019 (de 27,2 sacas por hectare), que também foram anos de bienalidade negativa.

Por outro lado, ao contrário da área em produção que é a menor dos últimos 20 anos, a área em formação é a maior desse período, reflexo da grave seca que assolou os cafezais e induziram os produtores a aproveitar o ano de bienalidade negativa e destinar uma maior área para realizar tratos culturais nos cafezais. A área de produção indicada é de 1,76 milhão de hectares, com uma redução de 6,8% frente a 2020.

Minas Gerais, estado com a maior produção nacional, deve alcançar entre 19,8 milhões e 22,1 milhões de sacas. A redução pode chegar a 42,8% em relação ao último ano, atingindo sobretudo o café arábica, que sofre maior influência da bienalidade negativa. Já no Espírito Santo, a produção total está estimada entre 12 milhões e 14,9 milhões de sacas, dos quais 9 milhões a 11,3 milhões de sacas serão para o conilon. Nos demais estados, o levantamento aponta os seguintes números: São Paulo reduz a produção e alcança entre 4 milhões e 4,2 milhões de sacas; na Bahia há perspectiva de aumento de até 4,3%, situando-se entre 4 milhões e 4,1 milhões de sacas; Rondônia também há probabilidade de aumento e deve alcançar entre 2,3 milhões e 2,4 milhões de sacas; Paraná, da mesma forma, pode ter aumento, variando entre 906 mil e 943 mil sacas; o Rio de Janeiro segue o movimento de queda na produção e deve situar entre 270 mil e 281 mil sacas; em Goiás também há previsão de baixa, situada entre 222 mil e 231 mil sacas; e por fim, Mato Grosso, com previsão de aumento, situando entre 194 mil e 200 mil sacas.

Leia mais:

Norte da África puxa alta na compra árabe de café do Brasil

Exportação de café bate recorde pelo terceiro mês seguido

Artigos Relacionados

Aplicativos mantêm total controle sobre trabalho de entregadores

OIT: o número cresceu 5 vezes nos últimos 10 anos.

Orçamento: Congresso ainda não votou vetos de 2019

O Congresso Nacional deve realizar uma sessão na primeira quinzena de março para analisar vetos do presidente da República a propostas aprovadas pelos parlamentares....

Presidente do Banco do Brasil joga a toalha

Centrão tem interesse no cargo.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Presidente do Banco do Brasil joga a toalha

Centrão tem interesse no cargo.

Imóveis comerciais tiveram estabilidade em janeiro

Nos últimos 12 meses, entretanto, preços de venda e locação do segmento acumulam quedas de 1,32% e 1,18%, respectivamente.

Contas públicas têm superávit de R$ 58,4 bilhões em janeiro

Dívida bruta atinge 89,7% do PIB, o maior percentual da história.

Presidente do Inep é exonerado do cargo

Medida foi publicada no Diário Oficial de hoje; até o momento, não foi anunciado o nome de quem o substituirá.

Primeiro caso de Covid-19 no Brasil completa um ano

Brasil tem novo recorde de mortes diárias, diz Fiocruz; boletim informa que houve ontem 1.148 mortes.